ou

Essa notícia é do ano passado, mas eu quis postá-la hoje para incentivar quem fez os últimos dias de provas de vestibular e pensa em desistir, caso não tenha ido tão bem. Recomendo a leitura a todos, mesmo para quem não seja vestibulando, pois traz grandes passagens sobre disciplina, persistência e superação.

‘Sensação de alívio’, diz aprovada em medicina após 12 anos de tentativas

Nágela Pinto passou em 18º lugar em medicina no vestibular da Uece. A paixão por medicina veio após uma doença neurológica.

Após prestar vestibular por 12 anos para medicina, Nágela Pinto Machado comemorou na noite desta terça-feira (24) a aprovação em 18º lugar no curso na Universidade Estadual do Ceará (Uece). “Sensação de alívio, de tirar um peso das costas. Sensação de paz”, afirma a agora caloura que garante não ter passado antes por falta de tempo para estudar.

Ela disse que ainda não parou para pensar nas mudanças que terá daqui para frente na vida, depois de sonhar tanto tempo em estudar o que gosta. “Vou comemorar, não sei nem como. Estou sem saber o que fazer”, afirma.

Nágela, de 35 anos, concluiu o ensino médio em 1991, mas a vocação para a medicina só foi descoberta após uma doença neurológica. “Tive um problema de saúde e me apaixonei por medicina”. Por várias vezes, ela fez vestibular para outros cursos, como administração, pedagogia, letras e direito. Passava sempre entre os primeiros lugares, afirma, mas acabava desistindo. “Não me matriculava para não tirar a vaga de outra pessoa que realmente queria”, explica.

Nágela atualmente é servidora da Universidade Federal do Ceará (UFC) onde dá expediente das 16h às 22h, na coordenação do curso de Secretariado Executivo. “Dormia normal porque senão o rendimento caía. Mas eu estudava sempre que tinha uma hora vaga, à noite, no horário de almoço”.

Até conseguir realizar o sonho, a rotina foi puxada: acordava às 5h30, fazia curso pré-universitário pela manhã e continuava a estudar até a hora de ir para o trabalho. “Quando chegava à noite ainda dava uma olhada nos livros, revisava alguma coisa. Eu ficava no colégio e ia direto para o trabalho”, recorda. Nos fins de semana, o passatempo era na biblioteca da escola. “Até dia de domingo eu vinha para a biblioteca”, diz.

Fonte: G1

Fica a motivação para você que tem dificuldades para estudar para vestibulares e concursos. Bom dia!

Thais Godinho
09/01/2013
Veja mais sobre:
13
Como organizar: Lista de tarefas só para a faculdade
Estudar a vida inteira: o que isso significa?
13 maneiras rápidas de simplificar o seu dia de trabalho

 

  1. Vanessa Rosa 09/01/2013

    Gostei muito! Tenho 30 anos e ultimamente fico pensando que eu acho que demorei muito pra começar da profissão que queria e que não tenho praticamente nenhum patrimônio, só meu carro, e que só a partir de agora vou começar a ter rendimentos suficientes pra investir, comprar um imóvel, essas coisas. E ver o exemplo dessa moça foi muito bom, tanto pela persistência dela como por ver que nunca é tarde pra buscar e lutar pelo que queremos. Bjos!

  2. Pri 09/01/2013

    Levei 11 anos para entrar em medicina e agora estou indo para oterceiro ano. Realmente vale a pena insistir no que se sonha porque a sensação de felicidade, depois, é indescritível. E a única maneira de não conseguir alcançar um desejo é desistindo. 🙂

  3. Natalice 09/01/2013

    Olá Thais.

    Desculpe, mas eu realmente não me lembro se você mencionou em alguma postagem a importância da definição dos papeis em nossa vida. Bom… importância que eu dou. Você também visualiza a vida e seus projetos com a definição desses papeis? Como mãe, concursanda, blogueira etc… Como vê essa definição? Acha importante? Ou não divide tarefas entre os papeis, mas de acordo com as necessidades.

    Adoro seus textos!

  4. Rosangela 09/01/2013

    Thais,

    Lendo essa reportagem me fez comentar o que ocorreu com a minha filha…ela entrou para a UNIFESP pelo SISU e olha que foi na 7º chamada, e essa vitória dela se deve ao fato de ela ter ido muito bem na redação, tirou 85 isso porque ela le muito e na epóca da preparação leu todos os livros de Fuvest.

    Sem esforço não alcançamos nada.

  5. Rosangela 09/01/2013

    Thais,

    Te convido para visitar o meu cantinho.

    abraços

  6. Rafael Danigno 09/01/2013

    12 anos! Incrível… Tenho um amigo que levou 7 anos para passar, não imaginava que tinha casos mais extremos. Essa é a real prova de que sonhos trazem disciplina.

  7. Julia 10/01/2013

    Acabei de criar um blog, adorei seu trabalho e já criei um post sobre organização, continue assim, me ajudou muito.

    Att,
    Julia.

  8. Renata Souza 11/01/2013

    Olá Thais, muito legal essa dica, eu também compartilho que acreditar nos sonhos e ter persistência vale a pena, em 1997 tive que trancar a faculdade no penúltimo ano por falta de condições financeiras, sempre tive vontade de estudar, mas por falta de condições fui obrigada a dar um tempo, esperei 14 anos para conseguir retomar os estudos, no ano de 2011 surgiu a oportunidade de fazer um curso superior a distância, mas por ter dois filhos pequenos, achei que valeria o esforço, estou no último semestre, fazendo um curso que gosto, e estou muito feliz, o curso exige muito mais do que um curso presencial, mas com a ajuda da organização estou realizando um sonho, economizando transporte, babá e o tempo que não perco no trânsito, ganho aprendendo.
    Gostaria de deixar essa dica para muitas pessoas que tem vontade de retornar, mas tem filhos, ou moram distantes…não desistam dos seus sonhos…vale a pena o esforço.
    abçs

  9. ana 11/01/2013

    Levei 4 anos para passar pro vestibular para farmácia em universidade pública. Isso porque tenho depressão, o que altera minha concentração e rendimento no estudo. Vivia um inferno na minha vida, mas sempre acreditei em dias melhores. Chorava, dormia, estudava e comia (por obrigação). Eu tinha a certeza que não ia conseguir, mas só me restava estudar. Cheguei até pensar em me matar, mas como tinha esperança de melhora, continuei lutando. A faculdade também foi muito difícil p mim. Me esforçava muito e mesmo assim reprovava. Tive que mudar de cidade p estudar e isso dificultou mais as coisas. Estudava achando que não ia conseguir me formar. No meio da faculdade percebi que não era farmácia que eu queria. Mas eu lutei demais pra desistir no meio do caminho. Me formei e trabalho na área por enquanto. Comecei um curso de pintura (minha paixão) e estou melhorando a cada dia. Tenho esperança de um dia trabalhar na área de artes. É um sonho maior do que eu. Acredito que vou conseguir. Hoje faço tratamento para depressão e estou bem. Apesar de tudo, valeu muito apena

  10. Lia 15/01/2013

    Adorei ler este texto…eu demorei mto para descobrir o que queria ser quando crescesse. Fiz uma faculdade, comecei outra e estou na terceira. Aos 30 anos ainda sou estudante e estagiária. Às vezes me entristeço ao ver amigas da minha idade que já possuem grana para viagens e bens de consumo, mas aí me dou conta que tenho a sorte de poder estar aos 30 anos ainda estudando e procurando chegar onde realmente quero. Teu blog é inspirador. Vim aqui hoje porque estou sem concentração alguma pro meu TCC e queria me distrair com algo instrutivo 🙂

  11. Helena 30/01/2013

    Tive que abandonar o sonho de fazer uma universidade pública no curso que eu realmente queria porque não conseguia bancar um cursinho e queria um curso muito concorrido… daqueles que não basta estudar, tem que *viver* pra passar nele. Admiro quem consegue, ao mesmo tempo que acho que não devia ser tão difícil assim estudar 🙁 Um país que dificulta o acesso ao estudo não tem um bom futuro.

    • Thais Godinho respondeu Helena 31/01/2013

      Nunca desista dos seus sonhos, Helena.