ou
Thais Godinho
31/08/2015
Veja mais sobre:
0
Depoimento da leitora: “Este ano foi um ano extremamente difícil pra mim”
Editorial: Foque
Resumo do mês de agosto 2015 aqui no blog

O leitor Gabriel enviou uma dúvida por comentário e achei que a resposta geraria um bom post, pois traz muitos conceitos interessantes. Vamos lá!

Olá, Thais. Boa tarde.

Estou saindo do nível ground para o nível de projetos. Entretanto, tenho uma dificuldade: preciso quebrar o projeto em tarefas que caibam nas listas de “Next Actions” ou “Someday”?

Pegando o meu exemplo prático: tenho o objetivo de tocar um instrumento musical (bateria… :D). Criei um projeto de 6 meses para ir acompanhando a minha evolução, mas entendo que é uma coisa que “não tem fim”. Ou seja, a cada 6 meses, terei de ter um projeto para esse objetivo. A operacionalização que adotei foi reservar uns horários na minha semana para praticar um pouco. Você acha que assim funcionará ou poderei me perder com o tempo?

Obrigado!

Gabriel, é muito interessante a sua pergunta porque o que justamente diferencia um projeto (Horizonte 1) de uma área de foco (Horizonte 2) é que as áreas de foco não têm fim. O projeto tem sempre um fim e você sabe que chegou nele quando define o resultado desejado e o alcança.

No seu caso, você quer aprender a tocar bateria. Hobbies, música, bateria são áreas de foco. Nós cuidamos das áreas de foco através de projetos e próximas ações. Você pode sim ter um projeto relacionado que queira concluir em seis meses, mas precisa definir um resultado desejado.

Pense: O que quero com relação a “bateria” daqui a 6 meses? Você pode ter algumas ideias, como “tocar a música ‘The Rhythm Method’ do Rush”. Isso é um resultado desejado, que vira o seu projeto. Com base nele, você pode definir próximas ações. “Baixar a versão X da música para ir ouvindo” ou “Procurar na Internet escolas de músicas no meu bairro”.

Um projeto deve ser revisado semanalmente. Existem algumas coisas que caracterizam um projeto no GTD:

  • Múltiplos passos para ser concluído
  • Pode ser concluído em até 12 meses, em média (alguns coachs da DAC costumam levar até 18 meses, mas o David fala 12)
  • Tem que revisar semanalmente
  • Tem fim, com base em um resultado desejado
  • Tem pelo menos uma próxima ação definida

Você também pode perceber que não tem nenhum projeto, mas apenas próximas ações relacionadas à sua área de foco.

O que caracteriza uma próxima ação é que ela é a próxima ação física a ser realizada que não depende de nada, a não ser que você esteja no contexto apropriado (e é por isso que o David separa as listas de próximas ações por contextos).

Eu não sei há quanto tempo você já toca bateria, se é iniciante ou se já toca regularmente, para poder te ajudar mais do que isso. Mas o GTD tem uma gama de ideias para ajudá-lo a organizar o que você quer fazer, de próximas ações, passando por projetos, áreas de foco, objetivos. Claro que tudo isso é apenas semântica e o que importa é que você faça o que tem que ser feito. No entanto, essas definições ajudam bastante na hora de executar com mais significado.

Espero ter ajudado.

Thais Godinho
30/08/2015
15
GTD e Estudos: Introdução
Aprenda GTD: Passo 3 – Organizar
Resumo de janeiro 2015 aqui no blog

Uma das coisas que eu vou aprendendo com o passar do tempo é a necessidade de tirar fotos quando realizo algum evento ou participo de algo, pois sempre me esqueço de tirar! No último workshop que fiz, em Curitiba, dia 22 de agosto, não foi diferente. Felizmente, tirei algumas fotinhos apenas para ilustrar, mas faltou a foto grandona da turma. Fica para a próxima!

Captura de tela 2015-08-27 13.48.26

O workshop em Curitiba foi o primeiro workshop que eu realizei sozinha em outra cidade além de São Paulo, então foi um evento muito importante para mim. Tenho este workshop, o Organize sua vida, onde procuro ajudar as pessoas a se organizarem de modo geral – é o “workshop básico” do blog, digamos assim. Meu plano com ele é fazer uma turnê (rs) pelas capitais ao longo de 2016. O próximo acontecerá em São Paulo no dia 12/09 (aliás, as inscrições estão abertas! Clique aqui para se inscrever). Outras cidades com planejamento para os próximos meses: Brasília, Recife, Belo Horizonte, Florianópolis e Rio de Janeiro.

Realizar um workshop em outra cidade não é fácil. Falei um pouco sobre isso aqui e aqui. Por favor, leia se desejar ver um workshop do Vida Organizada onde você mora. É importante. 🙂

Captura de tela 2015-08-27 13.52.13

O workshop em Curitiba foi incrível. Foram 25 pessoas em sala, todas animadíssimas para aprender a organizar a vida. Tivemos meninos e meninas (o que é sempre muito legal) e falamos sobre todos os nossos assuntos preferidos: como organizar objetivos de vida, rotinas, o dia a dia. Gostaria de agradecer todos que foram e, em especial, a Michelle Amorim, amiga e blogueira do Vida Materna.

Curitiba é uma das minhas cidades preferidas e ir à cidade é sempre um grande prazer. Agradeço por ter sido tão bem acolhida e espero voltar em 2016. 🙂

Clique aqui e veja todos os próximos eventos relacionados ao blog!

Thais Godinho
28/08/2015
Veja mais sobre:
, Curitiba, Workshops
16
Minhas três ferramentas essenciais de organização
Como me planejei para fazer uma transição de carreira
Como eu organizo a minha agenda atualmente – Outubro 2016