ou

Por mim, eu faria tudo online. Não sei se é por ter morado em São Paulo e saber que é impossível cruzar a cidade depois do trabalho para chegar a qualquer lugar no horário da aula ou também por já ter trabalhado em instituições que ministravam cursos online, mas sou altamente a favor de todos os cursos pela Internet. Por outro lado, tirando todo o background teórico e gramatical, nunca achei que os cursos de inglês presenciais preparassem um aluno para o mercado de trabalho, que exige fluência oral e escrita, mesmo que mínima.

Sempre fui autodidata – com inglês também. Aprendi bem pouco na escola, tentei começar dois ou três cursos quando era adolescente, mas sempre saí pois não tinha motivação. Então, sozinha, estudava gramática, lia livros e artigos em inglês, traduzia as músicas etc. Isso tudo foi me dando uma noção maior que qualquer escola, então eu tinha desistido de fazer algum curso novamente.

Esse ano, no entanto, eu quis aproveitar a oportunidade de bolsa-idiomas que o meu trabalho fornece e fazer um curso de inglês. Minha ideia era fazer um curso de conversação e estudar gramática em paralelo, além de continuar minhas leituras e outros exercícios. Depois de pesquisar em escolas tradicionais e desistir de todas elas, acabei chegando ao curso online da Open English, que é o que eu estou fazendo. Sei que existem outros, como o English Town, mas tive uma ótima impressão com o atendimento da OE e acabei fazendo com eles.

Apenas para explicar para quem nunca fez um curso de inglês online, funciona mais ou menos assim: todos os dias, há um tema. Por exemplo: reuniões de trabalho. Aí todas as atividades giram em torno desse tema. Há aulas online durante o dia todo para os níveis básico, intermediário e avançado. Para essas aulas, você pode baixar a apostila antes e dar uma estudada para fazer a aula já preparado. Você também tem acesso a um banco de vídeos, jogos, apostilas etc sobre esse e outros temas, e pode estudar quando quiser.

A aula é puramente sobre conversação, apesar de os professores tirarem dúvidas diversas sobre gramática, se solicitado. O foco é na pronúncia mesmo. Enfim, era o que eu estava precisando. No final, o professor indica as lições mais adequadas para cada aluno, de acordo com o que ele observou em sala. As aulas são ao vivo com professores do mundo inteiro, mas a maioria vive nos Estados Unidos ou em outros países da América do Sul.

Para vocês terem uma ideia, eu, que já escrevo razoavelmente em inglês e consigo conversar normalmente em uma reunião de trabalho com algum cliente americano, por exemplo, nunca fui além do nível intermediário nas aulas ao vivo. Isso me deu uma noção do meu nível de verdade. Porque uma coisa é saber conversar e tudo o mais, outra totalmente diferente é saber realmente argumentar sobre temas diversos, por causa do vocabulário. E isso que é o legal dessa coisa dos temas: todos os dias você tem um tema diverso justamente para conhecer o vocabulário, seja sobre animais da fazenda ou discutir sobre o tempo.

Como eu me organizo

É claro que, para cursar inglês online, você precisa ter uma boa dose de disciplina porque, se você deixar, acaba não estudando nada. Você configura determinadas metas para você durante a semana e o site vai mostrando a sua evolução. Eu iniciei com uma meta de 5h semanais de estudos, mas diminuí para 4h, o que considero o meu ideal, em meio à minha rotina. Então eu faço assim:

Toda segunda eu pego a programação da semana (dos temas) para ver quais me interessam. Geralmente eu sempre me interesso por pelo menos três temas, então anoto na minha agenda as aulas nos dias da semana correlatos. Suponhamos que eu queira fazer a aula da terça, da quarta e do sábado. Ok. O que eu vou fazer é estudar as lições de arquivo deles nos dias em que eu não fizer aulas.

A flexibilidade de horário é a melhor coisa de se fazer inglês online. Geralmente eu acordo mais cedo e faço a aula antes de o nosso filho acordar, mas muitas vezes eu faço a aula de noite, por volta das 21h (horário em que ele já foi dormir). Muitas vezes aproveito quando viajo a trabalho para estudar de noite, até mesmo no aeroporto, e na casa da minha avó, quando vou para lá aos finais de semana. Então é bem tranquilo cumprir as metas e estudar.

Quando o tema é difícil, eu faço a aula do nível básico e, na sequência, a do intermediário. Estudo a apostila antes e, depois, faço os exercícios do nível avançado para treinar a minha escrita. Também tenho alguns livros de gramática em casa e procuro estudar um capítulo (pelo menos) uma vez por semana, geralmente para tirar dúvidas que eu tenha tido durante a semana com alguma regrinha específica.

Para quem eu recomendo

Recomendo as aulas de inglês online para quem já tem uma noção mínima e precisa aprender para obter fluência, seja para viajar ou para o trabalho. Não recomendo para quem precisa aprender gramática primeiro, como vestibulandos ou pessoas que nunca estudaram inglês.

Thais Godinho
22/07/2012
Veja mais sobre:
33
Parede preta na sala e menu semanal
Montando um guarda-roupa básico para o trabalho (sem gastar muito dinheiro)
A matemática do planejamento no GTD