ou

Hoje eu vim falar um pouquinho sobre as missões da semana da FLY Lady. Estamos na zona (área) 1 que, na minha casa, corresponde à área de serviço e ao pequeno banheiro de serviço que fica anexo. Na versão original da FLY Lady, a zona 1 representa somente a entrada, a porta da frente e a sala de jantar.

No último post a respeito, surgiram muitas dúvidas já respondidas aqui no blog sobre as zonas de limpeza na casa. Para um esclarecimento geral sobre como funciona esse método, por favor, leia: Como funciona a limpeza por zonas da FLY Lady. Obrigada!

Esta semana, vou focar no destralhamento desses dois cômodos (meu marido encheu o banheiro com coisas depois da mudança) e em modificações que quero fazer na área (tirar medidas, comprar cestinhos organizadores, essas coisas). Portanto, vou traduzir as missões da FLY Lady de acordo com a designação original que ela deu para a zona 1.

As missões desta semana são as seguintes:

Segunda

A missão de hoje é varrer a porta da frente, sacudir o tapete de boas-vindas e limpar a porta, pois isso faz muita diferença na primeira impressão que a casa causa.

Terça

A missão de terça é apagar os incêndios que estão começando a aparecer na entrada! Guarde os sapatos, bolsas, casacos e outros objetos que estão se acumulando ali. Atenção: não adianta tirar dali e jogar em outro lugar, hein? Precisa guardar no lugar certo.

Quarta

A FLY Lady propõe que nesta quarta-feira a gente limpe as manchas nas paredes da entrada, com suavidade para não tirar a tinta. Especialmente quem tem animais de estimação e filhos pequenos pode já ter percebido que essa é uma tarefa que deve ser feita com uma frequência maior. Portanto, mãos à obra!

Quinta

A missão de hoje é muito parecida com a missão de terça: pegar o que estiver fora do lugar na entrada e guardar no lugar certo. Você pode aplicar à sua sala de jantar também.

Sexta

Último dia na zona 1! A ideia hoje é limpar as luminárias, lustres, batentes e rodapés. Se tiver ventilador de teto, limpe também.

As missões desta semana também são bastante simples. Acho que as mais complicadinhas são as da cozinha e dos banheiros.

Me contem se estão conseguindo fazer as missões junto comigo. Obrigada!

Thais Godinho
31/08/2014
Veja mais sobre:
FLY Lady
12
Por que algumas pessoas sempre voltam para a bagunça?
Como comprar: sofá-cama
Reavaliando todas as minhas roupas depois da análise de cores

vidaorganizada-gtd-evernote

Hoje o post traz a Parte 5 do Guia definitivo do Vida Organizada para usar o GTD no Evernote. Confira os posts anteriores na tag Guia definitivo GTD e Evernote. Hoje falaremos sobre áreas de responsabilidade.

Se você não sabe o que é GTD, clique aqui. Se você não conhece o Evernote, clique aqui.

Importante: este guia é para uso avançado de ambos, então não focarei em princípios básicos nesta série. É fundamental conhecer o método GTD e saber manusear o Evernote para acompanhar.

Eu utilizo como base o guia mostrado pelo Matt Martin, do site After The Book. Ele usa uma estrutura com apenas dois cadernos e todo o restante gerenciado por tags (ou etiquetas). É assim que faço também. Meu guia é baseado no dele, mas eu preenchi alguns gaps que ele deixou (e que eu identifiquei à medida que ia usando) e está em português.

Aviso de atualização em dezembro/2015: Quando escrevi este post, em 2014, eu não tinha feito os cursos diretamente com o David Allen e, por isso, estou revisando esta série um ano depois para aprimorar alguns conceitos. Se você já leu esta série antes, peço que releia e encontre notas como esta ao longo do texto para conferir as atualizações.

Outro ponto importante: Este modelo pode parecer complicado para quem estiver começando a usar GTD, e é mesmo. Ele foi feito, como disse ali em cima, para quem já usa o método e queria um modelo mais completo. Não falo isso por besteira, mas porque é bem complicado assimilar conceitos com os quais você não está familiarizado. Caso seja iniciante no GTD, recomendo que comece pela série Aprenda GTD e não use este guia. Obrigada.

O que são e como definir áreas de foco?

Nossa vida é uma só. Nós também. Isso não significa, no entanto, que a gente seja somente de um jeito, ou tenha uma única atividade. Todos somos múltiplos – trabalhamos, temos uma família, amigos, hobbies. Exercemos diversos papéis ao longo da vida, mas é importante refletir sobre os papéis que exercemos no momento. São os papéis em andamento. E é sobre eles que falaremos aqui neste post.

A primeira coisa que você deve fazer é listar suas áreas de foco, que são justamente esses papéis que exercemos. Pegue uma folha de papel. No centro, coloque seu nome ou faço um desenho que represente você. Ao seu redor, escreva cada área de foco na sua vida. Trabalho, família, estudos etc. Quando terminar, ligue cada uma dessas palavras ao centro do papel – você.

Não pense no passado nem no futuro que você gostaria de ter – foque no presente. Por exemplo, eu poderia ter colocado “música”, porque a minha vida inteira eu tive banda. Porém, isso, hoje, não é algo que eu esteja desempenhando, pois não é minha prioridade. Não tenho qualquer projeto de vida em andamento com relação a esse papel. Logo, eu não o incluí, apesar de ele existir. Faça o mesmo. Reflita sobre todos os projetos em andamento na sua vida e liste os papéis que você desempenha.

Essa reflexão pode ser feita constantemente – geralmente, quando você achar que está desempenhando um novo papel ou deixando um deles de lado. Ou se sentindo sobrecarregado.

Inserindo as áreas no Evernote

Para gerenciar as áreas de responsabilidade, nós vamos criar tags dentro do Evernote. Assim:

  • Horizonte 2 – Áreas de foco
    • = Casa
    • = Família
    • = Indivíduo
    • = Carreira
    • = Saúde

O caractere especial escolhido para representar as tags de áreas de responsabilidade foi o = (igual). Isso faz com que, quando a gente digitar na nota um “=”, já sejam listadas todas as áreas de foco que temos na vida.

Como usaremos as áreas de foco?

Vamos criar uma nota para cada área, assim:

gtd-evernote-print26

Em cada nota, falaremos um pouco sobre o que significa aquela área de foco na nossa vida. Pode ficar à vontade para escrever o que quiser.

Para processá-la, use a tag “Horizonte 2 – Áreas de foco”. Isso significa que, quando você clicar nessa tag, terá uma visão completa de todos os seus papéis sem precisar ficar clicando em cada uma das tags. (Perceba que no print acima está a nomenclatura antiga. Mantive apenas para não deixar o post sem essa imagem.)

Com relação às tags de cada área em específico, nós vamos usar nas seguintes notas:

  • Metas e objetivos relacionados à área
  • Projetos da área
  • Ações avulsas relacionadas à área

Mais uma vez, o que estamos vendo aqui é a explicação para o uso de cada horizonte do GTD no Evernote. Quando terminarmos de ver todos os horizontes, entraremos na execução, quando veremos como tudo funcionará na prática.

Fica como lição de casa para vocês definirem quais são suas áreas de foco e já criarem essas tags.

Até o próximo post.

Thais Godinho
28/08/2014
52
Meu sistema GTD atual – Novembro 2015
Dúvidas da leitora: GTD, agenda e coisas mais
Gerenciamento do tempo hoje (o que é para fazer todo dia e toda semana) – GTD

Muitos leitores me perguntam como eu faço para organizar as minhas fotos e eu percebi que nunca tinha feito um post explicando direitinho. Por isso, hoje eu gostaria de falar um pouco sobre como organizo minhas fotos, tanto em formato digital quanto as impressas.

Em formato digital, costumo organizar no computador e, uma vez por mês, fazer backup em um HD externo. Funciona bem assim. A organização em si não tem segredo – organizo uma pasta “Fotos” e, dentro dela, pastas com os anos (2014, 2013 etc).

270814-fotos01

Dentro de cada pasta de ano, eu tenho uma pasta para cada mês. Coloco o número no começo, em vez do nome do mês, para ficar na ordem certa.

270814-fotos02

Por fim, dentro de cada mês, vou criando as pastas por temas, de acordo com a necessidade. Não crio pastas sem ter fotos para colocar dentro, por exemplo.

270814-fotos03

Quanto à nomenclatura dos arquivos de cada foto, antes eu costumava renomear todos, mas parei de fazer com o tempo. Não acho prático e não tem muita utilidade. É mais útil quando não categorizamos e usamos bastante a busca.

Gosto de organizar por ano porque facilita para mim ao procurar algum arquivo que eu esteja precisando. Já tentei apenas categorizar por temas, mas fica confuso. Organizando por anos e meses, consigo ver a evolução clara das fotos também.

Uma dica que gosto sempre de dar é a de selecionar as fotos que vai arquivar. Com os celulares e câmeras digitais, temos o costume de guardar tudo – fotos borradas, duplicadas, feias. O ideal é que a gente fique com o mínimo possível, então vale a pena fazer essa seleção.

Não imprimo fotos há bastante tempo. Imprimi algumas do Paul há alguns anos e tenho um álbum só para ele, especialmente para a família ver, quando viesse em casa. Quando recebemos visitas, ninguém olha fotos! Todo mundo vê pelo Facebook. Então, não imprimimos mais. Mas acho que vale a pena para montar murais e colocar em porta-retratos.

Tenho uma caixa organizadora pequena onde coloco os álbuns com fotos antigas, mas estou pensando em digitalizá-las e guardar 20% do que está lá. Não tenho grandes álbuns porque acho que ocupam muito espaço.

E é assim que eu organizo minhas fotos! Espero que tenham gostado.

Thais Godinho
27/08/2014
Veja mais sobre:
, Como eu me organizo
29
A tática dos 15 minutos para acabar com a tralha
12 receitas para você fazer nesse outono
Usando móveis para organizar o banheiro