É comum encontrarmos artigos na Internet com dicas para aprender um idioma rápido, como ficar fluente em pouco tempo para uma viagem ou o vocabulário corporativo mais utilizado para reuniões de negócios em outra língua. O que vejo pouco por aí é sobre o estudo de idiomas pelo simples prazer de aprendê-los, ou pelo menos com um pouco mais de tempo, sem uma finalidade específica.

Eu estudo dois idiomas atualmente.

Inglês, como não poderia deixar de ser, para fins profissionais. Apesar de conseguir me virar bem com o inglês, a fluência sempre tem a melhorar, além de aspectos gramaticais. Como não falo inglês no meu dia a dia (moro no Brasil, afinal), se eu não praticar, nunca vou melhorar e, pelo contrário – posso até ir deteriorando o que eu já aprendi.

Italiano, que é o meu idioma preferido no mundo inteiro. Não tenho uma finalidade específica além de estudar como hobby, por ter família italiana, por querer conversar em italiano com outras pessoas que também falem.

Percebo que o meu estudo para ambos os idiomas são bastante diferentes. Eu venho estudando inglês desde a adolescência, mas passei a me dedicar mais seriamente quando passei a utilizar no meu meio profissional. Uma coisa era ler artigos – outra era viajar para os Estados Unidos para fazer um curso em inglês ou ministrar uma palestra nessa outra língua. Além do que, é fácil entender inglês quando é um inglês ou um (vá lá) americano falando. Tente entender o inglês que outras pessoas com fluência tão insuficiente quanto a sua falam, ou com sotaques diferentes! Portanto, quanto mais conhecimento e fluência você tiver, melhor. Por isso, há cerca de dois ou três anos, eu comecei a fazer um curso de inglês online (até comentei no blog – clique aqui para ler). Foi excelente. Treinei essencialmente minha conversação e pontos gramaticais específicos, direcionados. Tinha parado há algum tempo de fazer, mas resolvi retomar. Continuo fazendo online, que prefiro. Gosto mais da dinâmica e também considero mais ace$$ível, além da flexibilidade de horários.

Italiano eu ouço desde criança por causa da minha avó e sempre tive muita familiaridade com o idioma. Entendo perfeitamente, muito mais do que espanhol, por exemplo, e tenho grande facilidade na fluência. Minha avó sempre assistiu filmes e programas de TV em italiano, além de ouvir músicas o tempo todo no idioma original. Como eu morei um bom tempo da minha vida com ela, o italiano fazia parte da minha rotina. Em 2008, mais ou menos, comecei a fazer um curso no Circolo Italiano, melhor lugar em São Paulo para isso, mas não fiquei muito tempo por causa da rotina de trabalho que me atrapalhava (eu era publicitária, lembram-se?). De lá para cá, quase não estudei. Tenho meus livros, dicionários e apostilas, e leio apenas informalmente. Isso me fez perceber que eu jamais aprenderia a falar fluentemente italiano assim. Precisaria levar a sério como eu faço com o inglês, mas sem a mesma dedicação (porque não é necessário nem teria tempo para tal).

Eu penso que, para estudar um idioma sem pressa, apenas para aprender, vale a pena:

  • Fazer um curso dentro das suas possibilidades de horário – até mesmo com um professor particular. Esse curso não precisa ter tanto foco no profissional porque, afinal de contas, você tem seu tempo;
  • Ter uma boa gramática do idioma, para tirar dúvidas. Ou usar a internet!
  • Assistir filmes e ler livros no idioma que quer aprender, com a legenda no mesmo idioma, em vez de português;
  • Explorar o YouTube! Tem tantos canais sobre idiomas, vídeos bacanas e dicas, que jamais conseguiria listar apenas alguns poucos;
  • Utilizar o material que tem em casa (apostilas, livros, dicionários) para estar sempre em contato com o idioma – revisando, lendo, um pouquinho a cada dia que passa, informalmente.

O mais legal de estudar um idioma por hobby ou informalmente é curtir sua evolução dentro dele. É não ter que fazer lição ou estudar tópicos que não te interessem, mas que você faz “porque é importante para o trabalho”. Fora que, na minha opinião, falar diversos idiomas é um conhecimento que nunca será demais. Além de aumentar seu conhecimento cultural, você estará preparado para viajar para diversos lugares (falando a língua local) e poderá conquistar boas oportunidades de trabalho apenas por esse diferencial.

Alguém aqui estuda algum idioma apenas por hobby, sem pressa? Como faz?

49 Comentários

  1. Ola, como vc meus dois idiomas sao inglês e italiano. Inglês desd pequena, depois no cursinho, depois na faculdade de Letras, e depois trabalhando 30 anos como secretaria bilingue. Italiana, apaixonada desde oequena, desde q ouvi Roberti Carlos vencedo o Festival de San Remo. Tenho facilidade c idiomas, comecei a estudar italiano no consulado aqui no Rio, conheci uma amiga por correspondencia italiana ha 25 anos e nos tornamos famil ja a visitei umas 4 vezes e sempre fico um.mes la. Eles nao falam ingles nem portugues, entao é só italiana. Elaja me visitou outras tantas vezes. Tenho sempre livris de italiano em casa, vou estudando, fazendo exercicios. Amo muito. Me inscrevi p voluntaria,nas olimpiadas aqui no Rio c ingles e italiana, e no tedte de italiano fiquei em intermediario superior. Muito feliz!

  2. Eu confesso ser uma pessoa preguiçosa para aprender outro idioma, mas coloquei em meta voltar pro inglês porque me faz muita falta! Acho que o que me falta, é chegar a certo ponto de entender melhor, e me empolgar mais. Mas pra isso… estudo, estudo e mais estudo… não tem como fugir!

    Um beijo,
    Re

  3. Olá Thais,
    Eu atualmente estudo o inglês e o francês como hobby. O inglês eu já me dediquei mais, por motivos profissionais, mas hoje cheguei a um nível que considero poder dar uma relaxada quanto à rotina de estudos. Já o francês meio que caiu no meu colo por uma necessidade profissional, de forma temporária mas acabei me apaixonando pelo idioma e resolvi me aprofundar.
    Minha rotina de estudo, tanto do inglês quanto do francês basicamente é a seguinte: faço um curso online de inglês e aulas particulares de francês, ambos uma vez por semana, em dias separados. Normalmente, no dia da aula eu elejo o dia como o dia da lingua, ou seja, fico parecendo um doido dentro de casa falando (sozinho) somente no idioma do dia, procuro ler e escrever no idioma do dia e assistir programas no idioma.
    Parece meio estranho, mas para mim funcionou muito bem por conseguir estudar dois idiomas ao mesmo tempo.
    Também tenho um cronograma de assuntos que tenho que estudar em cada idioma, dividido os quatro grupos básicos (audição, leitura, escrita e fala), e vou me adaptando conforme vou avançando dentro deste cronograma.

  4. Eu estudava japonês por hobby (apesar que para mim, estudar qualquer idioma é hobby. Amo demais!). Fazia kumon 2x/semana, estudava diariamente (até porque o método te induz a isso), tinha um caderno de kanji, onde estudava um kanji por dia, ouvia tudo que podia em japonês para ir treinando (nem que fosse só as lições do kumon mesmo), me aventurava a ler livrinhos infantis devido à facilidade dos kanjis, falava sozinha e me arriscava a trocar emails com um amigo que também estudava nihongo.

    Casei, me mudei da zona norte para a zona sul e a distância entre a minha casa e a escola se tornou impraticável. Por puro amor/apego à minha sensei, nem cogitei trocar de unidade/professora. Simplesmente, parei de estudar.

    Agora, após um ano (e uma crise de choro dentro de uma livraria na Liberdade por pura saudade), estou estudando alguma forma de retomar os estudos.

    À princípio, vou retomar o material que já tenho, recomeçar do zero e ir estudando sozinha mesmo. Enquanto não retorno ao nível que eu estava, vou estudando a possibilidade de encontrar uma maneira de ter aulas com a minha sensei ou de, talvez, estudar online. Vamos ver.

  5. Olá THais! Primeira vez que comento, conheci seu blog mês passado, ainda estou meio “em choque” com todos os dados sobre uma vida organizada (eu, uma pessoa bagunceira e preguiçosa). Mas enfim, sempre tive desejo de falar francês, mesmo sem nunca ter uma finalidade prática para isso. Estudei na PUC o francês enquanto fazia pós-graduação (era só me inscrever na disciplina!) e agora tenho uma prof particular, que virou amiga. Estudo uma evz por semana, uma hora depois do trabalho, seguindo uma gramática. Pedi a ela que a aula fosse focada em música, internet, coisas que fizessem sentido pra mim, e não apenas exercícios. Toda aula cantamos uma musiquinha (e os exercícios são do tipo “preencha lacuna”), lemos alguma coisa na internet (uma reportagem, por exemplo) e estudamos alguma parte da gramática. Claro que falta muito para eu ser fluente, mas cada dia aprendo uma mini coisinha nova. E em abril vou para Paris, pela segunda vez, só que agora para testar minha comunicação 🙂
    Bjs

  6. Thais Godinho, tudo bem?

    Gostaria de lhe falar sobre um livro que em breve lançaremos. Poderia me passar o e-mail de contato?
    Obrigada.

    Roberta Alecrim

  7. Como você Thais,estudo Inglês desde adolescência, mas sinto que não saio do básico, lógico que por vários anos fiquei afastada muito do idioma,mas não largo dele,hehehe Fiz um plano pra melhorar e ainda acrescentei mais dois, o francês e alemão, esses últimos me contentarei com apenas o vocabulário de viagem, aeroportos que sempre estudo pra viajar, mas o Inglês é meu sonho falar e entender bem, tipo sonhar em Inglês,rsrsrs e pra isso penso em continuar estudando, on line, livros,exercícios,músicas e vídeo-aulas no youtube,só me falta a danada da Disciplina, e como sou a loka dos caderninhos tenho três, um para cada idioma que gostaria de falar e entender…Este ano ano ainda não consegui por um horário pra esses estudos,mas com seu post hoje eu levarei pra estudar no deslocamento que farei de horas meu caderninho e músicas no celular. Valeu muito o Post!! São tantas prioridades, que falta tempo!!!! OMG!!

  8. Bom, eu vou começar a fazer inglês em uma escola durante 18 meses, sim é para ser rápido mesmo. Entretanto, acredito que suas dicas irão me ajudar muito, pois eu quero estudar inglês pelo menos 15 minutos diários, como farei isso? Usando todas essas dicas, rs.
    Obrigada.

  9. Oi Thais, vc nao usa o duolingo? Eu gosto tambem dum site que chama se Lyrics training , que vc vai completando as letras das musicas. bjos!

  10. (Desculpe pela falta de acentos, teclado em frances!)

    Eu amo estudar idiomas! Tambem nasci em uma familia de imigrantes, no meu caso metade polonesa e metade holandesa. Eu acho que ouvir esses fonemas diferentes desde a infancia fazem o ouvido se acostumar a outros sons, assim quando aprendo outros idiomas nao acho a pronuncia tao alienigena.

    Estudei alemao no colegio durante 9 anos, e acabei estudando no pais por 1 ano. Na epoca os nativos elogiavam minha pronuncia e conhecimento, mas desde que voltei por nao ter com quem conversar acabei perdendo 80% do vocabulario. O engracado é que quando escuto alguma musica daquela epoca tudo volta!

    O ingles tambem comecei a aprender na escola, com 12 anos, mas por ser um idioma que esta sempre na nossa volta, pude praticar bem mais. Jogava videogame em ingles, via filmes com legenda em ingles, ouvia musicas, ate falava sozinha.

    4 anos atras eu e meu marido decidimos nos mudar para a provincia francesa do Canada, e comecei a aprender frances. Acho que por ser a 4 lingua que aprendo, o processo todo se tornou muito mais facil, e tambem pelas semelhancas com o português.

    Quanto mais idiomas se aprende mais facil vai ficando. As vezes nao conheco alguma palavra e consigo associar com alemao, ou ingles ou português.

    Hoje em dia nao estou fazendo curso de frances, mas como estou numa sociedade que fala o idioma consigo aprender no cotidiano. Com colegas de trabalho, televisao, filmes, placas na rua, propagandas, etc.

    No futuro quero comecar a estudar polones para poder falar com meu pai no idioma dos meus avos 🙂

  11. Ola Thais, Parabens pela sua dedicacao nos estudos, para mim esta sendo um desafio, Moro 8 anos no reino unido,mas ainda nao cheguei a fluência que eu gostaria.Tenho varios errors na gramatica e na colocação das palavras,mas entendo bem, e leio bem.Encontrei um um site muito bom pra estudar ingles online, é o Babbel.com e muito bom, acho que foi o melhor que ja encontrei.

  12. Eu estudo francês. Fiz aulas em um pequeno grupo por um ano, com um professor francês, e gostei muito da dinâmica. Neste tempo, completei o nível básico, mas percebi que ainda faltava solidificar os meus conhecimentos porque não estudei as lições com tanto afinco (basicamente frequentava a aula uma vez na semana e fazia a lição de casa). Depois disso, fiz dois meses de curso na França. É impossível ganhar fluência durante tão pouco tempo, mas tive uma noção maior do que precisava estudar, melhorei uns 200% a minha audição, e perdi um pouco a vergonha de falar, que me atrapalhava muito. Quando voltei, mudei de cidade, e agora vou começar aulas particulares no nível intermediário com foco na pronúncia. Quero muito aprender a ler fluentemente literatura (notícias eu já consigo ler). O primeiro livro que li em francês – Carta a D. – eu já havia lido em português, então foi ótimo para tirar a ansiedade de saber o que aconteceria no final. Li sem parar para olhar no dicionário as palavras que não conhecia, exceto por poucas vezes realmente necessárias, assim não travei a leitura. Agora estou lendo o segundo livro, um bem mais difícil do Camus. Estou fazendo diferente. Eu leio um trecho grifando as palavras que não conheço (são muitas). Em um outro dia, busco as palavras no dicionário e traduzo o parágrafo. Para ler, me ajuda muito.

  13. Oi Thais tudo bem?
    entao minha duvida é sobre as postagens do blog. Não esta mais enviando atualizações de novos posts por email?

    (desculpe a pergunta nesse post)

  14. Thaís:

    Estudo inglês 2 vezes por semana. Senti necessidade, porque o mundo fala Inglês e gosto de viajar.
    O curso é direcionado para viagens é muito bom.

  15. Oi Thais, eu amo aprender estudar idiomas. O meu favorito é o francês. Na época da faculdade fiz curso de duas vezes por semana na USP durante dois anos. Como o curso era muito bom cheguei a ter uma certa fluência. Agora muitos anos depois e morando num país de língua inglesa perdi a fluência do francês. Estou tentando retomar. Faço curso na Aliança Francesa uma vez por semana, uso o duolingo (uma app fantástica feita para estudar todos os dias um pouquinho), sempre assisto filmes franceses (porque amo) e tenho algumas amigas francesas que conhecia através do meetup (um site muito bom para conhecer pessoas que falam outras línguas em sua cidade), e apesar de nos comunicarmos em inglês na maior parte do tempo, sempre as escuto falando um pouco de francês e eu sempre treino um pouco. Beijos

  16. Olá Thaís, eu sempre estudo Inglês por causa do meu trabalho. Tem uns três anos que tento aprender árabe mais nunca dou continuidade, é uma Língua difícil, ao menos para mim. Agora estou mesmo querendo é aprender Francês…talvez meu maior empecilho seja administrar o tempo e ser mais disciplinada!

    Abraço,
    Aminah Luiza
    http://www.farhanadiary.com/

  17. Oii Thais, tudo bem? UAU, me deu até vontade de voltar a estudar inglês.. Mas vou esperar mais um pouco, pois vou começar em março agora minha graduação em Letras (português/literatura) online tb. Então quero ver como é, para pegar o ritmo e se eu ver que dou conta de conciliar os dois, começo o inglês. Ah, você mencionou nesse post que era Publicitária, eu tb sou, me formei em 2009, mas não me encontrei na profissão, então vou começar uma segunda graduação para ir atrás da minha realização pessoal e profissional.
    Beijocas

  18. Gostar do idioma é fundamental para acelerar o aprendizado, pois a motivação surge naturalmente. Sempre tive facilidade com o inglês porque queria me esforçar para traduzir e entender as letras das músicas que ouvia. Passei a adolescência fazendo curso 2x por semana e consegui fixar o aprendizado, mas depois parei e nunca cheguei a praticar conversação decentemente. Só alguns bons anos mais tarde que senti vontade de retomar a aproximação com o idioma e a internet me ajudou porque fiz amizade com estrangeiros e além de conversar via Skype também os conheci pesoalmente e convivemos por um tempo significativo (e ainda mantemos contato constante). Cheguei a fazer um curso de inglês intensivo nos EUA de 2 semanas (não tinha $ nem tempo disponível na época pra ficar mais) e acho que vale muito a pena, mesmo que seja por um curto período. Mas fico imaginando como as pessoas que não gostam de inglês se sentem ao ter que estudar o idioma por uma necessidade específica. Eu me sinto assim em relação ao espanhol, acho que seria interessante aprender porque é uma língua falada em diversos países, mas até hoje não senti uma necessidade real de aprender e não sei se teria a mesma paixão e dedicação que tenho pelo inglês.

  19. Desde criança era fascinada pelo inglês, mas não tive condição financeira para fazer curso. Aprendi muito no cinema, assistindo várias vezes o mesmo filme. Só pude fazer curso depois de adulta. A internet já existia então e me ajudou muito, porque só o curso não é suficiente pra ganhar fluência. Me tornei fluente e o hobby acabou virando profissão. Hoje em dia dou aulas de inglês 😊

  20. Oi, Thais!!! Eu tbem AMO italiano!!! Sempre a amei escutar, a sonoridade é música para meus ouvidos. Sou de família italiana tbém e teve um ano q eu estava com uma rotina de trabalho mais tranquila e resolvi ir aprender. Comecei a fazer na USP. Fiz uns 3 meses, mas logo depois, minha vida mudou e tive q parar. Foi e ainda é uma tristeza não poder voltar. Mas sei q um dia conseguirei me organizar e retornar, pq eu amava!!
    Ano passado fui pra Itália e ficava perto da pessoas locais só para escutá-los falando…pena q eu nõ entendia quase nada..mas foi bom mesmo assim…bjsss

  21. Olá Thaís,

    Gostei das dicas de atualização do Inglês, é um idioma que tenho certa fluência mas gostaria de melhorar o a fluência.
    Sobre um novo idioma, tenho um objetivo de aprender espanhol. Adoro os países da nossa America Latina e fico frustrada por não falar ou escrever nesse idioma.
    Estou atualmente estudando italiano, a princípio um curso rápido para comunicação, e se der tempo até agosto, farei um aprofundamento na gramática, para uma viagem esse ano, mas meu desejo mesmo é o espanhol.
    um abraço!!

  22. Olá Thais, como você distribuiu essa rotina de estudos de dois idiomas ao mesmo tempo para não embolar tudo?
    Eu estudei japonês por 4 anos, mas há dois que não estudo. Decidi retomar os estudos esse ano, mas também tinha planejado começar estudar francês, bem devagarinho mesmo. No caso do japonês quero fazer uma grande revisão de tudo que já estudei antes de partir para um professor particular. Já o francês pretendo estudar pela internet mesmo, em sites e apps, porque não tenho pretensão de fluência.
    Pensei em fazer essa revisão até o meio do ano e daí começar o francês, mas acabo ficando na dúvida se não vai misturar tudo na minha cabeça… hahaha
    Bjocas

  23. Olá, Thais!!
    Eu também amo o italiano! Visitei a Itália no ano passado e me apaixonei!
    Resolvi que ia aprender e comecei a estudar como fazer isso. Minha conclusão foi que para aprender um idioma mesmo tem que ter um certa imersão (isso não significa que você não possa fazer isso no Brasil). Você precisa viver aquilo! E só aquela estudadinha sem compromisso de vez em quando não ia me ajudar a evoluir muito.
    Então resolvi aprender italiano em 3 meses e consegui, mesmo sendo só um hobby! É claro que meu italiano não é perfeito e nem profissa, mas é suficiente para conversar. O maior segredo é: falar com nativos desde o início (sem precisar sair de casa e nem gastar muito). Se você só puder se dedicar um pouco, use 90% desse tempo falando e 10% aprendendo com seus erros e dificuldades.
    Eu escrevi um pouco sobre o processo no meu blog:
    http://eotempolevou.com/dicas/aprender-idioma-em-3-meses/

  24. Eu faço cerca de duas horas de viagem de carro por dia e tenho feito um audiocurso da pimsleur, que é o melhor. É muito divertido e a persistência diária me da resultado

    • Olá Maria,
      Eu pesquisei sobre o site pimsleur e me interessei.
      Qual pacote você comprou?
      Pretendo fazer o curso de Francês e no site tem o curso completo por um preço acessível.

  25. Thais, não sei se alguém deu a dica, mas para ajudar nos estudos indico aplicativos para celular também. Um deles, que tem até o aspecto de jogo é o Duolingo. Baixei no meu e quando estou com tempo livre ou durante um trajeto, como no ônibus indo para o trabalho faço alguma lição. Este que citei é dividido em fases, onde você deve cumprir tarefas (exercícios de leitura, gramática, fala e escuta) para poder passar para a próxima. Ajuda a tornar o estudo mais divertido.

  26. Thais, estou sempre acompanhando o seu blog.
    Gosto muito de todas as dicas.

    Gostaria de pedir sua opinião com relação ao assunto da postagem:
    É possível estudar Francês sem fazer nenhum curso?
    Consegui encontrar algumas apostilas na internet, sites e aplicativos para me auxiliar no estudo. Entretanto, estou meio perdida. Pois, como eu nunca estudei Francês, eu não sei por onde começar.
    Quero começar a estudar o idioma sem pressa, porém, pretendo fazê-lo diariamente.
    No final do ano irei fazer uma prova que é necessário ter o conhecimento básico desta língua.
    Um amigo que fez esta prova me informou que estudou em casa, sozinho, ou seja, sem curso, e ainda assim conseguiu aprovação.

    Entretanto, ainda assim, gostaria de pedi-la gentilmente que me indique, caso tenha conhecimento, um site que oferte o curso do idioma Francês online.

    Obrigada.

  27. Ola Thais, é a primeira vez que comento aqui. Primeiramente gostaria de agradecer pelo seu blog, que tem me ajudado a me organizar melhor. Gostaria apenas de sugerir um programa indicado por um professor chamado Mairo Vergara, bem conhecido. O nome do programa é Anki, são flash cards que vc cria para memorizar as frases e ele já prepara toda a revisão que vc terá que fazer depois, tem frases que terei que rever só daqui 6 meses outras daqui uma semana, a única coisa que tenho que fazer é olhar o programa todos os dias e ir acrescentando frases e tbm da pra configurar quantas frases vc quer revisar por dia, se sã 20, 50 e etc… Se não me engano, tem um vídeo desse professor explicando como configurar o programa. Bjosss…

  28. Olá Thais, Parabéns pelo seu blog, agradeço por suas dicas e ideias. Estudei inglês sistematicamente em escolas de idiomas por muitos anos, e aperfeiçoei morando e viajando para países de língua inglesa. Atualmente estudo francês o ano passado fiz um curso intensivo de três semanas no CLA em Besançon, França; ao retornar para o Brasil fiz aulas particulares numa escola de idiomas, e sigo lendo, assistindo canais e site internet como TV 5 monde. Esse ano vou enveredar-me para o curso de francês on-line…

  29. Por muito tempo, eu estudava inglês por obrigação no colégio. Pior motivação do mundo, pois estudava pra ter nota e não porque queria.
    Hoje com 26 anos, decidi retomar os estudos em inglês – uma parte pela falta que esse idioma gera e outra pra fazer as pazes comigo mesmo. Faz 20 dias que faço assim:

    – Todo dia pratico um pouco no duolingo – ótimo aplicativo para aquele treino rápido diário. Ele te estimula a fazer um pouco todo dia.
    – Escuto o podcast Globo News produzido pela BBC – ótimo para treinar a audição. Dura +/- 30 minutos com noticias do mundo.

    Ainda estou desenvolvendo o meu método de estudo.

DEIXE UMA RESPOSTA