ou

É muito comum ler por aí artigos como “27 mil maneiras de aumentar sua podutividade”. Depois vem uma matéria como “saiba trabalhar seu lado zen para não ficar estafado” e ninguém se entende nesse círculo vicioso.

Fazer hora extra e trabalhar até tarde já deixou faz tempo de ser sinônimo de dedicação e produtividade. Pelo contrário – pessoas que trabalham muito além do seu horário frequentemente são vistas como desorganizadas, porque não conseguem dar conta de suas tarefas no tempo previsto. Aqui também entra a questão do equilíbrio pessoal x profissional – se um funcionário fica até tarde, ele terá tempo para descansar? Estudar? Ficar com a família? Se dedicar a projetos pessoais? Claro que não.

Por isso, sempre que ler algum artigo com dicas para aumentar a sua produtividade, tente ver com outros olhos – analise se há dicas para melhorar seu rendimento ou simplesmente para aumentar a sua carga de trabalho. Porque uma coisa é ser produtivo nas suas oito horas diárias – outra totalmente diferente é trabalhar como um louco sem saber otimizar o seu tempo, deixando tarefas pendentes e sem amarras porque começa uma sem terminar a outra – trabalha, enfim, em cima da urgência, não da importância. Planejamento? Objetivos estratégicos? Onde ficam nesse caos do dia-a-dia?

Essa semana eu li uma entrevista MUITO boa no site da revista Você S/A (recomendo) e gostaria de copiar os meus trechos preferidos aqui, pois tem tudo a ver com esse raciocínio:

“Ficou comum mudar tudo na última hora. Ninguém mais parece achar isso estranho, ou falta de planejamento. Aí, as empresas começaram a confundir pressa com velocidade. Pressa é para quem está atrasado. A urgência, no hospital, é para quem deixou a coisa chegar no limite, mas as empresas estão vivendo assim, como se estivessem no limite o tempo todo, e põem em risco sua estratégia. Em alguns casos, nem mesmo traçam essa estratégia, pois estão engolidas pela urgência.”

“A tecnologia da informação fez crescer a cobrança por desempenho e resultados no menor tempo possível. É como se tudo tivesse de ser feito em tempo real. Mas isso também aumenta a ocorrência de erros estratégicos e, consequentemente, dos custos qualitativos e psicológicos.”

“As empresas duradouras, que sonham com a continuidade, têm velocidade, e não pressa. Elas constroem relações éticas, que têm a ver com o passado, e senso de prosperidade, que está ligado ao futuro.”

“É tudo no curto prazo e o que a empresa queria para daqui a dez anos se perdeu diante das mudanças do dia a dia.”

Vale a leitura. Fica também a reflexão para hoje.

Thais Godinho
14/09/2012
Veja mais sobre:
7
Checklist anual
Os meus filmes preferidos que incentivam a ir atrás dos sonhos
Como declarar o imposto de renda