ou

Continuando nossa temática de simplicidade, minimalismo e frugalidade de janeiro, hoje eu gostaria de dar algumas dicas para ser mais frugal na cozinha. Seguem:

  1. Aprenda a fazer massa caseira. Além de ser uma delícia fazer, obriga a gente a parar um pouco, ir mais devagar, além de aprender a fazer algo novo.
  2. Faça mais refeições vegetarianas. Carne custa caro.
  3. Coma menos. Faça porções menores. No geral, costumamos comer demais.
  4. Cultive ervas em uma pequena horta em casa. Até quem mora em apartamento pode fazer com ervas mais comuns, como manjericão, pimenta, coentro etc.
  5. Substitua doces por frutas.
  6. Substitua refrigerantes por água com rodelas de limão e deixe na geladeira.
  7. Compre alimentos nos mercados menores do seu bairro. Os produtos, além de mais baratos, podem ser mais frescos.
  8. Consuma alimentos sazonais. Os alimentos de época são mais baratos e você ainda se alinha com o ritmo da natureza ao se alimentar.
  9. Melhor ir mais vezes ao mercado e comprar somente o necessário que ir poucas vezes, chutar o que vai consumir e desperdiçar.
  10. Faça café em casa. Tome o café-da-manhã em casa. Jante em casa. Leve comida de casa para o almoço.
  11. Use ingredientes simples.
  12. Faça receitas rápidas. Recomendo o livro “15 Minutos” do chef Jaime Oliver, cheio de receitas saudáveis e deliciosas para fazer em até 15 minutos.
  13. Faça sua própria geléia. É fácil e ainda tem os mesmos argumentos do item 1.
  14. Reaproveite os restos dos alimentos, como as bananas maduras com as cascas, carnes e arroz. Na Internet, há uma série de receitas ensinando como reaproveitar para fazer receitas bem gostosas!
  15. Frequente o mercado municipal da sua cidade.
  16. Aliás, compre menos em grandes mercados. Geralmente, eles são muito mais caros. Deixe como última opção.
  17. Compre vegetais congelados. Muitas vezes, eles têm mais nutrientes que os vegetais colhidos e vendidos em banca.
  18. Aprenda a fazer pão.
  19. Faça um bolo toda semana, se tiver pique para isso! Vale a pena se tiver filhos, especialmente para o café-da-manhã.
  20. Faça misturas e ensopados aproveitando algumas sobras. Além de reaproveitar alimentos, são pratos de volume que servem muitas porções.
  21. Se não se importa de comer comida congelada e requentada, faça e congele algumas porções para não precisar cozinhar ao longo da semana.
  22. Compre mais peixes na feira e menos no setor de congelados dos hipermercados.
  23. Vá a pé fazer compras. Isso fará com que você pense melhor no que vai precisar carregar até em casa – consequentemente, comprará menos.
  24. Substitua os grãos habituais para variar e economizar! Por exemplo, faça lentilha em vez de feijão.
  25. Congele hortaliças para evitar o desperdício. Na hora de cozinhar, basta salpicar, congeladas mesmo, em cima da comida, que elas voltam ao seu aspecto normal.

Algumas dicas de alimentos baratos (e saudáveis) para ter sempre na despensa:

  • arroz
  • lentilha
  • feijões
  • frutas
  • verduras
  • legumes
  • massas
  • temperos e ervas
  • farináceos (para fazer bolos, pães e biscoitos)
  • alho
  • cebola

E você, tem alguma dica para ser frugal na cozinha?

Thais Godinho
08/01/2014
Veja mais sobre:
Minimalismo
89
Antes e depois da leitora: gavetas
Como encontrar motivação
Dúvida da leitora: O que fazer com tantas tarefas concluídas no Evernote?

 

  1. Jess 08/01/2014

    adorei todas as dicas.

    Já venho nesse movimento há alguns meses. faço pão, geléia,bolo e todo tipo de coisa em casa. Vale a pena!

    Comecei a tomar essas atitudes depois de uma “pesquisa” que fiz sobre os sucos naturais x outras opções do mercado e cheguei a conclusão que a diferença de valores é pífia se comparado com os benefícios de um bom suco natural! (compartilhei aqui: http://www.caoscriativo.com/2013/10/suco-natural-e-mesmo-caro.html )

    Depois disso percebi que precisava assumir uma outra postura. E parar de fazer tudo no modo automático e começar a refletir mais em cada escolha.

    Outra coisa que me move tbm é o valor da comida fora de casa. Costumava pedir muita comida chinesa por telefone, mas esse ano parei, pois a alta foi de mais de 30%! Achei tão absurdo que corri para cozinha para aprender a fazer alguns pratos que antes não sabia. O resultado foi que além de economizar mais da metade do valor que gastaria, ainda ficou mais gostoso!

    Enfim…obrigado por nos inspirar Thais!

  2. Lilian 08/01/2014

    Uma coisa que eu aprendi por causa duma dieta que o marido entrou: faça seu próprio pão. A maior parte dos pães integrais vendidos no mercado não merecem o título. São 3 anos com a máquina de pão que nunca deu defeito e ainda faz sucesso entre os amigos que aparecem de surpresa no fds. :]

    • Thais Godinho respondeu Lilian 08/01/2014

      Já vi uns vídeos sobre isso e é impressionante mesmo como nos enganam!

    • Rachel respondeu Lilian 09/01/2014

      Os fabricantes são obrigados a listar os ingredientes a partir daquele que está em maior quantidade na receita. Para quem for comprar pão (ou produtos integrais) no mercado, tem que ficar atento, pois o primeiro ingrediente da lista deve ser “farinha de trigo integral”. Se outro tipo de farinha estiver em primeiro lugar da lista de ingredientes, pode procurar outro…

  3. Erika Freitas 08/01/2014

    Amei as dicas!

  4. Larissa Florindo 08/01/2014

    “Compre alimentos nos mercados menores do seu bairro. Os produtos, além de mais baratos, podem ser mais frescos.”

    Não sei aí em Campinas, mas aqui em São Paulo, compras de verdura, legumes e frutas em supermercados (grandes ou pequenos) sai caro e na maioria das vezes estão passados ou muito maduro, com um aspecto não muito legal. O único lugar que conheço que vende de fato esses itens bem fresquinhos é o Pão de Açúcar e é uma facada.

    Na minha opinião, o ideal é ir em feiras e realizar esse tipo de compra por lá. O valor é bem mais baixo e a variedade também, e o bom é que existe feiras em quase todos os dias da semana espalhadas em várias regiões. Agora se por causa do horário a pessoa realmente não consegue ir em nenhuma, aí tem que ir em feiras ou sacolões (que talvez venda esses produtos mais frescos que os do supermercado).

    • Thais Godinho respondeu Larissa Florindo 08/01/2014

      Morava em SP e comprava em feiras e mercadinhos sem dificuldade… talvez seja algo da sua região. Vale a pena pesquisar.

    • Lilian respondeu Larissa Florindo 08/01/2014

      Mas feiras acabam sendo comércio “de bairro”. :]]]

    • Liza respondeu Larissa Florindo 09/01/2014

      Oi, Larissa

      Eu morava em Pinheiros e ia na Quitanda. Conhece? Os alimentos sao muuuuuito mais fresquinhos que no Pão de Açúcar. Nao tem aquelas filas gigantes do Pão tambem. O preco é parecido e o atendimento é muito melhor. 😉

      Agora que mudei de bairro morro de saudade!

      • Lilian respondeu Liza 09/01/2014

        Eu trabalhava em frente ao Quitanda. Tinha um chef que parecia o Dan Stulbach ali no restaurante do mezanino. hahahahaha

  5. Ytauana 08/01/2014

    Thais,

    Como eu gostei de ler esse post!! Amei ver que todas as dicas contemplaram o lado nutricional e gastrônomico, além da praticidade. Todas ótimas.
    Em outros posts fiquei um pouco preocupada (em especial aquele sobre lanches para crianças) pq as sugestões e comentários pareciam ser uma ótima opção quando eram apenas menos ruins (em alguns casos nem isso). Fico realmente feliz com essa evolução, principalmente por ser um blog que eu e várias pessoas gostam, acompanham e se influenciam por. E também pq sei que vai ser ótimo pra sua vida 🙂

    Parabéns!!!

    • Thais Godinho respondeu Ytauana 08/01/2014

      Pessoal, o blog é a minha visão e traz sugestões. Não é a regra nem o ideal. É importante todo mundo ler tendo em consciência isso. ;D Obrigada pelo comentário.

  6. Bruna 08/01/2014

    Ótima dica, Thaís!

  7. Vanessa Oliveira 08/01/2014

    Thais, é incrível como me identifico com você, no ano passado ao optar ser uma mãe solteira e empreendedora eu resolvi optar por uma vida simples, pois cometi ao longo da vida muitas cabeçadas e desperdícios que hoje me deixaram numa situação apertada, resolvi mudar para me reeducar, pois se simplesmente eu voltasse a trabalhar voltaria de novo com os velhos hábitos influenciada pelo ambiente competitivo das empresas e vi que não precisamos de tanta coisa pra viver e que é muito mais gostoso fazer as coisas do que comprá-las prontas, comia muita porcaria, hoje já comecei a melhorar!
    Tenho uma horta de temperos, e é uma delicia congelar e usá-los sem precisar de caldos cheios de sódio, minha família acha que é frescura, eu acho que é essencial.
    Ótimo post!!!
    Grande beijo!!

  8. May 08/01/2014

    Thais, massas e farináceos não são saudáveis… carboidrato refinado e açúcares são comprovadamente maléficos ao nosso corpo, recentemente comparados com a cocaína.

    Inlcusive em uma postagem recente do teu blog, sobre o livro “A Dieta da Informação” você até citou um trecho importante:

    “Há mais de um século e meio a comunidade médica sabe que açúcares e carboidratos nos engordam. Contudo, continuamos comendo. (…) Parece que o número disponível de livros de dieta está diretamente relacionado às taxas de obesidade. (…) Talvez todos esses livros de dietas estejam nos tornando gordos ao fazerem com que seja mais difícil descobrir o que é uma dieta saudável.”

    Nem precisa aprovar esse comentário, porque eu escrevi apenas porque sei que muitas pessoas “seguem” o que você fala aqui no blog – ainda que não sejam obrigadas a nada, sabemos. Então, podemos considerar que você é uma formadora de opinião, por isso é preciso ter cautela na hora de indicar algo… podem ser alimentos baratos, como você disse. Mas estão longe de serem saudáveis. 🙂

    Estou adorando o tema sobre frugalidade!

    Grande beijo!

    • Thais Godinho respondeu May 08/01/2014

      Mas quem disse que são os refinados? Farináceos integrais.

      De qualquer forma, fica a cargo do leitor optar pelos integrais ou simples.

      Obrigada pelo comentário.

      • May respondeu Thais Godinho 08/01/2014

        Bom, os integrais não são baratos. Pelo menos, não aqui onde eu moro.
        Mas vale a dica pra aprender a fazer as massas e fazê-las em casa! 🙂

    • Ana respondeu May 08/01/2014

      O post foi de dicas para economizar na cozinha, não de como fazer uma dieta radical sem carboidratos e açúcares. Pra isso existem blogs de alimentação saudável. E pouca gente consegue seguir isso, cá entre nós.

      • May respondeu Ana 09/01/2014

        Oi Ana!

        Concordo que existam muitos blogs de alimentação saudável, e o blog da Thais, é sobre VIDA ORGANIZADA, e pra quem acompanha o blog há muito tempo – como eu – sabe que “vida organziada” engloba todos os pontos da nossa vida, não somente trabalho ou casa. Cuidar de si mesmo, é fundamental para que tenhamos uma vida mais organizada. Estarmos preocupados com o que consumimos, seja visualmente ou fisicamente é importante. Por esse motivo, vemos postagens onde a Thais nos ajuda a simplificar cada vez mais, inclsuive na cozinha, dando dicas de alimentos saudáveis e etc. Aliás, o budismo tem muita coisa boa nesse sentido, e gostaria de ressaltar que a vida é a integralidade de corpo, mente e alma. Não adianta cuidar apenas dos externos, ou somente de uma das partes. A busca é sempre pelo equilíbrio, e o blog da Thais tem tido um papel bem bom nesse sentido. Muito bom.

        Sobre “dieta radical”, não entendi exatamente, até porque não faço dieta. Como quando tenho fome, o tanto que minha fome me permitir comer, não conto calorias e não malho alucinadamente. Nossa alimentação é o mais natural possível, com o mínimo de industrializados. Sim, nós não consumimos carboidratos refinados, nem açúcares, porque ora, são industrializados. Consumimos carnes (todos os tipos), muita salada, vegetais e frutas.

        Mas se tu tiver alguma dúvida em relação a isso, não hesite em me procurar através dos meus e-mails: may.ishii@hotmail.com // breakingmyownrules@gmail.com

        Super beijo!

      • May respondeu Ana 09/01/2014

        Não quis me estender muito no meu comentário, mas lendo agora pareceu que faltou uma justificativa sobre o que eu disse: ” Sim, nós não consumimos carboidratos refinados, nem açúcares, porque ora, são industrializados.”

        O consumo de carboidratos refinados e açúcares é prejudicial em vários sentidos, comprovado cientificamente por várias pesquisas e estudos (confiáveis, ou seja, não patrocinados) e não é nenhuma novidade. Médicos sabem disso há mais de um século e meio e nós continuamos comendo carboidratos. Por quê? Isso no mínimo, deveria nos deixar curiosos a entender o motivo pelo qual isso não é falado, ensinado, divulgado, ou qualquer outra ação do gênero.

        Infelizmente, algumas pessoas pensam que por serem “magras” são saudáveis e assim vão levando a vida durante 20, 30 anos, até que quando chega nos 40, 50 começam aparecer os problemas – muitas vezes reflexo de uma má alimentação durante toda a vida. Se eu posso evitar isso pra mim e para os meus filhos, por qual motivo não o faria? Comer carnes, saladas, vegetais, frutas – e de vez em quando uma bela guloseima, não vejo onde está o “radical” nesse contexto.

        Minha filha sofria de rinite, sinusite e asma brônquica persistente grave (tenho até medo desse nome!), patologias auto-imunes citotóxicas das vias respiratórias, crônicas e agudas, consideradas “incuráveis” por toda comunidade médica. Os casos mais comuns de cada uma dessas doenças, podem desencadear várias outras patologias como: a gripe comum, alergia, desvio do septo nasal, entre outros. Ela começou tratar em 2008 (com 1 ano e meio) e fez tratamento até o início de 2013. Durante 5 anos ela tomou remédios e medicamentos ininterruptamente pra “tratar” e usava outros mais fortes para as crises.

        Desde que mudamos a nossa alimentação (no início de 2013), ela teve 2 episódios (em datas distintas) de uma possível crise (não chegou a ter crise). Há cerca de uns 7 meses, veja bem, SETE MESES, ela NUNCA MAIS teve nenhuma crise. Nem o nariz escorrendo. Nem uma tosse! Absolutamente nada! Se houve remissão completa? Não sei. Mas que ela melhorou 99%, melhorou. Nesses 2 episódios ela teve febre, eu levei ela ao pronto socorro, tiramos radiografia para desconsiderar pneumonia, e o diagnóstico foi sempre o mesmo: “- Crise de alergia mamãe. Esse tempo é assim mesmo, as crianças ficam péssimas. Tá aqui a receita, dá esse, esse, esse, que a cortisona corta a crise na hora e ela melhora viu mamãe?” Do jeito que saí do hospital com a receita, cheguei em casa e guardei. Nem li. Dei um belo banho na minha filha, fiz um belo chá de gengibre com alho e limão, dei muito amor, carinho e cuidado e deixei ela repousando O MÁXIMO que podia. No dia seguinte, fiz uma bela sopa de vegetais (sem macarrão), temperada com cebola, alho e sal e um pouquinho de aipo e cheiro verde. E conforme o apetite fio melhorando, o “cardápio” foi voltando ao normal. Em três dias ela estava 100%, comendo normal, brincando e sem febre. Se dependesse dos remédios, seria no mínimo 7 dias pra melhorar…

        Eu também sofria de rinite crônica (desde os 12 anos), cefaléia (desde os 5 ou 6 anos), sérios problemas hormonais, tomava 2 hormônios diferentes, tomava remédio controlado pra dormir, etc, etc, etc… todas essas pragas modernas. Tivemos melhoras – senão a remissão completa – desde que mudamos não apenas a nossa alimentação, mas principalmente o nosso estilo de vida. Porque como eu disse, a vida é a integralidade do ser. A busca é pelo equilíbrio do todo. Não basta cuidar só do corpo. É corpo, mente e alma. Estamos nos cuidando, nos respeitando, nos amando – acima de tudo. Desde então, seguimos. Durante todo o ano de 2013 não tivemos necessidade de fazer uso de nenhum medicamento, foi lindo. E 2014 será também. Será e seguirá sendo.

        Espero ter colaborado de alguma maneira e, caso tenha dúvidas, por favor, não hesite em me procurar.

        Super beijo!

        • Liagreice respondeu May 11/02/2014

          Eu AMEEEI como vc relata a ausencia de episodios de rinite, sinusite, etc, etc por conta da mudança de alimentação!!
          Parabéns!!

  9. Cilene 08/01/2014

    Thais estou nesse caminho , o caminho do simples e estou adorando…
    Depois que as crianças nasceram , aprendi a fazer bolo na marra hahahahaha e hj faço bolo toda semana, pão já fiz duas vezes e nem acreditei que deu certo!!!! E aquela sensação “eu que fiz” ahhhhhhhh é tão bom!
    Gosto de Mercado Municipal de Campinas, apesar que precisa de uma reforma, mas lá encontro temperinhos frescos e secos ,meus integrais com preços convidativos.

    Adorei o post, as dicas , como não amar o blog? Impossível.Obrigada por nos ajudar, bjs.

  10. Ingrid Normando 08/01/2014

    Adorei as dicas, em especial a número 1!

    🙂

  11. Michele 08/01/2014

    Thais,
    Ontem eu vi um documentário no GNT que me chamou bastante atenção. O documentário se chama:” Comer, jejuar e viver mais”.
    Eu estou em um processo de jejuar por várias questões na minha vida ( jejuar é uma arma espiritual) e com esse título, o documentário me chamou muita atenção. Para resumir: o jejum seja 5:2 ( mais conhecido como dieta 5:2) ou o jejum de três a quatro dias reduz as taxas de insulina, a pré diabetes e outras coisas. Outro estudo interessante se diz que o jejum fortalece os neurônios e até estimula células novas neurais.
    Claro que os pesquisadores tem que testar mais essa tese, mas me chamou a atenção que uma prática tão antiga, usada por Jesus e os judeus fosse tão benéfica para o corpo e não somente para a alma.
    No documentário, eles pegam um voluntário que faz uma dieta muito restrita em calorias e muito rica em nutrientes e ele corta a maçã e come somente a casca e joga a maçã fora. Isso mesmo, ele joga a maçã fora!!! O máximo de nutriente está na casca, diz ele e a polpa só tem açúcar e água.
    A minha frugalidade não permite jogar a maçã fora, mas tenho um filho que na fase do crescimento se valerá mais da polpa da maçã e eu somente da casca. Gostei do critério.
    Pelo visto tem no Netflix. Veja. Você vai ficar boquiaberta como eu.
    http://dicasdatv.com.br/dicas.php?page=mostrarprograma&programaid=173256

    • Thais Godinho respondeu Michele 08/01/2014

      Muito obrigada pela indicação. Também faço jejuns intermitentes de vez em quando e me sinto ótima. Antes de praticar yoga e antes de meditar também prefiro fazer jejum. Vou ver o documentário.

    • May respondeu Michele 08/01/2014

      Michele você está certíssima! Também fiquei curiosa pelo documentário e vou ver com certeza.

      Se quiser saber mais sobre os estudos nessa área, tem bastante material confiável aqui: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/jejum-intermitente.html

      Super beijo!

  12. Pri 08/01/2014

    Muito legal! Lentilha é muito saudável e cozinha mais rápido que feijão, então tem a vantagem de economizar gás.
    Sobre a carne, tenho consumindo mais carne de porco, que é carne branca e muito saborosa. O mignon suíno por exemplo custa mais ou mesmo R$ 15,00 o kilo. Eu compro da marca pamplona que já vem temperado e fechado a vacuo. O mignon bovino custa o dobro…

    • Thais Godinho respondeu Pri 08/01/2014

      É verdade, é gostosa mesmo. Obrigada por comentar.

    • Ana respondeu Pri 08/01/2014

      Carne suína é vermelha.

      • Rachel respondeu Ana 09/01/2014

        Carne suína é vermelha mesmo. No entanto, ela não tem entremeamento de gordura, como a carne bovina.
        Isso significa que quando vc retira a gordura externa, tem pouquíssima gordura entremeada às fibras de carne. Ela é mais saudável que a carne bovina, portanto.
        Mas não vai sair comendo torresmo, hein galera! hehe

  13. nathali 08/01/2014

    Adorei!

  14. Gélia CArvalho 08/01/2014

    Oi Thais eu costumo tirar um dia para cozinhar e antecipar minhas misturas, que são os alimentos que mais demoram no preparo, eu ganho um bom tempo com isso!!
    sabado mesmo eu consegui fazer carne para uns 10 dias e ainda 2 bolos que eu tb congelo.

    bjs

    Gélia

  15. Joana 08/01/2014

    Eu também recomendo a máquina de pão que espero que continue funcionando por muito tempo. Aqui no interior de São Paulo é muito quente, então ficar ligando forno é uó.
    Estou fazendo pão integral toda semana (o sabor não tem nem comparação com o industrializado, é maravilhoso!), já faz 1 ano e como somos só nós dois, corto o pão em quatro e congelo, como a Érica Szabo, lá em cima. Além das dicas da Érica, também faço aquela salada c/ pão, a panzanella, bom demais!
    Outra coisa que comprei foi uma sorveteira porque consumimos muito sorvete por aqui. Calor, genteee! Além de não ter nenhum tipo de conservante, a quantidade de açúcar você controla. Sei que não há necessidade de sorveteira para isso, mas economiza nosso tempo, né?
    Também acho legal fazer aquele ‘dia sem carne’, uma vez por semana. Aproveito para fazer algum tipo de massa (ainda industrializada, mas chego lá) com um molho gostoso e legumes.
    Outra coisa que nunca usei são esses cubinhos de caldo. Aprendi a fazer o caldo de legumes e de frango e de vez em quando aproveito para deixar algum deles pronto e quando não vou usar logo, congelo.
    Gosto de cozinhar e deixar sempre no freezer uma lentilha ou grão de bico ou algum tipo de feijão para salada. Também gosto da ervilha congelada pela praticidade.

  16. May 08/01/2014

    Uma boa dica também, pra quem puder, é consumir “comida de verdade”, ou seja, tudo aquilo que sabemos como faz, quais os ingredientes e etc. Não tem aditivos como corantes, conservantes e vários outros -antes que sabemos o quanto são alergenos e nocivos ao nosso metabolismo. Comida viva também é uma ótima ideia, especialmente para o consumo de grãos (germinados).

    Parece complicado, especialmente pra quem trabalha fora o dia todo e ainda tem filhos, mas é totalmente possível. Eu dependi de restaurante o ano inteiro de 2013 e ainda assim, consegui levar uma alimentação bem natural junto com a minha filha de 6 anos. Uma carne, muita salada, alguns vegetais. Temperava em casa, e o lanche da escola dela era sempre 1 fruta. Apenas na sexta-feira ela poderia comer pão de queijo no lanche (que ainda assim é feito do polvilho, sem glúten).

    Finais de semana eu cozinho em casa, então as refeições são mais gostosas! Nada como a gente mesmo cozinhar, eu adoro. Aliás, descobri um mundo novo fazendo algo que eu adoro (cozinhar). Em casa não consumimos açúcar refinado e os únicos produtos industrializados da nossa alimentação atualmente – e que são consumidos moderadamente – é o chocolate Lindt 85% (guloseima da minha filha 2x por semana), presunto e o queijo muçarela, esse último mais, porque usamos pra fazer omelete!

    Demais coisas faço em casa, como sorvetes (sempr temos no congelador, totalmente naturais e sem açúcar refinado), iogurte natural caseiro (fica melhor que o grego, super cremoso! – minha filha ama comer com morangos), bolos caseiros (sem glúten, sem açúcar e na maioria das vezes sem lactose), entre outras coisas…

    Depois de 1 ano seguindo essa alimentação mais natural possível, só posso dizer que tem sido maravilhoso e que pretendemos seguir assim o resto das nossas vidas. Há 1 ano não tomamos remédios, nem analgésicos… antes minha filha fazia tratamento diário pra rinite, tomava remédio todos os dias e eu andava com a bombinha na bolsa… hoje não toma mais nada!

    E isso vai se tornando um estilo de vida… há 5 meses não uso shampoo, nem condicionador nos meus cabelos e nunca tive os cabelos tão macios como agora! É maravilhoso! Há 1 mês parei de usar o creme no rosto e uso apenas óleo de coco… minha pele parece a pele da minha filha de 6 anos, super macia!

    Parar, refletir, reduzir o consumo, respirar, se cuidar, se respeitar, se amar, lindo!

    Estou amando essa sua nova fase e torcendo pra que mais gente comece a relfetir sobre as suas vidas!

    Super beijo!

    • Thais Godinho respondeu May 08/01/2014

      May, obrigada pelos seus comentários. Uma aula esse. Contribuiu muito com o post. <3

      • May respondeu Thais Godinho 08/01/2014

        Ah amada, sou eu quem sempre agradece! Seu blog mudou completamente a minha vida. Acompanho ele desde 2008, e em meados de 2012 ele foi fundamental para que eu colocasse minha vida nos eixos e começasse um sonho. Hoje já são vários sonhos, mas o nome deles agora são “objetivos”.

        Fico muito feliz de poder colaborar, e mais ainda de poder aprender cada dia mais. E o quanto a gente ainda tem a aprender não é mesmo?

        Fique bem!

        Super beijo,
        May.

    • Marcia L. respondeu May 08/01/2014

      Gostei muito dos comentários da May. Gostaria de ter a possibilidade de ter mais informações sobre algumas receitas que ela cita como bolos sem farinhas e açúcares. Eu sei uma única receita sobre a qual consigo fazer algumas variantes. Tenho alergia a muitos alimentos (lactose, gluten, linhaça, quinoa, amendoim, gergelim, quase todas os alimentos industrializados… ) enfim, é um pouco complicado. Gostaria de introduzir a alimentação viva mas tenho algumas dúvidas que não consegui sanar pelos sites em que pesquisei. Gostaria de encontrar uma receita de leite de arroz possível de ser feita por mim.
      Obrigada!

    • Dalva respondeu May 08/01/2014

      May, como assim vc parou de usar shampoo e condicionador? O q vc usa para substituir?

      • May respondeu Dalva 09/01/2014

        Dalva, é um processo lento, requer um pouco de paciência.
        Inicialmente eu passei a usar somente o condicionador. Depois, alternava um dia sem nada (somente água morna) e outro dia somente o condicionador. Então, espacei mais as lavadas (a cada 2 ou 3 dias) e passei a utilizar bicarbonato de sódio e vinagre de maçã.

        Tem um video muito bom no Youtube (em inglês) falando sobre essa prática, muito comum em alguns países europeus, como a Suécia. Aliás, os suecos estão anos luz na nossa frente em quase tudo, rs. É bom aprender com eles.

        Eu estou no meu trabalho agora, e não tenho como acessar o Facebook para pegar o link do video (está em um grupo que eu participo), mas por favor, me envie um e-mail (may.ishii@hotmail.com // breakingmyownrules@gmail.com) me cobrando! Assim que eu chegar em casa, envio pra você.

        Super beijo!

    • Joana respondeu May 09/01/2014

      May, cadê você para nos contar como ficar sem shampoo e condicionador? Fiquei interessada.

      • May respondeu Joana 09/01/2014

        Oi Joana!

        Eu estou aqui, rs.
        Como eu disse pra Dalva ali em cima, tem um video muito bom no Youtube (em inglês) falando sobre essa prática, muito comum em alguns países europeus, como a Suécia. Aliás, os suecos estão anos luz na nossa frente em quase tudo, rs. É bom aprender com eles.

        Eu estou no meu trabalho agora, e não tenho como acessar o Facebook para pegar o link do video (está em um grupo que eu participo), mas por favor, me envie um e-mail (may.ishii@hotmail.com // breakingmyownrules@gmail.com) me cobrando! Assim que eu chegar em casa, envio pra você.

        Super beijo!

  17. Nathália 08/01/2014

    Comecei a fazer alguns pontos citados por você em busca de uma alimentação mais saudável para família, especialmente depois que a minha filha nasceu, no começo achei que me alimentar melhor era mais caro, mas percebi que se tornava caro porque eu continuava comprando um monte de tranqueiras industrializadas mais os alimentos saudáveis, quando passei a abolir as tranqueiras (a grande maioria), diminuir a quantidade de refeições em restaurantes e deliveries e a frequentar feiras a economia foi significativa. Sem mencionar que quase não ficamos doentes!
    Outra coisa que costumo fazer são cardápios semanais, planejo de segunda a sexta em uma tabela dividida entre café da manhã, almoço, sobremesa, lanche e jantar. Assim, compro por semana exatamente o que vou consumir, evitando muito o desperdício e ainda posso variar bem a alimentação da minha pequena, procuro dividir, 1 dia vegetariano, 1 ou 2 peixe, frango e carne vermelha, alterno bem as frutas que são servidas de sobremesa, os legumes e vegetais e os acompanhamentos, para servi-la com variedade. Os finais de semana ficam em aberto para exercitarmos a criatividade, possíveis refeições fora de casa em restaurantes ou confraternizações e até mesmo para consurmir o que foi sobrando durante a semana, o famoso “restô d’ontê”.
    Cada vez mais adoro seu blog!

    • Thais Godinho respondeu Nathália 08/01/2014

      Obrigada por comentar.

      • Gabriela.O respondeu Thais Godinho 09/01/2014

        Fiquei impressionada com os comentários do pessoal q mudou a alimentação e não fica mais doente. Essa semana, eu fiz um limpa de remédios vencidos lá em casa. Usávamos tantos! Hoje, nada! Mudamos nossa alimentação de forma gradual nesses últimos 3 anos. O pão em casa foi uma das nossas descobertas mais felizes. Fica muito mais barato, inclusive. Eu não concordo com a moça que disse q integrais são caros. A quantidade de cereais q vc usa para fazer um pão é baixa e o preço final compensa muito. Eu costumo comprar farinha de trigo branca e fazer a minha integral. Coloco 50% de farinha branca e, os outros 50%, são linhaça (em grão ou triturada), farelo de trigo (o pacote é muito barato e dua muito!!!), aveia (compro aquela com o grão grosso mesmo). Enfim, vc pega o q tem de grão em casa, mistura e faz sua farinha integral. Moro em Brasília e compro vários grãos em farinha no Ceasa. Quando eu ia em Curitiba, trazia bastante, achava mais barato e comprava no mercado municipal. Enfim, no final das contas, o preço compensa muito. Parabéns pelo post. Vc começou 2014 com uma sintonia diferente, linda. Obrigada!

        • Thais Godinho respondeu Gabriela.O 09/01/2014

          É impressionante mesmo. Obrigada por comentar.

        • May respondeu Gabriela.O 09/01/2014

          Oi Gabriela!

          Quando comentei do preço caro dos integrais, me referi aos produtos prontos em supermercado. Pão conseguimos encontrar a preços mais acessíveis, mas massas especialmente, ainda tem um valor bem elevado.

          Entretanto, em casa não consumimos grãos e cereais de nenhum tipo, principalmente trigo. Grãos são elementos estranhos à dieta humana durante 99,5% da evolução. Isto se aplica a todos os grãos. Mas o trigo é especial. Quem compilou os motivos pelos quais o trigo está especialmente implicado na gênese da obesidade, diabetes e um sem número de patologias auto-imunes foi o Dr. William Davis, em seu instigante livro “Wheat Belly”. O trigo moderno é muito diferente do trigo que nossos avós consumiam. É o resultado de milhares e entrecruzamentos e hibridizações feitas nos anos 50, resultando em uma planta diferente, com maior quantidade de amido e um glúten mais problemático para o ser humano.

          Para uma entrevista na qual o autor descreve em linhas gerais as suas teses: http://boingboing.net/2011/10/26/triticum-fever-by-dr-william-davis-author-of-wheat-belly.html

          Para saber mais sobre o assunto (pesquisas e estudos): http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/01/trigo-nosso-maior-inimigo.html

          Super beijo!

  18. Ju 08/01/2014

    Oi Thais,
    Não temos o hábito de comer fora, pois valorizamos muito preparar a própria comida. Claro que de vez em quando é super bom sair, para comer algo diferente. Costumo fazer bolo com bastante frequência e também faço pão, desde que comprei uma panificadora doméstica. É ótimo quando o cheirinho de pão fresco invade a casa! E tenho o hábito de congelar o pãozinho francês ainda quentinho da padaria. Assim temos sempre pão fresco em casa. É só aquecer no forninho elétrico para descongelar e fica perfeito e delicioso!
    Já fiz geleias também e a última que fiz foi com as jabuticabas que frutificaram no jardim aqui de casa!
    Sucos estão sempre na ordem do dia, seja de polpa ou da fruta in natura colhida do pé: acerola e manga!E pelo que eu já vi no jardim outro dia, teremos em breve belos abacaxis. É a primeira vez que os pés frutificam e estou ansiosa para experimentá-los! Hoje mesmo pela manhã fiz suco de cenoura com laranja, mamão e beterraba.
    Compro frutas, verduras e legumes num mercadinho aqui de Holambra. Chegam fresquinhos 3 vezes na semana e eu adoro!
    Tenho o hábito de cozinhar lentilha, mas meu pessoal prefere feijão. Cozinho o preto, pois o carioquinha é de digestão mais difícil, pelo menos para nós.
    Massa caseira não dá para fazer, pois é necessário ter aquela maquinha para abrir e cortar direito. Do contrário fica esquisita.
    Café da manhã é sagrado. Sempre preparo um café fresquinho, pãozinho, frutas e bolo e tudo o que compõe um bom café da manhã!
    Carne vermelha aqui em casa não pode faltar!!! Eu, como boa gaúcha que sou não abro mão, mas peixe e frango também são muito frequentes.
    Não temos o hábito de jantar, fazemos lanche.
    Acho que no geral temos bons hábitos e quanto a desperdício, fazemos de tudo para evitar, mas às vezes acontece. Acho que em toda casa é assim.
    Agora pretende racionalizar bastante as compras do mês, pois estou preparando cardápios semanais e assim saberei exatamente o que comprar.
    Um abraço.
    Ju

  19. Gabi 08/01/2014

    A tapioca foi minha descoberta no ano passado. Utilizo muito aquelas que já vem hidratada. Simples, rápidas e deliciosas, são boas substitutas do pão num lanchinho noturno, com menos gordura e sem glúten! E também tem um valor cultural super bacana, por ser um alimento indígena e típico da nossa região.

  20. Tatiana 08/01/2014

    Pensando em toda essa questão eu decidi comprar uma máquina de fazer iogurte. Passei a consumir mais devido a reeducação alimentar mas não estava satisfeita com os produtos industrializados. Tentei fazer algumas vezes do jeito “caseiro” mas é complicado e acabava desperdiçando. A compra da máquina foi ótima, 1 litro de leite rende iogurte pra semana toda aqui em casa, sem conservantes, açúcar nem corantes, sem falar na questão da redução do lixo. Recomendo viu?

    • Thais Godinho respondeu Tatiana 09/01/2014

      Imagino que deva valer a pena mesmo. Obrigada por compartilhar.

    • May respondeu Tatiana 09/01/2014

      Tatiana, a receita de iogurte caseiro é tão fácil de fazer – e gostosa, que quando eu descobri me perguntei: “como eu não fiz isso antes?” E nem precisa da máquina!

      Pra quem interessar:
      1 litro de leite pasteurizado (eu uso de saquinho Tipo B, mas se encontrar leite cru é melhor ainda!)
      1 potinho de iogurte natural integral (só vai usar o de mercado na 1ª vez que fizer) ou u 1 envelope de bactérias em pó, comprado em loja de produtos naturais
      Extrato de baunilha (ou essência de baunilha) -> opcional

      1- Aqueça o leite lentamente (em fogo baixo), preferencialmente em uma panela de aço inoxidável (ou vidro, ou cerâmica), até QUASE ferver. NÃO FERVA! Desligue o fogo.
      2- Pré-aqueça o forno durante 5 minutos. Deixe esfriar até atingir a temperatura de 46 graus centí­grados (pra quem não tem termômetro: está bom quando conseguimos colocar o dedo dentro e ficar por 30 segundos. É o mesmo ponto da mamadeira do bebê).
      3- Acrescente o iogurte, mexendo bem. Se estiver utilizando o pó, misture-o em um pequeno recipiente com um pouco do leite aquecido até formar uma pasta semi-lí­quida, em seguida retorne esta pasta à panela de leite, mexendo bem (você pode também jogar o pó diretamente no leite e bater o conteúdo da panela com um mixer). Se quiser, acrescente as gotinhas de baunilha (no máximo 5) e mexa bem.
      4- Desligue o forno. Tampe a panela, cubra-a e forre bem, com toalhas grossas. e coloque-a no forno desligado.
      5- Feche a porta do forno e aguarde 12 horas, ou uma noite. Retire do forno e retire uma concha rasa e guarde em um potinho com tampa. Essa será sua isca para fazer os próximos!
      6- Leve à geladeira. Consuma em até 15 dias.

      Se quiser fazer o iogurte grego:

      7- Prepare o escorredor de macarrão forrando-o com uma fralda de pano ou um pano de prato (limpo gente! Eu peguei uma fralda só pra fazer o iogurte, mas vocês podem usar o que tiverem em casa)
      8- Coloque um recipiente abaixo do escorredor, onde o escorredor possa ficar apoiado.
      9- Retire a panela do forno e despeje na fralda.
      10- Leve a geladeira de 4h a 6h.
      11- O líquido que “sobrou” é o soro do iogurte. O que ficou na fralda cremoso é o “iogurte grego”.

      Não esquece de retirar a isca para fazer os próximos. 🙂

      O que fazer com o soro: http://pat.feldman.com.br/2013/12/03/como-aproveitar-o-soro-de-iogurte-na-sua-cozinha/

      Aqui em casa, todo mundo adora! <3

      Super beijo!

      • Tatiana respondeu May 09/01/2014

        Oi May! Obrigada por passar a receita, a que eu tenho é bem parecida. Mas acabo me atrapalhando um pouco com a temperatura do leite e a forma de conservar depois pra fermentar (estava usando uma garrafa térmica), e na maioria das vezes não dava certo e eu me incomodava muito com o desperdício.
        Adorei sua dica de colocar umas gotinhas de baunilha no iogurte!

        • May respondeu Tatiana 10/01/2014

          Tai, na primeira vez que eu fiz eu me atrapalhei também, mas foi por causa de várias coisas que eu não sabia, como por exemplo: eu sempre fervia o leite. Outra coisa também é que eu não deixa coarando na fralda, então ele não ficava “cremoso” (o famoso GREGO!). Depois desses pequenos detalhes, nunca mais eu errei!

          Para a temperatura, eu sigo o dedo mesmo. Vejo o ponto de mamadeira de bebê, pois não podemos matar as bactérias do iogurte né? E assim vai. Lindo. Agora meu iogurte fica lindo! Minha filha come puro ou com frutas, ela adora.

          Se quiser trocar umas receitinhas comigo, por favor, me mande um email! Adoro tricotar receitas! 🙂

          may.ishii@hotmail.com // breakingmyownrules@gmail.com

          Super beijo!

        • May respondeu Tatiana 10/01/2014

          Tati, na primeira vez que eu fiz eu me atrapalhei também, mas foi por causa de várias coisas que eu não sabia, como por exemplo: eu sempre fervia o leite. Outra coisa também é que eu não deixa coarando na fralda, então ele não ficava “cremoso” (o famoso GREGO!). Depois desses pequenos detalhes, nunca mais eu errei!

          Para a temperatura, eu sigo o dedo mesmo. Vejo o ponto de mamadeira de bebê, pois não podemos matar as bactérias do iogurte né? E assim vai. Lindo. Agora meu iogurte fica lindo! Minha filha come puro ou com frutas, ela adora.

          Se quiser trocar umas receitinhas comigo, por favor, me mande um email! Adoro tricotar receitas! 🙂

          may.ishii@hotmail.com // breakingmyownrules@gmail.com

          Super beijo!

  21. Danielle Vilarino 09/01/2014

    Oi Thais,
    O seu texto me fez lembrar de um livro que meu médico indicou: Barriga de Trigo. Você já leu? Se não, fica uma sugestão de leitura. Neste livro tem varias dicas para ter uma vida mais saudável.
    Um grande abraço.

    • Thais Godinho respondeu Danielle Vilarino 09/01/2014

      Ainda não li, mas outras pessoas já me indicaram. Com certeza deve ser um ótimo livro. Pretendo ler quando possível. Obrigada!

  22. Patricia Luck 09/01/2014

    Nem preciso dizer que esses dicas são excelentes!
    Aproveito para divulgar uma receita muito gostosa: uma torta com massa de arroz deliciosa http://www.panelaterapia.com/2013/05/torta-salgada-com-massa-de-arroz.html que aproveita sobras.

    Sempre que penso em algum prato, me pergunto: “Qual a forma mais natural de fazê-lo?”
    Vou “retrocedendo” na cadeia industrial até chegar ao ponto em que é possível fazer em casa. Exemplo: massa de macarrão. Forma mais rápida e fácil: miojo (se é que isso é comida, né gente). Forma mais natural e saudável: fazer minha própria massa com farinha orgânica e ovos orgânicos. Nem sempre dá pra chegar no mais natural possível, mas dá pra ficar no meio termo, tipo não usar a farinha orgânica ou comprar um macarrão de boa qualidade e fazer o molho caseiro.

    Não é preciso ser xiita para ter uma alimentação saudável, ou melhor, não deixe de ter uma alimentação saudável só porque você não planta seu próprio trigo ou tem galinhas no quintal. Acho que devemos fazer o possível, mas sem estressar, afinal comer é um dos maiores prazeres da vida…

    • May respondeu Patricia Luck 09/01/2014

      Oi Patricia!

      Concordo com você: “…não deixe de ter uma alimentação saudável só porque você não planta seu próprio trigo ou tem galinhas no quintal.”

      Aproveito para ressaltar: é evidente que devemos procurar os melhores alimentos disponíveis. Em Porto Alegre, por exemplo, por menos de 6 reais compram-se ovos de galinhas criadas soltas e alimentadas com pasto – é menos de 2 reais mais caro do que os ovos de gema desmaiada que normalmente se compram no supermercados. Mas não podemos deixar o ótimo ser o inimigo do bom. A farinha mais integral é MUITO pior do que a carne mais cheia de hormônio. Pense: a carne poderá conter resíduos de hormônios e antibióticos, mas são apenas resíduos, enquanto o trigo é quase puro amido e glúten. Tirando a (pouca) fibra, o resto é PURO veneno do ponto de vista metabólico.

      Da mesma forma, hortaliças podem estar contaminadas com pesticidas. Então não deveríamos comer salada nunca? Discordo. Se pudermos comer salada orgânica, é obviamente melhor. Mas se não tivermos acesso (ou dinheiro para comprar) a alface e tomate orgânicos, devemos então comer pizza ou MacDonalds?? Você entende o absurdo deste pensamento? Alface convencional é melhor do que alface nenhuma. Carne convencional é melhor do que carne nenhuma. Carne de boa procedência e vegetais orgânicos são melhores ainda. E farináceos são ruins de qualquer forma. E se forem integrais? E daí? O fato de o tabaco ser convencional ou orgânico afeta a sua intenção de fumar? Algo que é inerentemente ruim, como o trigo, o açúcar e o tabaco, não passa a ser bom apenas porque se apresenta em uma versão um pouco menos pior (orgânicos). E algo que é inerentemente bom, como a carne, os ovos e as saladas, não fica péssimo apenas porque não são as melhores versões disponíveis (orgânicos).

      Uma boa analogia pra ilustrar: o dinheiro que eu tenho não é suficiente para eu comprar o antibiótico de marca, apenas o similar. Então, já que o similar pode não ser tão bom quanto o de marca, eu não vou tomar remédio nenhum?? É simplesmente EVIDENTE que se você precisa, o antibiótico similar é muito melhor do que nada.

      Não deixem de ter uma alimentação saudável só porque vocês não tem acesso a produtos orgânicos ou criados a pasto e etc. Dentro das tuas possibilidades, façam as melhores escolhas: escolham comida de verdade. 🙂

      Super beijo!

      • Nilza respondeu May 09/01/2014

        Oi May, tudo bem?
        Conheci o blog do Dr. Souto por meio de comentários de uma leitora deste blog, há meses atrás.
        Acho que a leitora era você.
        Eu não me lembrava mais do nome da leitora e nunca pude agradecer a indicação.
        De toda forma, mudou minha vida para sempre. Estamos curados, eu, meu marido e minha filha.
        Fica aqui meu agradecimento (meio atrasado, mas de coração).
        Bjs,

        • May respondeu Nilza 09/01/2014

          Oi Nilza!

          Que bom poder ler suas palavras amada!
          Fico muito feliz que tenha conhecido o blog e, principalmente, que tenha conseguido cura para muitos males da tua família. Não tenho dúvidas!

          Você já faz parte do nosso grupo no Facebook?

          Deixo aqui o meu e-mail caso tenha interesse em manter contato comigo: may.ishii@hotmail.com // breakingmyownrules@gmail.com

          Super beijo!

      • Patricia Luck respondeu May 09/01/2014

        Cara May
        Concordo plenamente com você, devemos simplesmente nos ater à comida de verdade, tão orgânica e natural quanto possível.
        Porém não entendo sua postura radicalmente contra as farinhas…sei que carboidratos refinados não fazem bem, e por isso opto sempre que possível pelos alimentos integrais…você tem algo para compartilhar que me clarifique melhor essa questão?

        Obrigada e um abraço

  23. Catarina 09/01/2014

    Já uso quase todas as dicas! Desde que comecei notei uma grande diferença tanto financeira quanto na saúde aqui em casa ♥

    http://entrecaveiraserosas.blogspot.com.br/

  24. valeria Santana 09/01/2014

    Olha thaís aqui no mercado pertinho de casa as coisas, saem mais caras dque comprar nos grandes mercados, prefiro comprar td de uma vez e saber o que vou fazer e gastar no mes do que ficar comprando aos pouquinhos, verduras que compro uma vez na semana.
    Aqui no rj é assim pelo menos…

  25. Fabiola 11/01/2014

    Oi, Thais!
    Estou surpresa com o item 17. Vegetais congelados são mais saudáveis que os frescos? Eu diversas vezes compro os congelados, mas sempre com culpa, achando que estou levando algo não tão nutritivo.
    Bj,

    • Thais Godinho respondeu Fabiola 11/01/2014

      Sim, porque eles são congelados imediatamente após a colheita, enquanto os outros podem passar por várias situações até chegarem à mesa.

  26. Sarah 11/01/2014

    Thais,
    Conheci seu blog a poucos dias por acaso. Utilizo muito pouco intenet por morar em área rural e lá não tenho acesso infelizmente. Mas indo direto ao assunto, urilizo muito a minha cozinha. Na maioria das vezes o único prato que sirvo que é comprado em supermercados é o arroz o restante é produzido na fazenda onde moro. Isso não é muito legal?
    Um grande abraço!!!
    É uma grande honra ter conhecido seu blog!!!

  27. Roseane 12/01/2014

    Eu desligo a geladeira da tomada por 3 horas todo dia. Economizando na conta de luz

    • Thais Godinho respondeu Roseane 12/01/2014

      Mas isso não diminui a vida útil do aparelho? Toda vez que vc religa, dá uma carga mais forte nela porque ela tem refrigerar do zero… acaba gastando até mais.

    • Thais Godinho respondeu Roseane 13/01/2014

      Mas… quando você faz isso, diminui a vida útil do aparelho, além de gastar mais luz quando liga de volta, pois a geladeira precisa refrigerar tudo de novo. Será que compensa?

  28. Deisy Santana 14/01/2014

    Gostei do post, mas discordo que os mercados pequenos são mais baratos. Pelo menos aqui em Londrina eles são muito mais caros porque fazem suas compras em pequenas quantidades e não conseguem um preço competitivo como os mercados grandes, salvo aqueles mercadinhos que se associaram para comprar em rede.

    • May respondeu Deisy Santana 14/01/2014

      Deisy aqui onde eu moro também é assim (1h de você, rs). Mas acredito que seja coisa de interior. Na época que morei em São Paulo (capital), a diferença não é tanta como aqui! Aqui é muito assustador, mas em São Paulo é possível comprar bem em mercados de bairro, até porque, os mercados de bairro lá são grandes redes (como Extra, por exemplo) e aqui a gente só tem 1 desses em cada cidade, onde costumar ser mais barato (aqui temos Carrefour, Muffatto, Walmart).

      Mas aí em Londrina não tem feira? Aqui tem bastante! Eu aproveito e me esbaldo! 🙂

  29. Marciarissonysantos rodrigues de oliveira 16/01/2014

    eu ñ sei mas o que fazer nunca gostei muito de limpar a casa mas agora tá um horror faz quase um mês que ñ consigo limpar a casa direito é roupa por tudo que lado, banheiro sujo a maior bagunça e isso tem afetado a infância dos meus filhos pois estou muito estressada com isso tudo, eles choram eu bato é um caos só…
    Eu ñ estou aguentando mais tanta sujeira: alguem me ajuda, socorro!
    Eu vou pirar nem gosto mais da casa.

  30. Sybylla 18/01/2014

    Em casa, venho tentando convencer minha mãe de consumirmos menos carne. Não só pela questão de saúde como também de preço. Gostaria de comer mais peixes, mas nos mercados de bairro não têm. Nem fresco, nem congelado.

    O problema dos mercados locais de bairro é o preço. São gritantemente caros! Compensa mais ir no Carrefour que tem promoções e mais variedade do que comprar no mercado aqui de baixo que enfia a faca sem dó e não repõe o estoque com regularidade, o que acaba deixando legumes, frutas e verduras com um aspecto não muito apetitoso nas gôndolas.

    Gostaria muito de aprender a fazer massas, pão, mas a questão do espaço da cozinha é um saco. A pia é antiga – casa alugada – e pequena. Fez um pouquinho de volume na pia, pronto, a cozinha parece ter sido varrida pelo Furacão Katrina! rs

    Mas algumas coisas nós já mudamos. Reduzimos o consumo de carne, em especial da vermelha. Óleo só de canola ou azeite. Minha mãe adora lentilha, então é bem comum ter isso para o menu. Comemos mais saladas do que antes e minha mãe sempre reaproveita comida para um caldo ou uma sopa. Com o tempo, a gente vai encaixando as mudanças.

    Aliás, graças ao blog e às dicas valiosas da Thaís, tenho conseguido me auto-impôr algumas rotinas de organização. Já uso um caderno GTD, montei uma agenda no Google Calendar, estou me dispondo a mexer no Evernote e entendê-lo. rs

    Uma dica que eu gostaria de deixar para quem estuda, especialmente mestrado e doutorado e que precisa ter seus arquivos sempre atualizados é criar pastas compartilhadas. Em geral, o pós-graduando tem um computador em casa e outro na instituição onde estuda. Desta maneira, através do BitTorrent eu criei uma pasta no meu notebook, outro no laboratório, outro no computador da minha sala e assim mantenho meus arquivos sempre atualizados, sendo acessados de qualquer máquina. Também fiz uma pasta pra mim e para minha mãe, já que trocamos vários arquivos durante a semana e precisávamos centralizar. 😀

  31. Adriana 12/03/2014

    Minha dica de frugalidade na cozinha: tenha sempre OVOS na geladeira. São versáteis: com eles vc prepara uma tortilla com batatas, ou uma omelete de presunto e queijo (primeira receita que aprendi, com 6-7 anos!), ou só de queijo, ou com sobras, ou com algum vegetal que vc tenha congelado (brócolis, espinafre, seleta de legumes…) ou até só com cebola fatiada e refogada, fica uma delícia. Lógico que vc não vai comer isso todos os dias, mas algumas vezes por semana quebra um galho danado…

  32. catia 14/03/2014

    não lembro como cheguei ao seu blog, mas agradeço muito por tido a oportunidade de acessa-lo, foi e é muito importante para minha vida, tanto que venho fazendo algumas mudanças modestas porém importantes na minha casa, na minha vida. Acredito que seu blog tem um lado espiritual positivo, pois toda vez que acesso sinto uma tranquidade de que tudo tem um jeito, principalmente quando somos donas de casa, mae, e profissional que tem que esta antenada, isso causa muito estresse e seu blog veio de encontro com minhas dificuldades e angustias, muiiito obrigada.