ou

Aproveitando a série de resenhas, hoje eu gostaria de falar um pouco sobre o livro Como salvar uma hora todos os dias, do autor Michael Heppell (Ed. Gente). Ontem estava fazendo uma revisão dele para escrever o post e postei no Instagram. Como muitas pessoas quiseram saber mais sobre ele, resolvi escrever a resenha aqui no blog.

O livro

O livro

Algumas pessoas me perguntaram no outro post como eu arranjo tempo para ler tantos livros. Bem, eu sou uma pessoa meio anormal com relação a isso. Estar lendo em todos os lugares sempre foi uma característica minha, desde pequena. Perdi as contas de quantas vezes, no fim da noite, quando meu marido estava terminando de fazer um show, eu me sentava no canto do barzinho e ficava lendo até ele terminar de desmontar todos os equipamentos. Quando meu marido e eu começamos a namorar, alguns conhecidos dele me chamavam de “a garota que lê”. Eu simplesmente ando com livros para cima e para baixo e nunca perco uma oportunidade de ler alguma coisa, nem que seja uma única página. Pode parecer pouco, mas isso faz uma grande diferença na minha leitura no dia a dia. O livro deste post, por exemplo, eu li em menos de duas horas. Mas eu não li atualmente, e sim há alguns meses, assim como o dos 7 Hábitos. É que resolvi escrever a resenha de todos eles no mesmo momento. =)

Eu o comprei em uma das inúmeras viagens a trabalho que faço, vagando pelo aeroporto. Não gosto de comprar livros nos aeroportos porque são sempre muito mais caros (um abraço, laselva!). Eu paguei cerca de R$35,00 nesse livro, sabendo que com certeza o encontraria por R$19,90 ou até R$25,00 no máximo na loja mais próxima. De qualquer forma, o título me chamou atenção, por causa do blog, e resolvi comprá-lo para encarar 1:10 de Brasília até Campinas, há alguns meses. Eu o li durante o vôo e mais um pouquinho no dia seguinte. É uma leitura bem rápida e gostosa, e é um livro que eu recomendo.

Por quê? Bem, justamente por ser uma leitura rápida. O autor é cheio de coisas engraçadinhas, tipo terminar um capítulo com um suspense para você começar logo o próximo (bem, funcionou comigo, não é?) ou coisas tipo “se você não gostar desse livro, me envie de volta e eu te reembolsarei” etc. Mas o livro tem conceitos bacanas e outros nem tanto. Vou comentá-los.

Pontos bons

  • Ele é extremamente prático e parece ter horror a qualquer coisa que complique a vida (o que é ótimo quando estamos tentando encontrar um método de organização);
  • O livro tem pequenos relógios no canto de cada página, para você anotar quanto tempo acha que pode economizar com cada dica que ele dá;
  • Ele sabe que quem quer se organizar são pessoas que NÃO SABEM se organizar. Pode parecer óbvio, mas muitas pessoas que escrevem sobre organização pecam muito nisso;
  • Ele mostra reais motivos para economizar 1h por dia (ler mais, descansar, ouvir música, dormir, encontrar amigos, entre muitas outras);
  • O conceito de blocos de tempo, o que me lembrou muito a técnica Pomodoro;
  • Ele é totalmente a favor do destralhamento da vida, da casa, do escritório e do universo em expansão;
  • O livro é cheio de dicas preciosas, rápidas e práticas para ganhar mais tempo no dia a dia, como providências para você tomar agora no seu computador, por exemplo;
  • Tem mais de um capítulo dedicado à arte de dominar a procrastinação;
  • Ele diz que, em vez de dizermos “precisamos fazer”, devemos dizer “devemos fazer”. Isso gera um compromisso maior – e eu concordo;
  • Tem um capítulo inteiro com dicas para lidar com distrações, como redes sociais;
  • Ele defende reuniões rápidas e em pé, conceito com o qual simpatizo muito e procuro aplicar no meu trabalho;
  • De fato, o que mais me chamou atenção foram as dicas pontuais e práticas, que podem ser aplicadas agora mesmo, seja em casa, seja no trabalho.
comolidarcomdistracoes

Um pedaço do trecho sobre redes sociais

Pontos não tão bons

  • Ele defende registros de atividades em blocos de tempo de 15 minutos. Apesar de saber que podemos fazer muita coisa em 15 minutos, acho que isso gera muita ansiedade se ficarmos controlando;
  • Ele defende que a gente tome decisões por impulso. Apesar de entender o conceito, acho perigoso, por experiência própria… Acho que, para algumas coisas, vale a pena refletir um pouco melhor, mesmo que leve mais tempo;
  • Ele defende a ideia da priorização diária como se fosse a melhor ideia do universo, sendo que, como já comentei anteriormente, isso gera o problema de você trabalhar sempre em cima do que é urgente, somente;
  • O capítulo sobre delegação de tarefas é bem fraquinho;
  • Ele tem um capítulo inteiro para explicar como categorizar as tarefas em dias diferentes, que é uma coisa que não faz sentido para mim e jamais recomendaria (mas pode funcionar para outras pessoas).

No final das contas, há mais pontos positivos do que negativos. Se alguém me perguntasse se vale a pena comprar esse livro, eu diria que sim. Mas ele é uma leitura rápida, com dicas pontuais, e não um manual de organização. Uma boa leitura para uma viagem curtinha mesmo, ou para degustar na noite de domingo.

Se dá para “salvar” uma hora todos os dias com as dicas dadas no livro? Certamente que sim, e muito mais. O livro cumpre o que promete, somente se você também cumprir. ;D

Mais alguém já leu esse livro? O que achou?

Thais Godinho
12/08/2013
Veja mais sobre:
18
Inspiração: Martha Stewart
Depoimentos dos leitores {1}
Rapidinhas: home-office minimalista

Acho que é preocupação de toda mãe proteger seus filhos contra as bactérias, especialmente quando são bebês. Quando meu filho era pequeno, eu tomava algumas precauções básicas com relação à higiene pessoal e dos objetos – especialmente brinquedos que ele manuseava. Mesmo assim, a preocupação era grande, pois eu sabia que não tinha nenhum produto no mercado que fosse muito eficiente.

Os brinquedos são laváveis, em sua maioria, e devem ser higienizados com frequência a fim de garantir a saúde e segurança do bebê. A melhor maneira de fazer essa higienização é limpar a superfície com um pano limpo umedecido com álcool, e era assim que eu fazia. Itens menores, como chupetas, podem ser colocados de molho em uma mistura de água morna com detergente e em seguida lavados em água corrente. Você também pode ter um esterilizador de chupetas, muito útil para viagens. Eu tinha um aquecedor de mamadeiras que fervia a água rapidamente, e também usava para esterilizar as chupetas.

O problema das bactérias é que elas são micro-organismos que se proliferam com facilidade e nem sempre conseguimos nos livrar delas completamente. Portanto, higienizar brinquedos e outros objetos que entram em contato com o bebê é o mínimo do mínimo que a gente pode fazer. Cuidar da higiene é cuidar da saúde, e com bebês esse cuidado é fundamental.

Não existe uma frequência correta para fazer essa higienização. Quando meu filho era bebê, eu costumava esterilizar alguns objetos todos os dias, como chupetas. Brinquedos de banho, por exemplo, eu higienizava somente uma vez por semana.

Utilizar álcool bactericida é uma forma de garantir a proteção de crianças pequenas contra contaminações

Cooperalcool Bacfree

O Coperalcool Bacfree, da CNA – Companhia Nacional de Álcool, garante a eliminação de 99,9% das bactérias onde o álcool for aplicado. Dessa forma, você pode higienizar de modo eficaz os objetos que fazem parte do universo do bebê.

Importante: o Coperalcool Bacfree também é testado dermatologicamente. Ou seja, nada de fazer mal para a pele. A fórmula do álcool consegue exterminar os micro-organismos e, assim, proteger aqueles que entram em contato com ele. Ele também tem tampa de proteção para crianças.

A diferença do Coperalcool Bacfree para o álcool comum

Boa parte das pessoas acredita que qualquer álcool consegue fazer o trabalho de eliminação de bactérias. Eu mesma, sempre usei álcool para limpar os brinquedos do nosso filho. No entanto, esta higienização completa não é feita pelos produtos comuns. Apenas o Coperalcool Bacfree possui em sua fórmula um agente bactericida, que extermina 99,999999% das bactérias onde for aplicado. Isso é bastante. Na verdade, o álcool convencional apenas “aquece” as bactérias, ou seja, não as elimina e mantém os usuários em perigo de contaminação. +_+

Outro fator positivo do Coperalcool Bacfree é o aroma. Quem o utiliza não precisa deixar a casa ou o apartamento com o famoso cheiro de limpeza. A linha de álcool líquido da CNA possui três aromas especiais e exclusivos: lavanda oriental, mimo (perfume de bebê) e eucalipto.

Eu recebi o contato do pessoal da Coperalcool Bacfree e achei importante divulgar a linha de produtos deles aqui no blog, pois bem que eu gostaria de tê-los conhecido quando meu filho era menor. De qualquer forma, já é um produto que está na minha wishlist para trazer para casa. Eu sempre limpo os brinquedos de plástico e borracha do meu filho com álcool, mas sei que não é o suficiente. Se ele fosse bebê ainda, eu sequer pensaria duas vezes.

Este post é um publieditorial. Entenda como funciona.

Thais Godinho
12/08/2013
Veja mais sobre:
14
Como foi: Curso de organização de arquivos com Tadeu Motta em SP
Aumentar ou melhorar a produtividade? Pressa ou velocidade?