ou

Eu já havia comentado em um post anterior sobre limites, e na última semana me peguei com uma dor intensa no braço direito, que eu suspeito ser início de tendinite. Já tive antes. E é um sinal para pegar mais leve. Passo muito tempo no computador – o dia todo no trabalho, depois com o blog, com a monografia – e isso está pesando. Vocês devem ter notado que uns três dias nas últimas semanas ficaram sem posts, e esse é o motivo. Não consigo escrever direito no meu caderno também (é o mesmo braço), então o que eu tenho feito é reduzir.

Hoje eu tinha programado para falar de outra coisa, mas achei que esse momento atual rendia um post sobre como podemos lidar com situações estressantes, quando precisamos reduzir nossas atividades ao mínimo sem impactar de forma significativa todos os setores da nossa vida. Diariamente eu recebo e-mails e mensagens sobre o assunto, então espero que ajude quem esteja passando por um momento semelhante.

O que é prioridade?

Além de dormir, cuidar da alimentação e da minha higiene, o que é prioridade na minha vida? Minha família, meu trabalho, minha casa, minha monografia, meu blog. Muito provavelmente nessa ordem.

Quanto tenho que investir em cada coisa?

Bom, eu trabalho cinco dias por semana, oito horas por dia. Durmo entre sete e oito horas por noite. Isso me dá mais oito horas livres todos os dias, além dos finais de semana. Preciso me dedicar ao trabalho somente enquanto estiver no trabalho. Preciso dormir bem para segurar a onda durante o dia inteiro. Preciso me alimentar direitinho também.

Minha família tem meu tempo enquanto estou em casa. Posso estar fazendo outra coisa, mas nunca deixo de atender meu filho quando ele precisa, ou conversar com meu marido, por exemplo. Aproveito o tempo em que estamos juntos.

Estou reduzindo o tempo de cuidados com a casa, mas isso porque o meu marido faz a parte dele também. Não ultrapasso uma hora por dia desses cuidados. O mesmo vale para a monografia, e estou aplicando ao blog, pelo menos por enquanto.

Outras estratégias que venho adotando

  • Todos os dias, faço minha revisão dos projetos no GTD com base em quatro listas: o que está agendado de tarefas para hoje, o que tenho agendado de compromissos na agenda, a lista de espera (tarefas que estou esperando de outras pessoas) e a lista de próximas ações. Como confio no meu sistema, isso basta e consigo resolver o que for mais importante naquele dia.
  • Toda semana, faço a revisão dos meus projetos para ver o que está sendo deixado de lado e porquê. Configuro as tarefas para entrarem na lista de próximas ações ou em datas específicas para outras coisas, como telefonar, por exemplo.
  • Quando percebo que tenho coisas demais para fazer em um só dia, faço uma lista de três delas que realmente precisam ser feitas, foco e as termino. Quando isso acontece, prossigo com as outras. Pelo menos o que é importante não é deixado de lado.
  • Divido tarefas grandes em mini-tarefas, rápidas e fáceis.
  • Estou dizendo “não” a muitas coisas que até são importantes para mim, mas é temporário.
  • Estou diminuindo drasticamente minhas formas de comunicação no geral. Estou demorando mais para responder e-mails, meu celular fica sempre no silencioso (e não me forço a atender sempre que toca), dominuí meu contato nas redes sociais. Isso tem feito uma diferença enorme! Abrir o e-mail poucas vezes por dia também ajuda.
  • Estou me forçando a dormir cedo. Antes das 23h, preciso estar na cama.
  • Tenho me permitido mais tempo livre. Não sou obrigada a fazer alguma coisa a todo momento. Ontem mesmo passei metade do dia lendo.
  • Estou fazendo tudo com mais calma e tentando não ter pressa. Se meus projetos estiverem organizados e tudo estiver sendo feito com o planejamento certinho, não tenho porque me estressar.
  • Estou dando mais atenção às necessidades do meu corpo, que geralmente gritam “descanse!” quando eu pego muito pesado.
  • Foco nos meus objetivos de curto, médio e longo prazo para ver se minhas tarefas atuais trabalham a favor deles.
  • Tirei o relógio e, apesar do desespero inicial, o alívio foi enorme. Quando eu realmente precisar ver as horas, olho no computador, no celular ou no relógio em casa.
  • Limpei meu desktop. Nada dá mais aflição que um desktop cheio de arquivos no computador do trabalho.
  • Parei de comprar coisas. Até preciso comprar roupas, mas não consigo, pois tenho achado tudo de péssima qualidade e caríssimo, ultimamente.
  • Estou comendo menos, mas isso é graças ao meu aparelho novo nos dentes.
  • Escrevendo menos. =/

Tudo se resume a tirar o supérfluo, mas como decidir o que é supérfluo? Para mim, vendo o que é objetivo de longo-médio-curto prazo ou não. E para vocês?

Thais Godinho
12/03/2012
Veja mais sobre:
11
Administrando o guarda-roupa
Minha organização para o Natal deste ano
Livros sobre organização que eu uso e recomendo