ou

Imagem: Getty Images

Se você não sabe o que é o sistema FLY Lady, leia o post Como começar no sistema FLY Lady.

Já comentei anteriormente aqui que não temos ajuda profissional para cuidar da casa, e eu sinceramente não acredito que ela seja necessária. Minha visão é a de que, se você não consegue dar conta, ou tem coisas demais, ou está abusando em alguma área da sua vida (para não ter tempo) ou mora em um imóvel desnecessariamente grande.

Eu não vou mentir aqui. Meus últimos dias (e semanas) têm sido extremamente exaustivos, como eu já previa. E assim eles serão até o mês de julho, quando finalmente acabarão as minhas aulas da pós-graduação, mas vão ficar muito mais tranquilos quando eu entregar a monografia (prevista para outubro) e comprarmos o nosso carro (previsto para dezembro ou início de janeiro). Até lá, eu preciso ser forte e fazer o mínimo para simplesmente não ficar doente. Estou com tendinite há um tempo e vocês devem ter notado que quase não estou atualizando o blog simplesmente porque estou reduzindo meu tempo no computador. Se não fosse o fato de trabalhar o dia todo digitando e ainda por cima estar escrevendo a monografia, o blog estaria em sua rotina normal. Porém, como já tenho abusado dos meus braços com essas outras atividades, sobrou para o VO. Peço desculpas e espero muito muito voltar ao ritmo de sempre o mais breve possível.

Mas o que eu gostaria de escrever neste post é como estamos cuidando da rotina de casa nesse período tão corrido. Eu utilizo o método FLY Lady de modo bem informal e, atualmente, mais ainda. Resumo das atividades relacionadas na nossa rotina:

  • A divisão da casa por zonas ajuda, mas eu confesso que não estou focando muito nela nas últimas semanas. O que realmente tem feito diferença é manter a lista de tarefas diárias essenciais. São elas que mantêm a casa no lugar. Costumo lembrar da zona da semana somente quando sinto a necessidade de uma limpeza mais aprofundada. Nesta semana, por exemplo, estamos na zona 5 (sala), e eu aproveitei para limpar atrás do rack da tv, os fios, essas coisas que costumamos esquecer no dia-a-dia. Mas olha, beeem informal.
  • Não faço as missões do dia mais. Sim, shame on me, porque acho que elas ajudam muito a ter um direcionamento em tempos tenebrosos, mas confesso que não estou sequer conferindo as missões da semana que chegam por e-mail porque tenho focado somente nos e-mails do trabalho e outros relevantes que vou respondendo aos pouquinhos.
  • Sequer estou lendo os e-mails da lista. Realmente não dá.
  • Manter as rotinas diurna e noturna faz TODA a diferença! Como elas já estão no piloto automático, facilitam horrores o meu dia-a-dia. Aproveitei para reduzí-las ao mínimo e atualmente elas estão assim: Rotina noturna – Separar a roupa para o dia seguinte, arrumar a bolsa, preparar a marmita, escovar os dentes, acertar o alarme e dormir. Rotina diurna – Tomar café-da-manhã, escovar os dentes, trocar de roupa, fazer maquiagem, ficar um pouco com o filhote e sair.
  • Já mantenho o declutter como hábito, então não preciso de 15 minutos por dia para isso. Quando estou deixando muitas tarefas de casa de lado, costumo marcar 15 minutos no relógio para resolver algumas coisas.

Apesar de não seguir o método religiosamente, ele serve como guia no dia-a-dia. A casa não fica perfeita, mas pelo menos fica minimamente limpa e em ordem. E quem falou em perfeição?

Thais Godinho
29/03/2012
Veja mais sobre:
18
Inspiração do dia: quadros no banheiro
Inspiração do dia: paredes brancas
Menu semanal para 25 a 31 de agosto