ou

Depois de escrever sobre o Evernote, eu tive a estapafúrdia ideia de migrar todo o meu sistema de organização para a ferramenta, a fim de escrever um post para o blog. O problema é que resolvi fazer isso na semana mais complicada do ano para mim (organização de eventos no trabalho, véspera de viagem, planejamento das aulas, prazos com a editora vencendo), então parabéns para esta que vos fala.

O que eu posso dizer é que me baseei neste tutorial (está em inglês, mas os vídeos são bem didáticos) e fui adaptando depois às minhas necessidades. Mas o fato é que eu estou com mais de 400 itens na caixa de entrada do Evernote para processar e, bem, a vida não para, não é mesmo? Meu caderno de caixa de entrada está com seis folhas cheias de anotações só de ontem para hoje.

Dureza, Ross.

Dureza, Ross.

Então vocês podem imaginar a minha semana caótica. Tenho dedicado uma hora por dia para colocar esse projeto em ordem, mas ele é demorado. No entanto, sei que, quando estiver tudo “pronto”, a coisa vai andar de forma fantástica.

Adianto que usar o Evernote para gerenciar projetos e tarefas tem seus prós e seus contras, como toda ferramenta. O pró principal, disparado, é centralizar tudo em um só lugar. O fato de poder inserir arquivos, imagens e notas de voz dá uma liberdade incrível, além da facilidade de integrar o serviço com n outras ferramentas. Por exemplo, se estou lendo algum artigo no Feedly e quero usar na linkagem de domingo, eu já envio para a caixa de entrada do Evernote e, quando for a hora de fazer isso, eu organizo no lugar certo. O contra é que é tudo manual e, se você não tomar cuidado, pode complicar demais o processo. Seguindo o tutorial acima, digo desde já que, para mim, a principal dificuldade é de encontrar projetos quando vou tagear as tarefas. Se você vir o vídeo, vai entender sobre o que me refiro. Mas tudo é questão de hábito mesmo, e no geral acho que funciona melhor que o Toodledo.

Mudar todo um sistema de organização dá trabalho, mas é uma experiência que traz descobertas incríveis, que vão ajudando a simplificar cada vez mais o processo. Quando eu finalizar essa etapa, pretendo escrever direitinho como eu fiz.

Thais Godinho
21/08/2013
Veja mais sobre:
Projetos
36
Meu sistema GTD atual: Listas do “Ground” (Julho 2017)
Aplicando o GTD ao seu espaço físico – como começar
Como preparar uma palestra