ou

Uma preocupação constante que tenho é em aproveitar o melhor possível o tempo que eu passo com o meu filho. Quando nós, mães, começamos a empreender, o trabalho acaba tomando grande parte da nossa vida e, por isso, mesmo tendo pouco tempo para os filhos, precisamos aproveitar esse tempo com mais qualidade. Não adianta nada ficar com os filhos vendo um filme e, enquanto eles assistem, você ficar mexendo no celular! Sua mente não está plena naquele momento e nem eles nem você se sentirão bem com isso.

Eu listei três maneiras que me deixam feliz por estar aproveitando o tempo com o meu filhote e acredito que elas possam inspirar você a fazer o mesmo.

1. Mude o astral antes de chegar em casa

Eu montei uma checklist de coisas que gosto de ler antes de chegar em casa ou parar de trabalhar e ir encontrar o meu filho. São afirmações pessoais como “por mais que você esteja cansada, seu filho precisa de você” e “você precisa mostrar que trabalho é algo bom e louvável, não algo que te deixa longe dele”. Um dos itens mais significativos para mim é “sorria!”. Sim, eu sempre sorrio quando vejo o meu filho, mas eu preciso me lembrar disso quando estiver cansada. Ele precisa de mim bem.

2. Fale baixo e calmamente

Eu tenho a tendência a ficar muito agitada. Quando percebo esse estado, prefiro passar 2 minutos sozinha me recompondo, respirando calmamente, me reequilibrando, que deixar esse ciclo se completar e eu perder a paciência ou falar alto com o meu filho.

3. Peça ajuda

Muitas vezes, ainda temos bastante coisa para fazer em casa depois do trabalho. Em vez de deixá-lo de lado enquanto eu faço, costumo pedir para ele me ajudar, mesmo que minimamente. Quando preciso pendurar roupa para secar no varal, ele me ajuda entregando os pregadores. Quando precisei montar uma estante outro dia, ele me ajudou com o manual de instruções (mesmo que eu já tivesse lido antes rsrs). Seus filhos gostam de passar um tempo com você, qualquer tempo. Eles fazem parte da sua vida e devem compartilhar todos os momentos possíveis com você, mesmo que não pareçam ter tanta graça, como eventos do cotidiano. Mas, para eles, faz muita diferença apenas estar junto.

Essas três coisas mudaram bastante a relação com o meu filho desde que eu comecei a trabalhar por conta própria, e eu me sinto feliz por saber que consigo atender toda a atenção que ele demanda de mim.

Thais Godinho
25/09/2015
Veja mais sobre:
16
Pesquisa Vida Organizada 2013
Utilizando o Toodledo para gerenciar a rotina de limpeza da casa
Erros de finanças que a gente comete ao longo da vida (e como consertá-los)

 

  1. Nayara 25/09/2015

    Inspirador!

    Ser mãe é isso mesmo!!!

  2. Evely 25/09/2015

    Isso mesmo! Não importa a idade dos nossos filhos, se pequenos ou grandes! Eles sempre requerem nossa atenção de uma forma ou de outra. A minha filha caçula acha um jeitinho de querer alguns miminhos ou ainda um colinho de mãe. E ela já tem 27 anos. Mãe pressente isso num simples olhar ou no jeito de falar. Às vezes, estou tão cansada que o que mais desejava naquele instante era seu eu a filha. Mas, vamos buscar forças, botamos um sorriso largo no rosto e a recompensa é divina.
    Abraços em todos!

  3. Ana 25/09/2015

    Que post legal, Thais!
    Eu sempre incluir minha filha nas atividades e vamos conversando enquanto fazemos alguma coisa. Ultimamente temos cozinhado juntas. Incluo ela também em decisões do cotidiano, claro que as decisões com menos responsabilidades. Por exemplo, escolher um filme, um restaurante, o cardápio do almoço domingo, a cor da parede da sala. Enquanto isso, conversamos sobre as opções, vantagens e desvantagens. Isso nos aproxima e deixa o tempo só nosso, sem que fiquemos juntas, mas cada uma no seu mundo virtual.
    Bjo

  4. Tatiane Bezerra 25/09/2015

    Adorei, Taís. Eu não sou mãe, tenho apenas 20 anos, mas gostei muito das dicas! Vou usar os conselhos na convivência com meus pais. Hoje, por conta da minha idade, eles não “precisam” me dar tanta atenção.. Acredito que eu quem preciso fazer isso hoje! É sempre bom que o tempo que passamos em família seja de qualidade! 🙂

  5. Beth 25/09/2015

    Concordo plenamente, Thais! Não podemos nunca nos esquecer do quanto eles precisam de nós…

  6. Roseane 26/09/2015

    Cade as outras duas?

  7. Jess 28/09/2015

    são dicas excelentes!
    Suas reflexões vão de encontro com uma concepção bem progressista de educação, priorizando a autonomia. principalmente quando você diz que incluí ele nas tarefas que você faz, porque isso para a criança é tudo, se sentir valorizada e incluída é uma coisa que contribuí muito para um desenvolvimento mais integral 🙂

  8. Adriene 28/09/2015

    Oi Thais!

    Preciso de sua ajuda. Meu bebê tem 3 meses. Como faço para cuidar dele, organizar a casa e também aplicar o GTD? Antes dele nascer fazia coletas, processamentos, revisões e anotava tarefas na agenda, mas nem sempre consigo realizar as ações planejadas.

    • Thais Godinho respondeu Adriene 30/09/2015

      Adriene, o GTD serve para justamente entendermos as prioridades.
      Nesse momento, seu bebê é muito pequeno. Seu foco deve ser nele, com toda a certeza.
      Aos poucos sua rotina vai se estabilizando novamente.
      Abs

  9. Vanguedes 14/10/2015

    São coisas como essa que nos deixam revitalizados, né? Eu não tenho filhos, mas sempre que estou com meu afilhado eu faço o possível para aquele tempo ser aproveitado da melhor forma e acredito que com filho seja assim também, embora muito mais difícil, uma vez que filho você vê todos os dias e afilhado você vê quando quer hahahaha

    Adorei as dicas.

  10. Hernane Ferreira 03/10/2016

    Meu filho está com 4 meses, mas vou colocar esse texto no Caderno “Referências” com um lembrete anual.