Por mim, eu faria tudo online. Não sei se é por ter morado em São Paulo e saber que é impossível cruzar a cidade depois do trabalho para chegar a qualquer lugar no horário da aula ou também por já ter trabalhado em instituições que ministravam cursos online, mas sou altamente a favor de todos os cursos pela Internet. Por outro lado, tirando todo o background teórico e gramatical, nunca achei que os cursos de inglês presenciais preparassem um aluno para o mercado de trabalho, que exige fluência oral e escrita, mesmo que mínima.

Sempre fui autodidata – com inglês também. Aprendi bem pouco na escola, tentei começar dois ou três cursos quando era adolescente, mas sempre saí pois não tinha motivação. Então, sozinha, estudava gramática, lia livros e artigos em inglês, traduzia as músicas etc. Isso tudo foi me dando uma noção maior que qualquer escola, então eu tinha desistido de fazer algum curso novamente.

Esse ano, no entanto, eu quis aproveitar a oportunidade de bolsa-idiomas que o meu trabalho fornece e fazer um curso de inglês. Minha ideia era fazer um curso de conversação e estudar gramática em paralelo, além de continuar minhas leituras e outros exercícios. Depois de pesquisar em escolas tradicionais e desistir de todas elas, acabei chegando ao curso online da Open English, que é o que eu estou fazendo. Sei que existem outros, como o English Town, mas tive uma ótima impressão com o atendimento da OE e acabei fazendo com eles.

Apenas para explicar para quem nunca fez um curso de inglês online, funciona mais ou menos assim: todos os dias, há um tema. Por exemplo: reuniões de trabalho. Aí todas as atividades giram em torno desse tema. Há aulas online durante o dia todo para os níveis básico, intermediário e avançado. Para essas aulas, você pode baixar a apostila antes e dar uma estudada para fazer a aula já preparado. Você também tem acesso a um banco de vídeos, jogos, apostilas etc sobre esse e outros temas, e pode estudar quando quiser.

A aula é puramente sobre conversação, apesar de os professores tirarem dúvidas diversas sobre gramática, se solicitado. O foco é na pronúncia mesmo. Enfim, era o que eu estava precisando. No final, o professor indica as lições mais adequadas para cada aluno, de acordo com o que ele observou em sala. As aulas são ao vivo com professores do mundo inteiro, mas a maioria vive nos Estados Unidos ou em outros países da América do Sul.

Para vocês terem uma ideia, eu, que já escrevo razoavelmente em inglês e consigo conversar normalmente em uma reunião de trabalho com algum cliente americano, por exemplo, nunca fui além do nível intermediário nas aulas ao vivo. Isso me deu uma noção do meu nível de verdade. Porque uma coisa é saber conversar e tudo o mais, outra totalmente diferente é saber realmente argumentar sobre temas diversos, por causa do vocabulário. E isso que é o legal dessa coisa dos temas: todos os dias você tem um tema diverso justamente para conhecer o vocabulário, seja sobre animais da fazenda ou discutir sobre o tempo.

Como eu me organizo

É claro que, para cursar inglês online, você precisa ter uma boa dose de disciplina porque, se você deixar, acaba não estudando nada. Você configura determinadas metas para você durante a semana e o site vai mostrando a sua evolução. Eu iniciei com uma meta de 5h semanais de estudos, mas diminuí para 4h, o que considero o meu ideal, em meio à minha rotina. Então eu faço assim:

Toda segunda eu pego a programação da semana (dos temas) para ver quais me interessam. Geralmente eu sempre me interesso por pelo menos três temas, então anoto na minha agenda as aulas nos dias da semana correlatos. Suponhamos que eu queira fazer a aula da terça, da quarta e do sábado. Ok. O que eu vou fazer é estudar as lições de arquivo deles nos dias em que eu não fizer aulas.

A flexibilidade de horário é a melhor coisa de se fazer inglês online. Geralmente eu acordo mais cedo e faço a aula antes de o nosso filho acordar, mas muitas vezes eu faço a aula de noite, por volta das 21h (horário em que ele já foi dormir). Muitas vezes aproveito quando viajo a trabalho para estudar de noite, até mesmo no aeroporto, e na casa da minha avó, quando vou para lá aos finais de semana. Então é bem tranquilo cumprir as metas e estudar.

Quando o tema é difícil, eu faço a aula do nível básico e, na sequência, a do intermediário. Estudo a apostila antes e, depois, faço os exercícios do nível avançado para treinar a minha escrita. Também tenho alguns livros de gramática em casa e procuro estudar um capítulo (pelo menos) uma vez por semana, geralmente para tirar dúvidas que eu tenha tido durante a semana com alguma regrinha específica.

Para quem eu recomendo

Recomendo as aulas de inglês online para quem já tem uma noção mínima e precisa aprender para obter fluência, seja para viajar ou para o trabalho. Não recomendo para quem precisa aprender gramática primeiro, como vestibulandos ou pessoas que nunca estudaram inglês.

34 Comentários

  1. Thais, visitei seu blog por sugestão da Ju do Batom de Clarice. Gostei muito das suas dicas. Estou realmente em dúvida em continuar fazendo um curso de inglês presencial já que acho que progrido muito pouco. Vc achou que com o curso online seu aprendizado melhorou? Os preços dos cursos online são mais em conta? Beijos. Virei fã do seu blog.

  2. OI Thaís. Que coincidência , estou procurando por aula de inglês on line e me interessei pela Open English. Obrigada pelas informações.

  3. Nossa, adorei a dica! Também sempre fui auto-didata em inglês (minha história é bem parecida com a sua nesse ponto, hehehe!), fiz alguns testes recentemente e já estou em nível intermediário, mas preciso mesmo de um reforço em pronúncia e um leque maior de vocabulários em áreas variadas.
    Daqui uns tempos pretendo fazer teste de proficiência e tenho de estudar mais regradamente (conciliando com as aulas da faculdade =P )

    Me interessei por aulas online assim, vou dar uma pesquisada mais a fundo =)

    • Oi pessoal, esqueci de falar dos valores! A mensalidade da OE gira em torno de 160 reais. Mas eu fiz minha matrícula faz tempo e pode ser que tenha aumentado para alunos novos.

  4. Eu sou totalmente a favor. Eu aprendi inglês e espanhol sozinha, sem nenhuma aula presencial ou online. Quando eu fiz 12 anos resolvi que queria estudar Relações Internacionais na UnB e precisaria saber inglês. Isso foi a pior época lá em casa (resumindo: divórcio dos meus pais, meu pai perdendo o emprego e a gente perdendo tudo materialmente falando) e pagar um curso era fora de cogitacão. Peguei os livros da minha irmã 5 anos mais velha, que nas vacas gordas pôde fazer cursos de línguas e enfiei a cara. Ouvia música, assistia filma passando uma fita crepe pra tampar a legenda over and over etc. Tudo de escrita e leitura aprendi assim, a pronúncia na fala veio durante a faculdade e estágios mesmo. E depois aqui, porque aprender inglês americano e chegar aqui é um baque, na primeira semana tinha que fazer força pra entender.

    Enfim, abri o coração, rs, mas realmente o nosso próprio esforço é o melhor professor de tudo.

    Bjos

  5. Thais, fui ver somente agora, o layout ficou lindíssimo. Amei <3
    Tenho um desejo enorme de fazer Comunicação Social na UFMG, mas tenho medo de mudar de cidade, encarar os problemas que virão em morar sozinha/com outras pessoas. Mas certeza que aplicarei tudo o que aprendi aqui! Meu sonho é morar sozinha! Mostrei o Vida Organizada pra minha mãe, ela imprimiu uns posts e até colou na geladeira, rs.
    Enfim, eu já faço inglês em uma escola física mesmo, mas quando morava em Monte Azul, por exemplo, curso online era minha salvação (:
    Olha, o site tá excelente, quero ser publicitária e foda que nem você! Um beijo.

  6. Também gosto muito de fazer cursos pela internet, tenho feito pós à distância e estou satisfeita. Fiquei animada com esse curso de inglês, este ano comecei a estudar inglês pelo Kumon e também estou gostando muito, porém é necessário frequêntar as aulas, mas a gente é quem direciona o ritmo. Abraços,

  7. Ah, só fazendo um comentário atrasado,rs…Por mim, eu também faria tudo on line. Fiz minha pós e assisto aulas para concursos on line.. Incrível como o tempo rende. A única coisa negativa é que ainda existe preconceito ou falta de informação quanto aos cursos on line. E quando falamos que fazemos cursos dessa forma alguns não dão muita credibilidade.
    Bjs
    Ana

  8. Olá, tudo bem?

    Realmente, depois que a pessoa se organiza para fazer um curso de inglês a carreira deslancha. Eu demorei um pouco para começar o meu anos atrás. Mas ele foi muito útil em minha carreira profissional, abriu muitas portas. Fiz na Cultura Inglesa:

    http://www.culturainglesa.net/wps/portal/cursos_de_ingles

    As dinâmicas e o fato de falar o tempo todo em inglês durantes as aulas ajudou muito no resultado. Todos devem ter aulas de inglês!

    Abraço!

  9. Olá, Thaís, parabéns pelas dicas… amei…
    Bem, tbém estou interessada em fazer inglês on line. Entretanto, diferente de vc, tenho maior bloqueio. Fiz dois anos de curso presencial: falo quase nada e leio um pouco. Será que o curso seria indicado? já fiz pós on line e achei mto interessante,aprendi bastante. Obrigada.

  10. Oi, Thaís, estou buscando também um curso on-line. Andei vendo as opções do mercado, mas me deu um medinho…o povo critica tanto esse da openenglish que fiquei com medo de fechar. O primeiro contato deles comigo foi por telefone (ligação do exterior bem ruim), depois descobri que a empresa é lá de fora, pelas formas de pagamento (cartão nacional, internacional)…fiquei meio receosa, mas estou super a fim de fazer, esse lance de 12 meses, aulas flexíveis, quantas vezes por dia eu quiser…acho muito interessante. Sou tradutora de espanhol, trabalho em casa, seria perfeito.
    Essa questão de adaptação existe? Em 7 dias posso cancelar, caso não me ‘convença’? Li por aí que o contato com eles é super difícil! Tem alguma dica pra me dar? Agradeço muitíssimo! E seu blog é excelente!!!

  11. Nossa, Thais.
    Este era o post que eu buscava. Acho que vai mudar minha vida, pq melhorar o inglês pra mim é necessidade urgentíssima! (motivos profissionais)
    Abraços

  12. Thais eu nunca estudei ingles, você achar melhor eu ver uma professora particular ou procurar um cursinho mesmo? Bjos adoro o seu blog, e tenho dedicado uma hora por semana para a leitura dele! Quando crescer ( rs) quero ser igual a vc! Bjão!

  13. Olá, Thais!

    Adorei o post, como sempre! 🙂

    Você pode me indicar algum livro de gramática?

    Beijo e obrigada pelas dicas.

    Rosalyn.

  14. Olá, Thais. Sou professora particular de Inglês e ensino online desde 2004. Muitas pessoas não sabem que além dos grandes cursos que fazem muito investimento em propaganda, há a possibilidade de contratar um profissional autônomo para se ter aulas por videoconferência, sem contratos abusivos, fidelidade, taxa de matrícula, etc., com a mesma flexibilidade de horários e todas as outras conveniências de estudar online, somadas às vantagens de se criar um vínculo professor-aluno (que frequentemente é um pouco negligenciado pelos grandes cursos, porém muito importante para que o professor possa ajudar o aluno a manter-se motivado e a superar dificuldades) – além da possibilidade de personalizar de acordo com as necessidades e os objetivos de cada aluno. Teacher Milena – inglesonline.in

  15. Ao meu ver, aprender qualquer idioma (e qualquer outra coisa) é preciso ter contato com isso, quanto mais contato com o inglês, mais rápido se aprende… Acho fantástico nos dias corridos que estamos vivendo, que seja possível aprender inglês online, tem tanto app, tanto site, tanto jogo, livro em ingles, etc etc etc, que só não aprende quem não ta afim mesmo. Sobre aulas online, tenho feito no Preply, para manter a pratica no speaking https://preply.com/pt/skype/professores–ingl%C3%AAs Alguem conhece? é bem pratico 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA