ou

“Até você ter capturado tudo o que tem a sua atenção, uma parte sua não vai confiar totalmente que você está trabalhando com uma visão geral do seu mundo.”. – David Allen

Em outras palavras: você precisar tirar da cabeça aquilo que está te preocupando de alguma forma, para poder lidar com isso sem que essa ideia fique pipocando na sua mente de tempos em tempos (além de você correr o risco de esquecê-la).

Quando ele fala que a nossa mente é para ter ideias, não para armazená-las, significa basicamente o seguinte:

  • Você já se pegou tendo grandes ideias enquanto está tomando banho, tirando férias ou tentando dormir? Isso acontece porque sua mente está em um estado de relaxamento. Durante o dia, isso não acontece porque você tem sempre muitas preocupações na sua cabeça. O que buscamos, ao fazer a coleta, é esse estado de relaxamento que nos permita pensar durante o dia também.
  • Se você conseguir obter controle no seu nível mais básico de atividades, não precisa gastar conhecimento cognitivo nelas – e pode deixar sua mente liberada para pensar estrategicamente. Ou seja: como você pode conseguir se dedicar a um projeto importante se você está preocupado com a sua caixa de entrada de e-mails cheia de demandas esperando sua resposta?

Quando a gente fala em coletar, muitas pessoas pensam: “Credo, mas vou escrever tudo o que está na minha cabeça? Vou ficar maluco”. Em primeiro lugar, não, você não vai escrever tudo (vou explicar mais para a frente o que você vai escrever). E em segundo, as coisas não deixam de existir apenas porque você não quis escrevê-las e tirar da cabeça. Quando você faz isso, você consegue ter uma ideia da dimensão de coisas que você precisa fazer e cuidar, apenas, o que pode te dar a sensação de tranquilidade por não confiar na sua mente para isso. Você só consegue ficar tranquilo sobre aquilo que não está fazendo quando tem noção do que não está fazendo, e a única maneira de fazer isso é coletando esse material. Nossa mente não tem outra mente interna fazendo essas divisões.

Claro, porque você já deve ter percebido que nem a pessoa com a melhor memória do mundo consegue guardar todas as informações necessárias na cabeça. E a outra questão – a mais importante, no meu ver – é que não precisa. Você não precisa usar a sua cabeça para armazenar informações. É isso o que o David quer dizer quando recomenda que a gente use a cabeça para pensar, não para armazenar. Quando a gente armazena, a cabeça fica muito cheia para pensar.

O que você deve capturar?

No geral, tudo aquilo que chama sua atenção. Você pode estar divagando durante a aula de Economia III na faculdade e reparar que o teto pintado de azul é bonito. Precisa capturar isso? Não. Mas é claro que, se você olhar para o teto azul e descobrir que, um dia, quando tiver sua casa dos sonhos, gostaria de ter um teto azul, pode ser legal não perder essa ideia. Entendem a diferença? Tudo gira em torno da atenção.

Minha regra pessoal é a seguinte: se eu penso em uma coisa que eu sei que não posso esquecer, eu anoto. É mais simples assim! Mesmo que depois eu decida que é uma bobagem, prefiro anotar a esquecer.

De onde vêm essas informações que precisamos coletar?

  • Reuniões
  • Mensagens
  • Telefonemas
  • Anotações
  • Notas em sala de aula
  • Correspondência
  • Pessoas falando
  • E-mails
  • Ideias
  • Navegando na Internet
  • Etc!

 

Ideias podem surgir o tempo todo no nosso cotidiano e não é legal perdê-las. Então, no dia a dia, desde o momento que a gente acorda (já pensando em mil coisas), até chegar no trabalho, conversar com o colega e saber uma novidade sobre um projeto, abrir a caixa de entrada com 112 e-mails novos, ir para a reunião, lembrar de coisas para comprar no mercado, solicitações do chefe, nós estamos recebendo informações. Se não coletarmos aquilo que precisaremos lembrar, podemos fatalmente esquecer algumas delas – por melhor que seja a sua memória. Por isso, a recomendação do GTD é que, se você receber algum tipo de informação que precise ser lembrada, anote em algum lugar.

Onde capturar

No post anterior você já viu algumas sugestões de ferramentas para coleta. Particularmente, eu gosto de coletar no papel, por achar mais rápido escrever que digitar no computador ou no celular. Lembre-se também que não é para processar direto essa informação – passar pelo passo da coleta é importante porque o processar, que veremos no próximo post, deve ser feito com atenção, e não de qualquer jeito. (Veja aqui os principais erros de quem começa a aplicar o GTD)

Algumas ferramentas, como o Todoist e o Evernote, podem ser usadas também como caixa de entrada. Fica totalmente a seu critério escolher o que for melhor para você. O que eu recomendo é que você tenha uma ferramenta digital e outra física para coleta, para nunca ficar na mão. Eu costumo levar meu bloquinho de papel para todo lado mas, se por acaso ele faltar, certamente estarei com meu celular, e então posso coletar (eu uso o Evernote para isso).

Durante muito tempo, usei um único caderno (físico) como caixa de entrada e anotava nele, uma coisa embaixo da outra, tudo aquilo que não poderia esquecer. O problema de fazer assim – percebi com o tempo – é que você não consegue se concentrar em um único item ao processá-lo – o de baixo pode chamar mais atenção e por aí vai. Quando eu coleto em um único papel, consigo me concentrar em cada item coletado e o processamento se torna mais preciso. Quando o David recomendou isso no livro imaginei que fosse um absurdo, anti-ecológico, mas agora entendo o por quê. E, para economizar papel, basta usar folhas de rascunho, reaproveitar os papéis e tudo o mais. Dá na mesma.

A importância de ter uma caixa de entrada

A caixa de entrada é aquele lugar onde você vai centralizar todos os papéis que chegam até você. A ideia é que, se você precisar de alguma informação que ainda não tiver sido processada e organizada, você sabe que fatalmente ela estará na sua caixa de entrada. No outro post, anterior, eu falei mais sobre a importância de ter uma caixa de entrada (e, na verdade, várias, e como fazer).

Na prática, funciona assim: você passará o dia coletando ideias e, quando coletar cada uma, colocará o papel na sua caixa de entrada (se você usar uma caixa de entrada digital, adapte o conceito à sua ferramenta). Depois, você vai processar o que coletou. No post sobre o processamento vou comentar sobre a frequência dele.

A primeira coleta

Quando você começa a implementar o GTD, pode perceber que vai fazer uma coleta bem grandona. O David tem algumas recomendações:

  • Comece pelo seu espaço físico. Olhe para a sua mesa e veja o que você tem de papéis, contas jogadas, post-its, recibos, anotações diversas. Veja um por um para ver a necessidade de coletar. Lembre-se que é muito mais fácil deixar as coisas como estão do que tomar alguma decisão com relação a elas – e isso vale para tudo na vida! O que o GTD faz é, pouco a pouco, solucionar essas coisas. Se você tem uma mesa quebrada no seu escritório, você precisa coletar essa ideia para decidir depois o que vai fazer com ela. E é claro que, se for algo gigantesco como um móvel, você não vai colocar na sua caixa de entrada, mas anotar em um pedaço de papel “mesa quebrada” e colocar na caixa de entrada. Ao processar, você vai se fazer algumas perguntas que vão te ajudar a lidar com aquilo.
  • Depois da sua mesa, vá para as suas gavetas. Depois, as superfícies do seu escritório. Armários, estantes. Como você pode ver, a primeira coleta pode ser trabalhosa. O David recomenda que você tire dois dias para fazer. O que eu particularmente recomendo é que você colete um pouco hoje, um pouco amanhã e por aí vai, porque isso faz parte da minha filosofia de organização – fazer tudo aos pouquinhos, desde que evolua. Depende realmente do que funciona melhor para você. Quando eu comecei a usar o GTD, eu fiz a coleta grandona toda de uma vez e, vez ou outra, gosto de refazer. Ajuda bastante a verificar se falta tomar algum tipo de providência.
  • Aplique a coleta em toda a sua casa. Ande pelos cômodos e veja se algo chama a sua atenção. Comprar um móvel, pintar uma parede, arrumar os cabos atrás do rack. Certamente você coletará muitas ideias.

Fazendo a coleta mental

Uma vez que você tenha feito a coleta física, parta para a coleta mental. E aqui eu já digo que vale muito mais a pena coletar a mais que deixar faltar algo – tenha isso em mente ao capturar ideias. Não é hora de pensar “isso é demais” – se achar importante, colete.

Para fazer a coleta mental, utilize o livro do GTD (“A arte de fazer acontecer”), a partir da página 90, quando ele traz uma lista de possíveis veios abertos na sua vida para inspirar essa coleta.

Depois da coleta

Se você coletou tudo, provavelmente sua cabeça está vazia e sua caixa de entrada está cheia. Depois de coletar, você vai processar esse material. Nosso próximo post será apenas daqui a duas semanas, explicando o processamento, e é provável que você tenha ali coisas que não podem esperar. Eu sugiro que você processe sozinho, seguindo as recomendações do livro e, quando o post novo chegar, você vai refinando seu processamento com o que foi coletando ao longo dos dias. Não deixe sua caixa de entrada acumular, senão processar se tornará chato. E ah, processe aos poucos, senão você vai ficar horas fazendo isso da primeira vez.

Lembre-se que isso deve se tornar um hábito no seu dia a dia. Lembrou de alguma coisa que não pode esquecer, colete! Se esse negócio voltar à sua mente pela segunda vez, é porque você não coletou da primeira – exercite mais.

Boas práticas da coleta

  • Coloque a data em que você coletou aquela informação. Pode ser útil ter essa informação ao processar uma demanda que você tenha que cobrar de alguém, por exemplo, ou para tarefas semelhantes cuja única diferença é o dia que entraram. Na verdade, é um bom hábito datar tudo o que você escreve, não só as coletas do GTD.
  • Se você for coletar algo que é evidentemente lixo, já jogue fora. Não vale a pena colocar na caixa de entrada e só jogar fora ao processar. Isso pode ser especialmente útil para e-mails que são spam.
  • Seja consistente na coleta. Se deixar de coletar uma vez, as coisas já voltam para a sua cabeça e a bagunça se instaura novamente.
  • Coletar ajuda você a lidar com interrupções. Você pode estar trabalhando em um documento importante e lembrar de algo que precisa fazer – em vez de parar e ir fazer, você anota para não esquecer e continua o que está fazendo. O mesmo vale para um telefone que toca ou o chefe que vem na sua mesa e pede um monte de coisas. Se for o contrário e você tiver que parar para atender uma solicitação, consegue coletar onde parou no documento e voltar nele com tranquilidade logo depois de cumprir a demanda.
  • Não insira diretamente a coleta no seu sistema organizado. Insira na caixa de entrada e processe depois com calma. Se processar errado, sua execução falhará. É necessário passar por todos os passos para ser feito da maneira certa.
  • Colete antes que aquilo se torne urgente. Você pode achar besteira coletar algo como “ir ao dentista” mas, quando você estiver morrendo de tanta dor e isso se tornar urgente, vai se arrepender de não ter coletado e lidado com aquilo antes. Isso vale para muitas outras situações em nossa vida, especialmente na vida pessoal, que podemos ter o péssimo hábito de deixar para lá.

Quando você começa a fazer a captura no GTD, na verdade você está dando o primeiro passo para transformar a sua “tralha” em algo que demanda qualquer tipo de ação ou não. Quando você não decide sobre as coisas que aparecem na sua vida, elas ficam ocupando seu espaço mental e te perturbando mesmo que você não saiba.

Percorrer todos os cinco passos do GTD é MUITO importante porque, muitas vezes, as listas que as pessoas têm de coisas a fazer nada mais são do que listas de coisas incompletas, que não foram pensadas, e que continuam ali como um lembrete do que deve ser pensado ainda. Isso não te tira do lugar e você não sabe por quê. O que o GTD faz é tornar a execução de todas as coisas na vida muito mais fáceis para você.

Dúvidas? Poste nos comentários. 🙂

Thais Godinho
06/07/2015
Veja mais sobre:
Série: Aprenda GTD
51
4 maneiras de dar presentes de Natal sem incentivo ao consumo
Organize seus arquivos para a declaração do Imposto de Renda este ano
Dúvida da leitora: O que fazer com tantas tarefas concluídas no Evernote?

 

  1. Katia 06/07/2015

    Olá Thais, boa tarde.

    Não precisa aceitar este comentário, é só uma correção rapidinha 🙂

    O parágrafo:
    Coloque a data em que você coletou aquela informação. Pode ser útil ter essa informação ao processar uma demanda que voei tenha que cobrar de alguém, por exemplo, ou para tarefas semelhantes cuja única diferença é o dia que entraram. Na verdade, é um bom hábito datar tudo o que voei escreve, não só as coletas do GTD.

    Está com a palavra “você” escrita “voei” duas vezes. Acredito que tenha sido o corretor automático.

    Adoro seu blog e adoro o GTD!
    Beijos!

    • Thais Godinho respondeu Katia 06/07/2015

      Esse corretor automático está me matando. Obrigada, vou corrigir.

  2. Abe Gomes 06/07/2015

    Obrigada pela explicação detalhada, Thais!
    Estou “pegando o jeito” hehe
    Abraços,

  3. Patrícia 06/07/2015

    Olá Thais!

    Comecei utilizando o GTD com sua série para Evernote. Recentemente resolvi experimentar o Toodledo, pois é meio chato lidar com as tarefas no Evernote. Estou em processo de migração de uma ferramenta para a outra. Ainda uso o Evernote para referência geral como você postou recentemente. Estou gostando bastante da nova sistemática . Entretanto, hoje quando li este post fiquei com uma dúvida a respeito da coleta . Como você faz a coleta neste sistema, já que o Toodledo não tem uma caixa de entrada? Abraços!

    • Thais Godinho respondeu Patrícia 06/07/2015

      Patrícia, a série do GTD no Evernote é para usuários avançados, tanto do GTD quanto do Evernote. Se você estiver iniciando e já começar por ela, pode ser muito complicado e te confundir.

      No Toodledo não é para fazer coleta – só entra lá depois que você processa.

      Uma alternativa seria criar uma Folder chamada Inbox e jogar lá.

      Abs

  4. Ana 06/07/2015

    Estou gostando muito dessa série, do seu blog e enfim, do seu trabalho! Parabéns e obrigada por tornar o GTD acessível a todos!
    Tenho uma dúvida, quando você fala em “processar” significa resolver a “pendência” que que surgiu na coleta, certo?
    Sei que o próximo post será sobre processamento, mas gostaria de ter isso esclarecido.

    • Thais Godinho respondeu Ana 06/07/2015

      Significa esclarecer o que é aquilo que você coletou. Se demanda ação, se não demanda, se é para guardar, jogar fora, transformar em projeto etc. 🙂
      Tudo será explicadinho no próximo post.

  5. Eliane 06/07/2015

    Thais,

    Na minha primeira coleta levei quase dois dias inteiros, e foi muito, muito cansativo. Coletei mais de 500 itens (é normal isso??) e ainda não terminei, faltam alguns armários e cômodos da casa. Passei a processar (não sei se da forma correta) e continuei a coletar diariamente. Nesta continuação “descobri” uma ferramenta que até então eu achava que não ia usar: o gravador de voz do celular. Tenho feito várias coletas diárias com o gravador, estou achando bem rápido e prático. Várias coisas eu gravo enquanto estou fazendo atividades triviais, andando na rua, etc. Aí depois chego em casa e processo.

    No começo também achei meio absurda a idéia de cada coleta em um papelzinho, mas depois entendi que isso gera mais foco e rapidez no processamento. É só reutilizar papéis.

    No mais, desde que comecei a coleta há 3 semanas, já organizei e executei muita coisa que andava esquecida, sumida e parada. Ainda estou no nível do chão, lutando com urgências e pendências, mas em breve já estarei trabalhando nos meus projetos.

    Gratidão!

    Eliane

    • Thais Godinho respondeu Eliane 06/07/2015

      É normal sim e também é normal desanimar para coletar tanta coisa. Por isso, quando faço essa coletora maior, que geralmente são coisas não urgentes, eu vou processando aos poucos, separado da minha coleta diária. Fico muito cansada se processar tudo de uma vez mas, no dia a dia, em poucos dias processo tudo.

      O gravador de voz é uma excelente ferramenta para coleta mesmo. 🙂

      Obrigada por comentar!

  6. Helê 07/07/2015

    Você desenha bem! Estou adaptando o GTD pra mim e está bem legal. Leio seu blog desde 2011, é parte da minha vida já. Beijoka…

  7. Vilma 07/07/2015

    Thais você disse que usa o evernote para coletar,tenho dúvidas e o todoist para tarefas? Ai você passa de uma ferramenta para outra? Estou confusa,acho que estou fazendo errado,eu comecei usando toodledo,tudo que eu tenho que fazer e não posso esquecer escrevo lá,de acordo que vou fazendo ,vou cancelando,o evernote eu uso para arquivos,ideías que coleto na net,e uso também uma pasta para a papelada do dia a dia que chega e eu ainda não processei,se for urgente já coloco no toodlledo próxima ação,agora vejo falar de todoist sinceramente
    não sei o que seguir.

    • Thais Godinho respondeu Vilma 07/07/2015

      Quando você processa, você vai ter que passar de uma coisa para a outra – o trabalho é mínimo. O maior trabalho é pensar e esclarecer, e isso é mental, independente da ferramenta que você utilizar.

      Se você joga direto em uma lista o que você vai ter é uma lista coletada, não uma lista efetiva. Aí toda vez que olha para cada item tem que ficar pensando no que precisa ser feito. Por isso é importante o processar.

  8. Maria 07/07/2015

    Thais,

    Muito obrigada pelo seu blog. Até minha mãe comentou comigo que você conseguiu fazer o que ela não conseguiu em 27 anos! Me deixar mais organizada (to começando rs)! Tenho uma dúvida…

    Recebo muito e-mails do trabalho, também tenho muitas coisas para coletar da vida pessoal pois acabei de casar e também da pós que estou fazendo. Nesse papel você mistua todos os assuntos numa mesma coleta mesmo não tendo nada a ver uma coisa com a outra ou você separa por atividades?

    O meu maior problema é anotar em vários lugares diferentes (evernote, papel, caderno, outlook, agenda do iphone) e nunca saber qual que tem todas as informações. Acredito que preciso focar em apenas um e esquecer os demais, certo?

    Desculpa se estou sendo um pouco confusa, mas foram muitos anos desorganizados e pra deixar a mente organizada demora um pouco! rs

    Obrigada novamente!!
    Beijos
    Maria.

    • Thais Godinho respondeu Maria 07/07/2015

      A coleta não tem filtro, é para colocar tudo junto mesmo. Somente quando você for processar que você vai separar e depois organizar nos lugares certos.

      Fico muito feliz por ajudar – obrigada pelo que escreveu. 🙂

      • Patricia respondeu Thais Godinho 30/10/2015

        A minha duvida tem muita relação com a pergunta da Maria. Se estou entendendo corretamente teremos diversas fontes de coleta, até porque algumas são fisicas, como por exemplo uma caixa de coleta fisica na mesa do trabalho, uma caixa de coleta fisica em casa para correspondencias e etc. Nesse caso, algumas dessas entradas serão necessariamente profissionais e outras pessoais. Faz sentido nesse caso processar em momentos diferentes? Tipo, no trabalho pela manhã processar a caixa de coleta fisica e também os e-mails do trabalho, seriam todos profissionais e a noite fazer o processamento da caixa de coleta pessoal junto com o email pessoal? Seriam momentos de processamento diferentes para entradas diferentes. Sendo que se por acaso, o meu amigo de trabalho enviou no email de trabalho um convite para uma festa, apesar de ser uma atividade pessoal seria processado no momento profissional já que essa foi a entrada. A mesma coisa para a entrada pessoal, tudo será processado, mesmo que haja algo que seja profissional.
        Dessa forma, separamos as coisas mas sem nenhum passo extra. Só para não ficarmos abrindo e-mails particulares ou lidando com contas a pagar no horario do trabalho, ou vice versa.
        Gostaria de saber se isso faz sentido? Obrigada

        • Thais Godinho respondeu Patricia 30/10/2015

          Não tem necessidade, pode processar tudo junto. Claro que se uma caixa estiver no trabalho e outra em casa, você vai processar quando estiver nesses locais… Sobre e-mails, escolha sua mesmo. Tanto faz. ;D

  9. Daniela 07/07/2015

    Post maravilhoso! Obrigada Taís!

  10. Adelaide 07/07/2015

    Thais,

    GTD é vida. Não tem como ter a mesma vida quando se segue essa metodologia. É demais.

    Bjs bjs

    • Thais Godinho respondeu Adelaide 07/07/2015

      Não tenho como concordar mais !

      Obrigada por comentar.

  11. Paula Alvarez 07/07/2015

    Thais, tudo bom?

    Não sei se perdi algum post anterior, confesso que andei ausente uns dias hehe
    Mas não entendi uma coisa, na verdade, tenho uma dúvida, por exemplo:

    Vou pegar o caso do dentista tá?
    Eu coletei, escrevi num papel que preciso marcar dentista, coloquei na caixa de entrada…e depois? Deixo a informação lá até que realmente marcar o dentista? (isso, claro, caso eu não consiga marcar no dia que lembrei dessa informação).

    Eu tenho uma lista de “objetivos”, pequenos (como arrumar fios da tv), até arrumar o teto de casa. E alguns eu já consegui concretizar! Deixo-os bem a vista, para nunca esquecer, e o que for mais fácil/prático e acessível ($), faço primeiro.

    Mas essa função de coletar e processar é diferente do que eu faço, provavelmente hehehehe ai fica a minha dúvida!

    Beijãozão *

  12. Liza 07/07/2015

    Thais, adoro essa série! Especialmente porque ainda sou “faixa branca”. rs

    Ah, você pode colocar numeração nos posts? Eu sei que eles talvez não tenham exatamente uma ordem, mas ler de forma randômica (comecei a ler essa série com afinco nos últimos dias) foi bem confuso. Tive que olhar as datas dos posts, o que me impedia navegar pelos posts relacionados. Um “parte 1”, “parte 2”, já me ajudaria muito!

    Obrigada! 🙂

  13. Carol 07/07/2015

    Essa parte de coletar em papéis separados tb achei estranho quando li no livro, mas agora está muito claro o objetivo! A ideia da data é ótima!

    Bjos e obrigada.

  14. Marcelo 10/07/2015

    Oi, Thais. Ótimo post.
    Estou usando o Google keep para coletar. Conhece e gosta? Comigo tem funcionado bem.

  15. Post muito bom e esclarecedor. Uma excelente aula. Grata pela sua vontade em ensinar. 😉

  16. Bruna Diniz 15/07/2015

    Muito bacana, Thais. Ótimo post! Eu adoro listas e às vezes faço muitas que acabam sendo desnecessárias. Outro dia estava procurando algo para substituir o Wunderlist e encontrei o Todoist, que comentou no post. Comecei a colocar na inbox tudo o que vinha na cabeça e depois, no final do dia ou início do outro, organizava eles em projetos específicos. Basicamente o que mostrou. Um item que está indo agorinha para a inbox é a leitura do livro de GTD. Está na fila da minha cabeça há algum tempo e, como pode ver, não li ainda. 🙁

  17. Renata Lisboa 16/07/2015

    ADOREI!!!! Estou roendo as unhas pelo post sobre PROCESSAR!!! Obrigada por compartilhar conosco!

  18. […] o GTD passo a passo. Atualmente, nossa série está abordando os 5 passos do GTD com detalhes. No último post, falamos sobre a captura e sobre como coletar. Hoje, vamos ao passo 2: esclarecer, que é quando […]

  19. […] Você pode ler mais sobre a prática da coleta no post da série Aprenda GTD específico sobre esse assunto clicando aqui. […]

  20. […] Analise o que você tem por categorias: camisetas, livros, panelas, CDs de computador etc. Escolha uma categoria de cada vez e analise item a item fazendo as seguintes perguntas: Eu usei isto no último ano? Alguém da minha família usou? Isto poderia ser mais útil para outra pessoa do que para mim neste momento? Se um dia eu precisar deste negócio, é fácil ou barato conseguir outro? Eu amo isto? O espaço que esta coisa ocupa poderia ser usado para outras coisas mais importantes? Vale a pena em termos de logística, cuidados, limpeza etc manter este objeto na minha vida? Para cada categoria, você pode personalizar as perguntas. Para roupas, por exemplo, você pode se perguntar: Esta peça veste bem em mim? Tem material de qualidade? Me sinto bem com ela? E por aí vai. Faça isso com todas as categorias de coisas que você tem. Perceba que, ao fazer essa análise, encontrará coisas que vale a pena manter, mas precisam de reparos, por exemplo. Colete essa informação e coloque em sua caixa de entrada (mais sobre a caixa de entrada aqui). […]

  21. Aldenir 05/01/2016

    Parabéns pelo site! O conheci hoje e estou dissecando-o hehehe.

    O encontrei como uma empreitada para voltar a estudar para concurso e estava procurando idéias de como me organizar com o evernote e acabei lendo um post seu sobre GTD e evernote e não conhecia o método e acabei deixando de lado o estudo para concurso pois vi que preciso do GTD urgente na minha vida para organiza-la para sobrar tempo até para os estudos.

    Mas vamos deixar minha história de lado pois tenho várias dúvidas, mas vou me ater somente ao do assunto do post (acho eu).

    Para a coleta e demais etapas do GTD estou na dúvida entre o evernote e o todoist. O evernote já utilizo para todas as minhas anotações inclusive coisas à fazer (nome de filmes, livros, lugares para conhecer entre outras coisas) e vou começar a utiliza-lo para estudar. Mas devido ao comentarios do pessoal fui dá uma olhada no todoist e achei ele ótimo também. E agora, será que você conseguiria me tirar essa dúvida?

    Muito obrigado!
    Aldenir Costa

    • Thais Godinho respondeu Aldenir 06/01/2016

      Em primeiro lugar, seja benvindo!

      Eu começaria pelo Todoist! Ele é mais simples.

  22. […] escritório anotando toda e qualquer pendência que lhe chama a atenção! Eu também recomendo a leitura desse post, em que a Thais Godinho explica mais detalhadamente como fazer esse […]

  23. SABRYNE 05/05/2016

    Oi Thais. Estou gostando muito das suas dicas de organização. E sou uma pessoa extremamente desorganizada (até quando eu vou arrumar eu bagunço tudo antes rsrsrs) e isso atrapalha muito minha vida, as vezes sinto que não irei dar conta de tudo e de todas a areas da minha vida pessoal, sempre fica alguma area para trás. Mas decidi mudar, e andei tentando me organizar por conta propria, e há algum tempo descobri o evernote e cheguei até o seu blog =). Em relação a coleta eu tenho uma dúvida, como você faz essa coleta no Evernote, atualmente tenho feito em papel, mas sempre perco, ou quero anotar e eles nao esta comigo. Você faz uma caixa de entrada por dia? Cria um caderno só para caixa de entrada? Ou apenas uma nota? Ai depois que for processada você apaga ou deixa guardado?

    Muito Obrigada

    • Thais Godinho respondeu SABRYNE 06/05/2016

      Eu tenho uma bandeja para agrupar todos os papéis, que processo uma vez por dia.

  24. Andrea Portella 19/07/2016

    Thais, veja se pode esclarecer uma dúvida, por gentileza. Eu me organizo num misto de papel e tecnologia. A agenda é digital, mas a coleta é no papel, para exemplificar. Então, estou aqui com vários papeizinhos da coleta (uma coisa em cada página, com data) e acabo processando, executando e jogando fora. Como você faria para separar essa coleta por contextos? Eu separaria esses papeizinhos e levaria comigo quando fosse para a rua, pegaria os que se referem ao trabalho quando chegasse no trabalho e assim por diante? Estou meio confusa com o fato de estar com os papéis soltos… Bj e obrigada.

    • Thais Godinho respondeu Andrea Portella 20/07/2016

      A coleta não tem filtro. Esse filtro você faz quando processa, e só organiza depois disso (como você falou sobre contextos). A caixa de entrada serve simplesmente para juntar as coletas que você vai fazendo, antes de processar tudo.

      Quando você processa, você esclarece o que aquilo significa e organiza no lugar adequado – geralmente em formato de listas.

  25. Alexandre 15/11/2016

    Thais,

    Estou lendo o seu blog e cheguei nos 5 passos do GTD. Já deu uma vontade enorme de começar a coletar, aliás já comecei, pois vieram algumas coisas na minha cabeça que achei melhor coletar imediatamente para não perdê-las. Acontece que o seu blog já dá uma boa ideia dos 5 passos e fiquei em dúvida se deveria começar a prática com base no seu blog ou esperar e ler o livro que já comprei.

  26. Isabel 28/11/2016

    Oi Thais, conheço o BLOG desde 2014, mas minha vida entrou em uma espiral de loucuras e nunca consigo “parar” para me organizar. Comprei o livro GTD em 2015 (estou fazendo a troca pela edição atualizada), mas nem cheguei a ler, tive um bebê e novamente adiei os planos de “organização”. Agora é o meu maior objetivo, quero estudar o método e aplicar, PRECISO me organizar para fazer acontecer. Vou começar pelo passo a passo e estou lendo seu livro. Hoje, lendo o PASSO 1, quando cliquei no texto que fala sobre o “POST ANTERIOR” ele não me leva a lugar nenhum…. em fim, estou achando difícil encontrar a sequência de posts…. alguma dica?
    Minha maior dificuldade é fazer as coisas “aos poucos”, sou imediatista, daquelas que ou tira tudo do armário para arrumar, ou deixa bagunçado mesmo…. mas isso não funciona na vida real, pq nunca tenho tempo para nada! Então tenho me educado para fazer as coisas aos poucos…. em fim…. espero em 2017 começar um ano mais organizado.

    • Thais Godinho respondeu Isabel 08/12/2016

      O blog teve problemas com o servidor e alguns links estão quebrados assim… você pode utilizar a busca, estão todos aqui. Espero que ajude. <3

  27. Danise 20/12/2016

    Thais,

    Criei uma pasta como “caixa de entrada” no evernote e já anotei algumas coisas que ficam vindo na memória como pendencia e que não posso resolver agora. Me senti mais leve. Mas, dá uma sensação que tem tanta coisa pra resolver que to com dificuldade de eleger as categorias de cada demanda da caixa de entrada e os “prazos”, o quando da execução.
    Obrigada e Parabéns pelo trabalho.

    • Thais Godinho respondeu Danise 21/12/2016

      Tem que esvaziar diariamente, senão fica volumoso mesmo!

  28. Cristiane Machado 01/04/2017

    Olá Thais, me parece que o link do ‘post anterior’ não está encaminhando para o post correto pois está direcionando para o post de ontem, 31/03/2017 – Testando: Task World.

    Aproveito para deixar o registro: suas postagens do método GTD são esclarecedoras!!!