ou

Uma das maiores conquistas da organização é a integração que existe entre o ambiente externo e os nossos sentimentos. Quando nos sentimos bem, é comum nosso ambiente ser ordenado por nós aos poucos, assim como, quando organizamos nosso ambiente, nossa mente fica mais tranquila. Por isso muitas pessoas gostam de limpar e arrumar a casa “para desestressar”. Existe sim essa relação.

Parte dessa organização vem do destralhamento da casa. Afinal, não dá para organizar tralha. Existem alguns mitos que envolvem esse processo de destralhar e organizar, e eu gostaria de comentar sobre alguns deles. Veja os que eu mais percebo por aí:

Mito 1
Você precisa ser uma pessoa organizada

Não! Quando você se deparar com um armário cheio de roupas bagunçadas ou uma mesa cheia de papéis, não diga a si mesmo(a): “meu deus, preciso me organizar!”. Isso gera uma ansiedade e também coloca a organização em um pedestal, como se fosse algo quase inatingível, que meros mortais como você jamais conseguirão fazer. Não pense nisso! O primeiro passo deve ser se livrar da tralha. Por isso, calmamente, um pouco por vez, livre-se daquilo que não faz mais sentido para você. Se você tiver menos coisas, ficará mais fácil organizar depois.

Mito 2
Você precisa ser MUITO organizado(a)

Apesar de ajudar ter um lugar para cada coisa na sua casa, mesmo essa regrinha que parece básica pode sabotar o seu destralhamento. Afinal, quem quer ver uma estante vazia? Ou um armário pouco cheio? Por isso, tenha cuidado para não encher de coisas um lugar apenas porque tem espaço. A decoração pode ajudar bastante aqui, com algumas soluções. Outra questão que envolve ser “super organizado(a)”: se você passa mais tempo criando etiquetas para as suas pastas que sendo feliz, pare imediatamente. É legal se organizar, mas cada pessoa tem um limite. Busque aquilo que for suficiente para você.

Mito 3
Caixas organizadoras são a solução

Existem caixas organizadoras maravilhosas – e caras! – no mercado. Para começar, lembre-se que é necessário destralhar sua casa antes de pensar em comprar caixas. Não adianta comprar 30 caixas diferentes e guardar toda sorte de coisas dentro delas. Diminuindo a quantidade de coisas, você gasta menos com armazenamento. As caixas podem ser lindas mas, se você as enche de tralha, elas acabam virando tralha também.

Mito 4
Não se desfaça – encontre um lugar para guardar

A velha síndrome do “um dia posso precisar”. Quando se deparar com um objeto que não usa há séculos, não gosta dele e, enfim, identifica-o como um sério candidato a ser jogado fora, pergunte-se: seria fácil e barato conseguir outro desses caso eu realmente precise no futuro? Se a resposta for sim, se desfaça. Se for não, repense APENAS SE você tiver lugar para guardá-lo. Se não tiver, questione-se se manter um objeto que não usa vale o efeito visual de tralha que ele causa.

Um ambiente organizado traz mais paz interior do que você imagina.

Mito 5
Mantenha suas roupas apertadas para quando emagrecer, como estímulo

Você até pode manter uma calça ou outra peça para esta finalidade, mas não adianta guardar todas as peças de cinco anos atrás esperando emagrecer novamente. Doe as peças. Quando você emagrecer, certamente vai querer peças novas para celebrar a sua conquista. Deixe no seu guarda-roupa apenas peças que te sirvam e que te deixem bonita(o) HOJE, e não que causem uma sensação de baixa auto-estima toda vez que você olha para elas.

Mito 6
Guarde objetos preciosos ou caros

Eu sou uma grande fã de lembranças. Adoro me lembrar dos momentos felizes que passei com a minha família e amigos. No entanto, as lembranças não precisam ser despertadas por objetos físicos. Você pode tirar uma foto dos objetos que trazem essas lembranças e depois se desfazer dele. Você liberará um espaço imenso na sua casa, caso você tenha muitos itens assim. Mesmo itens caros, se deixados de lado, são apenas tralhas caras. Tente vendê-los na Internet.

Thais Godinho
24/11/2015
Veja mais sobre:
6
O que significa ter um blog profissional
Sempre revise suas rotinas e TO-DO lists
Depoimento da leitora: “Frequentemente me via sem foco, sem determinação e perdida em questionamentos”