ou

Já faz mais de um ano que eu estou trabalhando em casa e, como mãe, tenho algumas dicas para passar para quem também vive assim. Nosso filho está com cinco anos de idade e muitos leitores me pedem para falar um pouco sobre como tem sido a rotina com ele, o que adoro fazer. Então espero conseguir demonstrar neste post como tem sido a nossa rotina ultimamente.

Acordar mais cedo do que todo mundo

Para mim essa é a principal dica e é claro que não estou recomendando para quem tem bebês que acordam a noite inteira ainda ou para aqueles dias que você ficou cuidando do seu filho com febre. Estamos falando de crianças que já dormem a noite inteira e de dias normais, em que você está descansada por ter dormido horas suficientes. Agora que está frio, meu filho está acordando cerca de 1 hora mais tarde (ele não estuda de manhã). Eu continuo acordando bem cedo (como comentei aqui) e, antes de ele acordar, aproveito para adiantar atividades do dia que demandem maior concentração.

Se meu filho estudasse de manhã, eu aproveitaria alguns minutos desse horário para já deixar o lanche fresquinho do dia pronto e a mesa do café-da-manhã pronta. Essa é a dica que eu dou para mães, então. Acorde mais cedo que os seus filhos para 1) evitar a correria (caso eles estudem de manhã) ou 2) conseguir trabalhar em atividades que demandem mais concentração antes de eles acordarem.

Eu adoro acordar mais cedo porque, quando nosso filho acorda, eu já adiantei muitas coisas e posso ficar mais tranquila pela manhã.

Curtir o café-da-manhã com ele

Eu não sinto muita fome quando eu acordo. Gosto de beber um copo gigante de água (para acordar o cérebro) e comer uma fruta, por exemplo. Quando ele verdadeiramente acorda, aproveito para fazer uma pausa no trabalho e tomo o café-da-manhã com ele, além de ter um momento preguicinha no sofá. Isso acontece de 1 a 2 horas depois que eu já acordei. Ele gosta de assistir desenhos de manhã, enquanto ainda “está acordando”, antes de fazer atividades mais dinâmicas.

260615-rotina3

O trabalho

Com relação ao meu trabalho, eu procuro não me programar para realizar nenhuma atividade que demande muita concentração quando ele está em casa. Mesmo que meu marido fique com ele, eu me desconcentro com o barulho ou quando, muitas vezes, ele vem conversar comigo sobre algum assunto. Portanto, para não perder essa coisa legal de poder estar em casa com o filho, eu prefiro deixar para fazer atividades mais rotineiras pela manhã, que não demandem tanta concentração, até a hora do almoço – quando eu paro para almoçar e ajudar com a rotina pré-escola.

Eu gosto, sempre que possível, de levá-lo à escola, mas não consigo fazer isso todos os dias porque muitas vezes tenho reuniões no começo da tarde ou outros compromissos em que preciso me ausentar de casa. Sobre reuniões, vale falar que eu procuro sempre agendar para o período da tarde, porque aí tanto quando eu tenho que me deslocar quanto quando eu faço reuniões pela Internet, isso não atrapalha muito. Quando tenho que me deslocar, sei que ele está na escola e, quando tenho reunião via Internet, sei que nenhum barulho vai interferir na transmissão.

Quando não tenho reuniões, deixo o período da tarde para trabalhar em atividades que demandem mais concentração, especialmente escrever.

Exceções

Existem dias em que o Paul tem aula de natação pela manhã. Quando ele tem natação, eu também consigo me concentrar nesses períodos. Como eu faço o planejamento semanal de acordo com o GTD, consigo conciliar os horários.

Outra situação excepcional é quando preciso trabalhar mais (geralmente eu trabalho até às 19 horas), então minha sogra dá a janta para ele enquanto eu termino alguns trabalhos e, por fim, eu consigo me dedicar a ele sem ter que ficar indo e vindo no horário noturno.

De noite

Eu não estou mais trabalhando de noite com o computador ligado. Quando encerro meu expediente, procuro curtir o Paul. Desenhamos juntos, brincamos com a nossa cachorrinha, cantamos e tocamos violão, fazemos algumas atividades. Gosto de conciliar as brincadeiras com atividades educativas, sempre adequadas à idade dele. Tenho como inspiração uma revista que compro todo mês nas bancas, voltada para professores de educação infantil, que traz sempre pôsteres e ideias de atividades adequadas à época que estamos vivendo (festas juninas, dia dos avós, essas coisas). A revista se chama “Educação infantil”. Ela é uma revista bem legal porque também traz indicações de livros, que às vezes compro para ler para o Paul também.

Também fazemos lição da escola, se ele tiver. Como ele está no pré, as lições não são muito complexas, então acabam não tomando muito tempo. Outra coisa que ele também gosta de fazer é assistir algum filme na tv – geralmente os de sempre: Toy Story, Meu Malvado Favorito, Bolt.

260615-rotina2

Se eu precisar ou quiser fazer outras atividades minhas, sejam de trabalho ou não, evito o computador. Leio um livro, uma revista, algum artigo, enfim, algo que dê para fazer estando junto com ele enquanto ele está concentrado em outra atividade. Mas, no geral, eu gosto de estar 100% com ele. É que nem sempre é possível e precisamos aceitar nossa realidade.

Hora de dormir

Ele tem uma rotina para dormir que a gente está mudando ultimamente agora que ele está acordando um pouco mais tarde. Geralmente, 21h ele está na cama. Agora, ele tem ido dormir um pouco mais tarde, por volta das 22h. Eu particularmente acho tarde, mas não tem influenciado na saúde e nível de energia dele. Ele está bem. O que eu acho muito importante é ajudá-lo a fazer atividades mais calmas quando está se aproximando a hora de dormir, para ele não ficar com a mente muito agitada. O que não permito é que ele durma poucas horas, porque ele fica cansado e agitado no dia seguinte.

260615-rotina04

Eu gosto bastante de ler uma historinha para ele antes de dormir e, muitas vezes, ele gosta de ler sozinho enquanto eu leio outro livro, sentada ao lado dele. Acho bonitinho como ele está desenvolvendo o hábito da leitura assim como a mamãe.

260615-rotina1

Finais de semana

Aos finais de semana, repito a coisa de acordar cedo para fazer algumas atividades. No geral, nos programamos para fazer algumas atividades em família, em casa ou passeando por aí. Geralmente, mais para ao final da tarde, meu marido gosta de ter o momento dele com o Paul também, levando para tomar um sorvete, jogando vídeo-game ou indo na casa da mãe dele (avó do Paul). Quando isso acontece e eu fico em casa, aproveito para fazer algumas coisas minhas. Uso esse tempo tanto para trabalhar, quanto para arrumar algumas coisas em casa ou simplesmente ver uma série no Netflix, fazer as unhas e outras atividades pessoais.

O que eu não gosto de fazer é deixá-lo com tédio aos finais de semana. Sou uma pessoa super caseira mas, com ele, gosto de proporcionar experiências diferentes. Então sempre ficamos de olho no site Bora.ai para ver se vai ter algo legal para levá-lo no final de semana. Nós também aproveitamos para visitar as avós, geralmente no almoço de domingo.

De vez em quando o Paul também gosta de dormir na avó dele e, quando isso acontece, o meu marido e eu aproveitamos para fazer alguma coisa juntos – um jantar, um cinema, um barzinho.

Tarefas da casa

No geral, eu procuro conciliar as tarefas da casa com a companhia do Paul, até mesmo para integrá-lo a isso tudo. Sempre que tenho a oportunidade de envolvê-lo e pedir ajuda, eu faço. Se vou guardar as roupas no armário, peço para ele ir me entregando e vou fazendo perguntas sobre a escola no dia. Tarefas que demandem mais esforço e concentração (ou seja, que não dá para conciliar com minha presença com ele) eu deixo para fazer como faço com o meu trabalho: quando ele está com o meu marido, com a minha sogra etc.

No geral é assim a nossa rotina atual! Tentei abordar todos os pontos mas, caso falte algum, podem perguntar nos comentários. Se não for muito pessoal, procurarei responder. 🙂

Thais Godinho
26/06/2015
Veja mais sobre:
24
Nosso apartamento e decisões bem pensadas
Inspiração: entrada organizada para receber as crianças quando chegam da escola

 

  1. Simone Midori Costa 26/06/2015

    Thaís, oi!
    Só por curiosidade, o Paul já consegue ler histórias sozinho?
    Também tenho um filho de 5 anos e ele começou a ler algumas frases simples.
    Beijos e bom final de semana!

    • Thais Godinho respondeu Simone Midori Costa 01/07/2015

      Já sim, Simone, mas ele está bem fora da curva, viu? Ele já lê desde os 3 anos e meio, sempre teve um interesse natural por isso. Mas no restante ele é normal srs

  2. sonia schneider 26/06/2015

    Thais, tenho procurado levantar mais cedo para fazer as atividades que demandam maior concentração. Inclusive, organizar papelada! Eu não tenho filhos mas na rotina tenho marido aposentado e mãe que mora comigo!

  3. Bianca 26/06/2015

    Thais, já comentei outras vezes e volto a dizer, seu blog é maravilhoso, através de suas dicas pude nortear minhas ideias e ações. Sou super mãe, assim como você, inclusive acabo de abdicar do meu atual emprego justamente por estar perdendo muitos momentos da vida do Gabriel (2 anos), pretendo nessa nova fase retomar algumas rotinas também!
    Ah, tava difícil de achar seu livro aqui em Porto Alegre, mas consegui comprar quarta \o/\o/.
    Um beijo!

    • Thais Godinho respondeu Bianca 01/07/2015

      Obrigada, Bianca, fico feliz por tudo o que vc escreveu.

  4. Meiriele 26/06/2015

    Oi, Thais! Legal você compartilhar sua rotina. Traz dicas que podem servir para muitas de nós. No meu caso, que também tenho filho pequeno, gostei da dica de acordar mais cedo para adiantar a rotina antes do filho acordar e da de separar as atividades que exigem mais concentração para os momentos que ele está na escola ou fora de casa (com os avós, etc.). Você também falou sobre a Revista Educação Infantil que você tira inspiração para atividades. Qual a editora dessa revista?
    Parabéns pelo post!
    Beijos!

  5. Jess 26/06/2015

    Oi Thais,
    Acompanho seu blog ha mais de 3 anos e você é realmente uma pessoa inspiradora. Pelo post dá pra ver que vc eh uma ótima mãe 🙂
    Bjs

    • Thais Godinho respondeu Jess 26/06/2015

      Obrigada <3

      • Susie respondeu Thais Godinho 26/06/2015

        Concordo com Jess, parabéns! Minha filha tem 3 anos e se ela vem falar comigo também prefiro dar toda atenção e deixar o trabalho de lado um pouquinho!

  6. 26/06/2015

    Ou, Thaís! Há quanto tempo! Nunca mais comentei, mas não há uma dia que não veja o blog! 🙂 Nem preciso dizer que amei o post. Tenho um menino de 5 aninhos tmb e agora uma bebê de quase 4 meses. Uma curiosidade que sempre tive foi sobre sua rotina com o filhote. Não me pareceu que vc carregue culpa por não poder estar seeempre com ele. Senti uma coisa boa, uma leveza na rotina com ele. Digo isso pq sempre carreguei uma culpa imensa por não poder estar mais tempo com o meu filho, mas tenho aprendido que preciso aceitar e viver bem a NOSSA realidade , sem idealizar tanto… Obrigada por compartilhar algo tão pessoal e mostrar que a vida da gente é pra ser vivida da melhor forma sempre!
    Bjs

    • Thais Godinho respondeu 01/07/2015

      Rê, já senti, sabe? Quando ele era menor. Agora eu estou conseguindo equilibrar melhor as atividades, ele já entende mais também. Eu acho muito importante a gente buscar significado em tudo o que faz, tanto nas atividades profissionais quanto nas pessoais, porque isso elimina a sensação de culpa… a gente sabe que tudo o que está fazendo tem um motivo. Mas foi uma construção (e ainda é)! Vamos sempre aprendendo.

      Obrigada por perguntar.

  7. nilce mara rodrigues 27/06/2015

    Uma rotina gostosa , parece wue sua vida segue sem nunca ter contratempos.

  8. Patricia 27/06/2015

    Thais, você pretende ter outro filho ou fechou a fábrica?

  9. Adelaide 29/06/2015

    Muito bom Thais.
    Gostei. Bjs ao paul. Ele está enorme.

  10. Nay 30/06/2015

    Demais!!! Eu confesso que tenho medo de ter filho, por achar que não conseguirei dar conta de me dedicar a ele(s)… Já vivo em apuros sem ter ninguém sob as minhas asas!
    Mas ver sua história de vida traz algum alento, pois percebemos que, com organização e dedicação, tudo é possível!

    Obrigada!

  11. Isabel Porfirio 02/07/2015

    Oi Thais, não sei se isso vale um comentário ou talvez um tópico no post mas gostaria que vc falasse mais da alimentação dele. Não sei o Paul, mas meu filho (3 anos e meio) tem variações…dias que come tudo e dias que não quer comer nada. Como é aí na sua casa? Nunca comento mas sempre acompanho o blog. Abs

  12. Carla 06/07/2015

    Adorei! Precisamos de um norte assim, de forma descompromissada, sem impor regras. Perfeito! Muitas coisas já faço, mas outras vou incorporar. E tenho certeza que vou reler esse post inúmeras vezes!
    Muitos muitos beijos pra vcs!

  13. Antonia 13/09/2015

    Gostaria de saber como organizar os horários do trabalho, faculdade, família e da rotina do filho.
    Ter cronograma para família e outra tabela para o incentivo da rotina para o filho de 4 anos, como faço?

  14. TAICE GOMES DE ABREU 28/12/2016

    Olá Thais tudo bem?
    estou procurando uma rotina para minha filha.. e achei seu blog
    por fim saiu para trabalhar as 7 da manhã e volto as 19 horas, geralmente ela fica com a minha mãe o dia todo
    queria fazer uma rotina com ela das 19 as 21 para brincar com ela e não sei como conseguir

    me de mais dicas por favor..
    Beijos Taice Gomes

  15. Lane 07/02/2017

    Olá Thais, tenho uma filha de quatro anos, fará cinco em maio, porém me separei e estou morando com meus pais e irmãos. Não consigo conciliar os horários da minha filha, pois cada um na casa faz seu horário e todos dormem tarde, às vezes o jantar sai tarde e ela acaba não dormindo no horário que deveria tão pouco as horas que deveria. Enfim, encontro muita dificuldade em controlar seu horário até mesmo para assistir TV, os avós interferem muitoO, não quer passear, ir no parquinho raramente, e fico sem saber o que fazer.

    • Thais Godinho respondeu Lane 07/02/2017

      Acredito que você deveria definir o que seria legal para vocês e correr atrás desse resultado.