ou
O mês de março chega com um gostinho de outono, trazendo uma brisa mais fresquinha aqui em terras paulistas. É a minha época preferida do ano e, como tal, costumo ficar bastante inspirada especialmente para escrever e me dedicar aos diversos trabalhos que tenho na vida.

Quando estive na Evernote Conference – EC4 no ano passado, uma das coisas que mais me chamaram a atenção foi a imagem principal do evento com a chamada: “o trabalho da sua vida”. Eu penso que, até muito pouco tempo atrás, a maioria das pessoas considerava trabalho como aquele emprego das 8 às 18, em um escritório ou local fechado, com chefe, ponto eletrônico e e-mails corporativos. Hoje, vejo trabalho como aquilo que eu produzo, independente do objetivo. Pode ser um emprego, como também pode ser a nova música que estou compondo ou um novo projeto de “faça você mesmo” no meu jardim. O trabalho da minha vida é tudo o que faço, produzo, com algum significado. Temos projetos.

030315-editorial

Essa definição é importante para chegarmos ao tema do mês de março aqui no blog, que é Conecte-se (saiba mais sobre os temas e os verbos da organização para entender a motivação de existir um tema por mês no blog este ano). Venho há uns bons dias refletindo sobre esse verbo para poder escrever sobre ele e definir o calendário de posts do mês inteiro. No geral, quando pensamos em conexão, logo lembramos de Internet e tecnologia. Eu quis fugir um pouco disso e pensar na conexão que temos com outras coisas também.

Afinal, nos conectamos com pessoas: nossa família, nossos amigos, filhos, namorados, namoradas. Recebemos pessoas em casa, precisamos conciliar vida pessoal e profissional, fazemos reuniões, celebramos momentos especiais. Nos conectamos com outras culturas quando viajamos para um lugar diferente ou encontramos um turista no metrô, ou recebemos um colega de outro país ou estado no trabalho, com costumes diversos aos nossos. Nos conectamos com a tecnologia, quando passamos a andar todos os dias com um celular no bolso e um fone nos ouvidos, trabalhando utilizando um computador ou tablet como interface e precisando de um imóvel maior para alocar um escritório em casa. Compramos smart tvs, smartphones e geladeiras que nos dão listas de compras já prontas. Utilizamos a tecnologia até mesmo para encontrar pessoas que não poderíamos encontrar se não fosse através dela, como o aplicativo Tinder e o site do Facebook. Nos conectamos com a natureza quando mergulhamos naquela onda quebrando em cima da gente, ou quando abrimos a janela e sentimos o vento em nossos cabelos. A conexão existe quando separamos materiais para reciclagem e fazemos carinho na cabeça do nosso cachorro. Nos conectamos com o divino toda vez que fazemos uma oração antes de dormir ou meditamos sobre a preciosidade da vida. Também nos conectamos com o mundo, quando fazemos algum trabalho voluntário ou vamos às ruas protestar por melhorias em nosso país. Estamos todos conectados.

Não podemos nos esquecer também da conexão que temos com nós mesmos. Aquele momento que olhamos para dentro para saber o que vai bem e o que vai mal – desde aquele frio na barriga quando precisamos tomar uma decisão até a necessidade de desligar o notebook e ir dormir. Precisamos relaxar, resgatar atividades que gostamos de fazer, ficar sozinho às vezes – ou aproveitar melhor os momentos com as pessoas que amamos.

E então você pode se perguntar: “o que organizar a vida tem a ver com isso?”. E eu responderei: tudo. Porque ter uma vida organizada não é sobre etiquetar pastas, mas sobre saber aproveitar o tempo que você tem. A sua vida. Os seus momentos. Por isso, em março, conecte-se. Abra-se para as possibilidades que você pode encontrar ao organizar alguns setores da sua vida. Talvez, ao fazer todos os dias um pouquinho com relação a cada um deles, você chegue em um momento de conexão plena que já não exija qualquer tipo de separação em sua mente. Você pensará na sua vida como um todo, com plena consciência dos seus papéis e responsabilidades. Vamos lá?

vo-mar-2015

Thais Godinho
03/03/2015
Veja mais sobre:
Editorial do mês
16
Planilha para controle de roupas
“Problemas? Oba!” (Roberto Shinyashiki)
O que eu aprendi sobre produtividade com Tim Ferris: parte 3