ou

Quando eu escrevi pela primeira vez aqui no blog sobre o meu método de estudo e como eu estudo através de ciclos, muitas pessoas me perguntaram “mas Thais, o que você está estudando?”. E às vezes eu esqueço de escrever algumas informações básicas aqui no blog, mas vocês sempre me lembram. =) Então eu agradeço por isso.

Nos últimos dias, eu tenho desenvolvido um vício que é baixar amostras de e-books na loja do Kindle sobre determinados temas que tenham me interessado no momento. Hoje eu estava pesquisando sobre livros que ensinam técnicas de estudo ou organização dos estudos, e tive a ideia de escrever um post sobre a coisa de estudar a vida inteira.

Eu sou aquele tipo de pessoa que está sempre lendo diversos livros ao mesmo tempo. Sempre fui assim, desde nova. Sabe quando as crianças ficam malucas ao passar em frente a uma loja de brinquedos no shopping, e os pais ficam tentando persuadí-las a não entrar, aquela comoção toda? A minha avó costuma dizer que eu era assim para livrarias. Para falar a verdade, sou assim até hoje. Quando estamos passeando pelo shopping e eu sugiro para o meu marido “vamos entrar na Cultura?” ele até suspira profundamente, porque sabe que isso significa passar um booom tempo ali. No geral, eu prefiro ir sozinha, porque curto tanto a experiência em si, o fato de estar ali, que não quero incomodar mesmo quem está comigo. Uma das coisas que eu mais gosto de fazer quando vou para São Paulo é tirar a manhã de sábado para visitar TODOS os sebos (lojas de livros usados) no bairro de Pinheiros. Eu até me seguro para não comprar muitos livros, mas adoro passar os dedos sobre as lombadas e ver cada título que tem ali, curtir o cheiro de papel antigo, ver como organizam as categorias etc. É o meu hobby!

Conhecendo esse contexto, talvez você entenda melhor o que eu vou dizer em seguida.

Eu não consigo imaginar a minha vida sem estar estudando para um assunto qualquer. Um bom exemplo, bastante atual: quando eu mudei de emprego pela última vez, há quase dois anos, eu entrei para uma área profissional totalmente diferente da minha, o que eu considerei um grande desafio, pois eu tinha praticamente TUDO a aprender. Por isso, precisei me organizar para estudar sobre todos os assuntos relacionados à área, e até hoje estudo a respeito, pois preciso combinar esse estudo com todas as outras atividades da minha vida, então leva tempo. Em paralelo, tenho a minha profissão de publicitária, que trabalha em conjunto com o meu cargo atual. Assim, eu preciso me manter atualizada com relação a marketing digital, conteúdo online, nova ortografia, mídias sociais, enfim, tudo. Além disso, eu tenho o blog, que me demanda pesquisa constante, então vivo lendo e pesquisando sobre casa, decoração, organização, gestão do tempo, artesanato, minimalismo – a lista quase não tem fim. Também estudo bastante sobre a educação do meu filho, por exemplo, e as fases da vida dele. Até bem pouco tempo atrás eu estava produzindo o meu trabalho de conclusão de curso da pós, o que demandava muita leitura e pesquisa. Em algum tempo, vou começar a lecionar, então estou lendo muita bibliografia no momento para montar o plano de ensino e planejar as aulas.

Só isso que eu citei acima já seria o suficiente para demonstrar “o que eu estudo” através dos ciclos, mas aí eu sequer estou contando com as coisas que eu estudo por hobby, como História, Filosofia, Antropologia, o que infelizmente acabo fazendo só quando sobra algum tempinho.

Continuando o exemplo sobre a vida profissional, nós podemos estar sempre estudando da seguinte forma:

  • Quando estamos pensando na faculdade que faremos, precisamos estudar para o vestibular;
  • Depois de entrar na faculdade, precisamos estudar todas as disciplinas;
  • Quando começamos a trabalhar, precisamos estudar tudo relacionado ao nosso trabalho, especialmente se você estiver trabalhando em uma área muito específica (como é o meu caso). Exemplo: um jornalista que vai trabalhar em uma revista sobre carros. Ele precisa entender MUITO sobre o assunto, porque só saber sobre Jornalismo não basta;
  • Quando fizermos uma pós-graduação, mestrado ou doutorado, mais estudos;
  • Quando fizermos um curso de extensão, estudamos mais;
  • Se queremos montar um blog para expôr nosso trabalho, precisamos estudar a respeito;
  • Se alguém te convida para dar uma palestra sobre a sua área de atuação, você precisa estudar para preparar essa palestra, além de pesquisar também sobre técnicas de falar em público, todas essas coisas;
  • Se você fizer um curso de idiomas, precisa estudar;
  • Etc.

A lista é infinita, e eu citei o exemplo de apenas uma área da vida, que é a profissional. Todos nós temos diversas áreas de atuação na vida, então assunto para estudar não falta. Se você estiver grávida, pode querer ler diversos livros sobre gravidez. Se estiver indo viajar, vai querer pesquisar a respeito. Se começar um novo hobby, pode querer estudar as melhores técnicas.

Nem todo mundo faz isso. Acho que vai muito da personalidade de cada pessoa. Eu sou assim – portanto, não consigo imaginar a minha vida sem estar estudando sobre assuntos diversos. Sou uma eterna curiosa e gosto de saber muito sobre um assunto quando estou lidando com ele.

O que eu mais gosto com relação a estudar é que me dá motivação para viver. Pode parecer exagero, mas muitas vezes não vemos sentido na vida até nos empolgarmos com uma atividade nova que nos faz querer saber mais sobre ela, ler, entender, pesquisar. Falei da minha avó lá no começo, e tenho um exemplo para dar falando mais uma vez sobre ela. Quando ela tinha por volta de 40 anos, ou seja, com a “vida feita” de acordo com o senso comum, ela se separou do meu avô e, depois de um tempo sem saber direito o que fazer, ela resolveu cursar a faculdade de Direito, um sonho antigo que nunca tinha realizado porque antigamente a mulher largava tudo quando casava para se dedicar ao marido e aos filhos (e foi o que ela tinha feito). Resumindo, ela fez a faculdade e isso transformou a vida dela. Chegou a ser professora de Direito algum tempo e conseguiu um trabalho que sustentou toda a família até o ano passado, quando ela se aposentou. Meu pai era autônomo e teve câncer. Se não fosse pelo trabalho da minha avó, ele não teria onde morar e o que comer. Toda vez que penso nessa história eu fico pensando na minha responsabilidade como mãe e sinto um orgulho imenso da minha avó por ter dado a volta por cima e construído sua vida quando muitas pessoas já tinham desistido. Por isso eu acredito sim que estudar é importante e que nos revigora, de uma forma ou de outra, e que nunca, nunca mesmo, é tarde para começar o que quer que seja.

Nunca uma pessoa que goste de estudar e utilize isso com determinado foco vai ficar na mão na vida. Você pode estudar para um concurso público, por exemplo, e ter a vida tranquila em termos profissionais para o resto da vida. Ou pode ter uma ideia genial que fará de você um milionário. Ou simplesmente te dará combustível mental para seguir adiante em uma vida considerada sem-graça em termos práticos. Tive um amigo que não tinha nada, absolutamente nada, e vivia uma vida extremamente simples. A única coisa que importava para ele eram os seus livros. Os livros salvam a gente, porque nosso órgão mais importante é a mente.

Enquanto eu puder estudar, eu estou viva. Então sim, eu acredito que estudar é algo que a gente faz a vida inteira. Mesmo que não estejamos formalmente estudando – matriculados em uma universidade ou fazendo um curso, por exemplo -, assunto para estudar é o que não falta. Para tanto, basta começar!

Thais Godinho
19/02/2013
Veja mais sobre:
82
Mães que trabalham fora
Uma tarefa por dia
Como tornar as segundas-feiras mais legais

Nesse mês de volta às aulas, recebi muitos pedidos de mães e pais para postar sobre o lanche das crianças. Para fazer isso com uma certa autoridade, eu conversei com uma amiga minha nutricionista, que elaborou o excelente texto abaixo, que compartilho com vocês.

O nome dela é Roberta Medeiros e seu telefone para contato e atendimentos é:
(11) 99377-9144.

Todos sabem dos benefícios de uma alimentação saudável, mas poucos ingerem os alimentos recomendados. Devemos o quanto antes adquirir hábitos saudáveis para que no futuro sejamos adultos saudáveis. Problemas cardíacos e outras patologias estão acometendo cada vez mais jovens e crianças .

A criança não deve ficar muito tempo sem se alimentar entre as refeições, ou não se alimentar adequadamente, pois ela pode perder peso, ter cansaço e até sentir totura atrapalhando o aprendizado. O ideál é se alimentar de três em três horas

Alimentos gordurosos, como coxinha, risoles e outras frituras,refrigerantes e alimentos que estragam fácil (e fazem muito mal) não devem estar na lancheira. Evitar também chicletes, chocolate em excesso e balas.

Além da lancheira térmica existe outra forma de manter o lanche sempre fresquinho: pode-se usar o papel alumínio para embalar lanches e frutas. Outra dica é preparar o lanche logo cedo, pouco tempo antes de a criança sair.

Quanto mais completo o lanche mais saudável e de qualidade será a refeição. É necessário ter na lancheira alimentos de todos os grupos: energéticos, reguladores e construtores. Energéticos são os pães, bolachas, barrinha de cereal, entre outros. Reguladores são as frutas e sucos; e construtores são os leites e derivados, requeijão, manteiga, presunto, peito de peru.

A lancheira pode conter:

  • Pães integrais (pode alternar os pães integrais com bisnaguinhas, pão círio, pães de leite e torradas, mas devemos preferir os pães mais saudáveis). Para rechear os pães devemos preferir queijo branco, manteiga, requeijão e peito de peru ou presunto magro, observando sempre a data de validade pois são muito perecíveis;
  • Bolos simples caseiros;
  • Sucos naturais ou de caixinha (néctar);
  • Conservação dos sucos: as vitaminas da frutas, em especial a vitamina C, sofre oxidação em contato com o oxigênio e vai perdendo sua eficiência. A perda ocorre aproximadamente após 4 horas de exposição (suco pronto). Mesmo com essa perda podemos utilizar outras frutas na lancheira e em forma de suco como por exemplo suco de acerola, abacaxi, maracujá e melão, pois estas sofrem menos o efeito da oxidação;
  • Água de coco;
  • Achocolatado;
  • Iogurtes naturais ou danoninho (só não devem ficar muito tempo sem consumir, então o ideal é consumir o quanto antes);
  • Biscoitos de preferência sem recheio, como por exemplo bolachas água e sal com geléia (sem adição de açúcar é melhor);
  • Bolacha maisena com requeijão;
  • Frutas cortadas em cubos pequenos (não são todas as frutas que ficam boas quando descascadas. A maioria delas perde vitaminas e ficam escuras. O kiwi, não. Apesar de perder um pouco de vitamina C até a hora do intervalo, ele tem fibras e outros nutrientes). Uma boa dica de frutas são as que não escurecem como mamão, melancia, melão, morango. Outra boa pedida também são as saladas de frutas.
  • Uma boa opção são as cenouras aperitivo (especiais para lanche);
  • Polenguinhos;
  • Tomate cereja;
  • Ovos de codorna.

Como armazenar

Lanches devem ser embalados em papel filme e leites e os sucos, armazenados em garrafas térmicas.

Outra boa dica é armazenar os sucos em garrafas bem vedadas e escuras, de preferência pequenas, pois ocorre menos oxidação.

Higiene

É importante também fazer todo dia a higienização da lancheira com álcool e água e sabão.

Sugestão de lanches saudáveis para a semana inteira

É muito importante o consumo de legumes, verduras e frutas e devemos evitar açúcar, gorduras saturadas e excesso de sal presentes nos alimentos industrializados. De certo há praticitade nos alimentos industrializados, mas devemos evita-los para ter uma vida saudável no futuro. Então, seguem sugestões e dicas de lanches saudaveis para os pequeninos:

Segunda-feira

1 caixinha de suco de soja (200 ml)
1 bisnaguinha com manteiga
1 fruta em cubinhos

Terça-feira

Suco natural de laranja
1 sanduíche de pão integral com 1 colher de sobremesa rasa de requeijão

Quarta-feira

3 bolachas água e sal com geléia de morango
1 unidade de queijo tipo Polenguinho
1 banana
Leite fermentado

Quinta-feira

Iogurte integral
1 barrinha de cereais
Mini cenouras

Sexta-feira

1 fatia pequena de bolo caseiro e simples
Água de coco
Melancia fatiada

Sugestão 2

Segunda-feira

1 pote de salada de frutas
Bolacha maisena com requeijão

Terça-feira

Suco natural de maracujá
1 fatia de bolo caseiro

Quarta-feira

2 torradas com geléia
Tomate cereja
Leite fermentado

Quinta-feira

Achocolatado
Pão de forma com queijo branco
Melão cortado em cubinhos

Sexta-feira

Iogurte
Pão de miho
Cenoura fatiada

E então, gostaram das sugestões da Roberta? Eu adorei! Na escola do meu filho, eles que fornecem o lanche, então eu não preciso me preocupar com isso, pois eles já utilizam alimentos mais saudáveis. No entanto, para quem não tem essa opção, ficam as dicas da nutricionista e sugestões para duas semanas de lanches. Não tem como os pequenos não gostarem!

Nutricionista: Roberta Medeiros
Telefone para contato: (11) 99377-9144

Thais Godinho
19/02/2013
Veja mais sobre:
47
Delegar tarefas é uma coisa boa
10 dicas para transformar o seu quarto
Como proteger bebês da ação das bactérias