ou

Quando eu montei o quarto do meu filho, comprei muita parafernália desnecessária como a maioria das mães de primeira viagem. O maior problema disso tudo é perder de vista a funcionalidade do quarto, que precisa atender as necessidades do bebê que vem aí. Agora que estamos de mudança, penso em simplificar o máximo possível o futuro quarto do nosso filho, que já não é mais um bebezinho. Para quem está montando o primeiro quartinho do bebê, então, eu tenho algumas dicas de organização:

  • Escolha o quarto mais escurinho da casa, ou providencie desde já cortinas com efeito black-out. Você vai ler (se já não leu) que o bebê deve aprender a diferenciar o dia da noite e, por isso, essas cortinas não servem. Mas a grande questão é que, às 5h da manhã, já amanhece e você provavelmente espera que o bebê durma até um pouquinho mais tarde (7h está bom?). Com a cortina black-out, o despertar natural é um pouquinho adiado pela questão da claridade.
  • Tenha as medidas do quarto anotadas e leve-as sempre com você ao pesquisar móveis, além de uma trena. Independente do tamanho do quarto, é bom comprar sempre na proporção exata, além de você ter a possibilidade de buscar soluções específicas de organização de acordo com o tamanho que tem.
  • Utilize as listas encontradas em diversos sites e lojas de decoração como guia, mas não as siga a risca na hora de comprar os móveis. Avalie suas necessidades e tome cuidado com as medidas.
  • Organize o quarto de acordo com áreas de atividades. No quarto do bebê, você fará o seguinte: amamentará, trocará fraldas e roupas, colocará o bebê para dormir e, mais para frente, brincará com ele no chão. Pense nessas funções na hora de organizar tudo. Pode parecer óbvio, mas muitas vezes acabaos guardando as fraldas longe do trocador, por exemplo.
  • Para a área de amamentação, tenha: um lugar para amamentar (pode ser uma poltrona específica ou não, mas você precisa se sentar em algum lugar), um criado-mudo com um abajour (para as muitas madrugadas) e espaço para colocar o restante das coisas. Eu sugiro uma moringa com água fresca (amamentar dá MUITA sede), um livro (eu tinha o da Encantadora de Bebês), um tocador de mp3 com fones de ouvido (se gostar de ouvir música) e paninhos para limpar o seio e a boca do bebê, caso ele regurgite.
  • Para a área de troca de fraldas e de roupas: monte essa área perto do guarda-roupa ou em cima da cômoda onde você guardará as roupinhas. É importante ter um cesto (eu uso até hoje um igual a este) com algumas fraldas, um pote com algodão, uma garrafa térmica com água quentinha, pote para colocar a água da garrafa e pomada contra assaduras. Com o passar do tempo, você pode querer substituir o algodão e a água pelos lenços umedecidos. Eu também deixava uma fralda de pano por perto para eventuais xixis no trocador (acredite, acontecem o tempo todo).
  • Para a área de sono: deixe a poltrona de amamentação ali perto também, para ficar com o bebê no colo na hora de colocá-lo para dormir (em vez de forçar as costas ficando de pé). Deixe o berço organizado com uma mantinha para enrolar o bebê, um cobertor a mais, rolinho para segurá-lo no colchão, chupeta (se for usar) e um aparelho de som para colocar música ou barulho estático (eu teste todas essas alternativas e nenhuma funcionou melhor que o silêncio absoluto). Minha experiência também recomenda que o berço seja colocado longe da janela para evitar correntes de ar. Eu também deixava a roupa de cama do nosso filho em duas caixas herméticas de plástico embaixo do berço. Além de ficarem sempre a mão, não empoeiravam porque estavam fechadas.
  • Tenha um bom espaço para circulação, além de todas essas áreas, pois você ficará muito tempo ali, além de visitas ocasionais. Com o passar dos meses, você também terá que ter um espaço para o bebê ficar no chão e ser estimulado a engatinhar, rolar, andar. Para essa época, você pode pensar em um tapete de EVA, especialmente se for desmontável (é mais higiênico, pois você monta somente quando for colocar o bebê no chão).
  • Lembre-se também de pensar na segurança do quarto para quando o bebê começar a se movimentar sozinho. Tampas para tomada e protetores de portas e gavetas fazem parte do arsenal. Como são meio caros, pode ser que você queira ir comprando aos pouquinhos. Verifique a quantidade correta para não comprar nem a mais nem a menos.
  • Cada área de atividade deve ter seu centro de armazenamento, pois é necessário estocar bastante coisa, de fraldas a roupinhas. Tudo deve ser armazenado perto de onde será utilizado, então busque soluções nesse sentido.

Ficando de olho nas atividades do dia-a-dia, é mais fácil organizar o quarto do bebê de forma funcional e prática para o dia-a-dia tão cansativo como é no começo. Não perca de vista as necessidades reais em busca somente da beleza, pois você pode se arrepender.

Você tem mais alguma dica de organização para o quarto do bebê? Compartilhe nos comentários.

Thais Godinho
18/10/2011
Veja mais sobre:
6
Organizando filmes e CDs
Gerenciando o guarda-roupa das crianças
Como guardar uniformes escolares

Imagem: Getty Images

Você pode ter acordado um pouco desanimado(a) nesta terça-feira. Será que seu trabalho tem a ver com esse sentimento? Faça duas perguntas-chave para definir mudanças em um futuro próximo (ou não):

1. Você está contente?

Você acorda todos os dias pensando que o dia pode ser melhor que o anterior, mas vai se decepcionando com o passar das horas? Você sempre diz que “as coisas vão melhorar quando _______________” (insira sua desculpa favorita aqui).

Estar contente é um estado de espírito. Isso significa que não depende de fatores externos, mas do seu ponto de vista com relação às coisas. Algumas pessoas são reclamonas por natureza e isso pode favorecer o desânimo no dia-a-dia. Controle seus pensamentos, pois às vezes eles são o único impedimento para fazer tudo melhorar na nossa rotina.

Eu repito a pergunta: você está contente consigo mesmo(a)? Se sim, parabéns. Se não, o que pode ser melhorado? Analise profundamente essas respostas.

2. Você faz o que você ama?

Ser bem-sucedido(a) não significa apenas ganhar dinheiro, mas estar satisfeito(a) com a sua situação no geral. Eu me lembro de um momento no filme “O Diabo Veste Prada”, quando os personagens estão em volta de uma mesa de bar e fazem um brinde “aos empregos que pagam o aluguel”, querendo dizer que praticamente todos trabalham em algo que não gostam, mas o fazem porque o emprego paga as contas. É o seu caso? Avalie o seguinte:

É temporário? Esse trabalho é uma ponte para algo que você vise no futuro? Talvez você esteja fazendo um estágio que não gosta muito ou trabalhando em algum lugar mais ou menos até terminar a faculdade, por exemplo. Nesse caso, tendo um objetivo, a coisa muda de figura e dá um impulso para continuar mais algum tempo.

Você não vê perspectiva? Se você está trabalhando em algum lugar que não gosta e não vê qualquer perspectiva de mudança de cenário, é preciso agitar. Eu tenho uma amiga que trabalha como auxiliar administrativo, mas seu sonho é ser chef de cozinha. Ela nunca mudará essa situação se não fizer um curso na área, por exemplo, e ir procurando trabalhos na área.

O que não dá é para viver reclamando.

O sucesso não é igual para todos. Ser bem-sucedido(a), ao meu ver, significa estar satisfeito(a) com a situação atual – aquela sensação de estar onde sabe que é o certo estar. Não tem necessariamente a ver com dinheiro (depende dos seus objetivos), mas esse é o meu ponto de vista.

E para você, o que significa ser bem-sucedido(a)?

Thais Godinho
18/10/2011
Veja mais sobre:
7
E a sua mesa de trabalho?
Guia simples para se organizar no trabalho
Como organizar: Estudos para o vestibular