ou

Imagem: Getty Images

Este é um guia para mães e pais que estão aguardando a chegada do bebê e querem se organizar o máximo possível.

Eu preciso dizer uma coisa importante: apesar de vocês se organizarem direitinho, a chegada do bebê transforma radicalmente a rotina de uma casa e é muito provável que vocês abram mão de muitos pormenores envolvendo a organização. As dicas que eu darei aqui são baseadas em minha própria experiência e eu espero que ajudem, mas eu realmente peço para que vocês não queiram seguir tudo a risca, pois dependerá muito desse bebezinho que vem chegando por aí.

Os bebês, quando nascem, fazem só três coisas: mamam, dormem e fazem cocô. Não existem períodos de atividade muito extensos, especialmente nas duas primeiras semanas. As atividades de vocês, no entanto, triplicam. Eu sei que existem infinitos modelos de famílias, mas como não posso falar por todos, focarei em uma família que seja composta por pai, mãe, bebê e algumas pessoas que possam ajudar ocasionalmente.

Fica a cargo da mãe:

Descansar tanto quanto puder, pois o bebê dorme bastante, mas acorda com muita frequência, especialmente à noite. Não espere dormir mais de 3h seguidas no começo, pois você tem 99% de chances de não conseguir. Logo, você precisará aprender a dormir em curtos espaços de tempo. Isso foi complicado para mim, pois eu demoro para pegar no sono (mesmo exausta) e, quando dormia, meu filho acordava. Para não ficar com dor de cabeça, eu praticamente não dormia. Eu deveria ao menos ter ficado deitada, e não inventando de fazer coisas para lá e para cá, pois é cansativo.

Se alimentar direito, pois a alimentação do bebê depende da alimentação da mãe. E demanda muito! Para se ter uma ideia, eu emagreci 10kg na primeira semana após o parto e fiquei com anemia profunda. Precisa se cuidar! Vou falar mais para a frente como organizar a questão da alimentação para vocês não se preocuparem com isso.

Amamentar o bebê.

Cuidar do bebê.

Fica a cargo do pai:

– Aproveitar os poucos dias de licença-maternidade para descansar junto com a mãe, pois o bebê acorda ambos. Se você tiver a sorte de trabalhar em casa ou ter tirado férias, melhor para vocês.

Cuidar do bebê. A única coisa que o pai não pode fazer é amamentar, mas trocar fralda, dar banho, cantar e colocar para dormir, sim. Inclusive durante a madrugada, só para constar.

Deixar a esposa descansar, pois a amamentação cobra muitas energias dela.

Veja algumas dicas para organizar todas as atividades relacionadas ao bebê e à casa no geral:

Amamentação

– Até a primeira consulta com o pediatra, o bebê precisa mamar bastante, o máximo que você puder aguentar. Mamar de 2 em 2h é um intervalo ok. Algumas mães defendem a livre-demanda, que basicamente significa deixar o bebê mamando o tempo todo que ele quiser, mas geralmente ficamos tão cansadas na primeira semana que isso só torna tudo mais exaustivo. Se você se der bem com a livre-demanda, melhor! Se não, de 2 em 2h está ok. O que é importante saber: estabeleça bem a amamentação. Quando o bebê estiver mamando direitinho e ganhando peso, ele começará a espaçar as mamadas naturalmente, com o passar do tempo. Eu sei que na primeira semana é muito cansativo, mas tenha perspectiva. Seu bebê precisa de você e tudo melhora aos poucos.

– Como o bebê é muito novinho e não sabe ainda sugar o leite, as mamadas serão mais demoradinhas (cerca de 1h). Tente amamentar sempre em algum lugar calmo e longe de outras pessoas. A amamentação é um processo interativo entre a mãe e o bebê – você também precisa prestar atenção. É fundamental acertar a pega do bebê no seio, para que eles não doam tanto, e também para que ele consiga mamar efetivamente. O que é importante saber: você pode amamentar deitada, para descansar melhor. Só atente para a segurança da cama.

– Como você pode organizar a amamentação? Deixando sempre em mãos o que você precisará durante as mamadas. Eu deixava sempre um pano de boca limpinho e uma garrafinha de água cheia, porque dá muita sede (descomunal mesmo).

– Na primeira semana, especialmente se você fizer cesárea, é fundamental ter a ajuda de alguém para que você possa descansar. Assim, quando o seu leite começar a descer, tire-o com a bombinha e deixe estocado para alguém amamentar seu bebê alguma vez durante o dia, enquanto você dorme. Se alguém puder amamentá-lo durante a noite, aí você descansará bem. O descanso é importante para a produção de leite. O papai pode dar essa mamadeira para participar também da alimentação do bebê. O que é importante saber: se você pretende voltar a trabalhar em alguns meses, acostumá-lo com a mamadeira é fundamental. Há bebês que não pegam a mamadeira depois e as mães ficam desesperadas. A sugestão da Encantadora de Bebês (apelido da inglesa Tracy Hogg, especialista em cuidados com bebês) é dar essa mamadeira à noite, de preferência pelo pai do bebê, para que ele também participe. Você fica com uma mamada de descanso. No entanto, se você não pretende voltar a trabalhar e não quer correr o risco de desmamar o bebê precocemente, melhor não dar a mamadeira.

– Depois da primeira consulta com o pediatra (geralmente quando o bebê tem 1 semana de vida), você saberá se ele está ganhando peso corretamente ou não. Se estiver, poderá se organizar melhor e passar para uma rotina de 2,5hx2,5h na segunda semana e de 3hx3h a partir da terceira semana, sempre respeitando o ritmo do bebê. O que é importante saber: se a amamentação estiver bem estabelecida, você pode começar a diferenciar os choros do bebê, pois nem sempre choro significa fome. Até lá, encare todo choro como fome ou sono, para não correr o risco de deixá-lo sem leite o suficiente.

– Se por algum motivo seu bebê precisar tomar leite artificial, aproveite para dividir as tarefas com o pai do bebê, sua mãe ou alguma outra pessoa disposta a ajudar. Uma mamada que você descanse já faz muita diferença na sua recuperação. Vocês podem revezar para que tanto mãe quanto pai descansem algumas horas.

Se estiver dando leite artificial, deixe tudo pronto para a madrugada ser mais tranquila: mamadeiras limpas e esterelizadas, panos de boca, água quente na garrafa térmica e porções do leite em pó separadas. Isso fez uma diferença tremenda aqui em casa, além de ser mais ágil e não deixar que o bebê desperte de vez por esperar tanto tempo.

Atividades

– Pela manhã e no final da tarde, leve seu bebê a algum lugar ao ar livre, para que ele tome um solzinho e ar fresco.

– Quando ele começar a fazer bastante cocô, é bom dar dois banhos por dia – um de manhã e outro no começo da noite. O segredo é ter tudo em mãos antes de começar: toalha, fralda limpa, roupa, pomada, escova, frascos abertos e o que mais você quiser usar. Deixe para limpar e guardar tudo somente depois que o bebê dormir.

Para a troca de fraldas, mesma coisa: mantenha tudo à mão. Trocador livre de tralhas, estoque de fraldas limpas, garrafa térmica com água quente, pote com bastante algodão. Eu comecei a usar lenços umedecidos somente quando ele tinha 1 mês de idade, mas mesmo assim fiz um teste para ver se ele não tinha nenhuma reação alérgica. Não teve, então passei a usar.

Sono

– Seu bebê não sabe o que é um dia de 24h, mas você pode ir ensinando-o o que é dia e o que é noite. Escureceu, é hora de dormir. Inicie o ritual do sono quando anoitece (por volta das 18h), dando banho, amamentando-o e colocando-o no berço. Deixe-o acordar quando estiver com fome (a não ser por recomendação médica de acordar em intervalos regulares). Quando ele acordar, não acenda a luz nem tire-o do quarto. Dê de mamar ali mesmo, no máximo com a luz de um abajour. Só troque a fralda se tiver feito cocô. Não estimule o bebê. Beije, dê carinho, mas não seja divertida(o). E coloque-o novamente para dormir.

Não o deixe dormir mais de 2h por soneca durante o dia. Essa é uma das diferenças do dia para a noite: de dia, você o acorda. De noite, não.

Estabeleça um ritual do sono fazendo todos os dias as mesmas coisas antes de colocá-lo para dormir, pois assim ele passará a associar esse momento à hora de dormir.

– Se seu bebê não dorme, provavelmente está com fome, na primeira semana. Bebês satisfeitos dormem rápido. Sim, é difícil e cansativo, mas passa rápido.

Durmam quando ele dormir. Só assim vocês conseguirão descansar.

Outras coisas

Quando se sentirem bem dispostos, deixem tudo limpinho: quarto, berço, mamadeiras. Não se preocupe com a casa inteira agora – somente com o que for relacionado a vocês e ao bebê. Todo o resto pode esperar. Se você puder ter uma empregada, ótimo para você! Facilitará muito no início.

– Usem os momentos de boa disposição do dia para ir colocando ordem em tudo. Se estiverem cansados, não façam nada – só descansem. Mesmo um de vocês trabalha em casa, respeite o resguardo. Passa rápido. Isso vale especialmente para a mãe, que ainda se recupera fisicamente do parto.

– Tenham na agenda as datas de vacinação e das consultas no pediatra.

– Mantenham uma pasta com todos os documentos necessários para quando forem em consultas médicas. Isso inclui exames. Uma pasta com divisórias é a melhor opção.

– Organizem o horário de visitas para que a sua casa não vire uma bagunça – nem sua vida. Peça para alguém tomar conta disso para você. Eu preferi não receber muitas visitas no início e foi a melhor coisa que aconteceu. Galera geral precisa entender que o bebê ainda é muito novo para tanta agitação e que todos terão a vida inteira para visitá-lo. Você perceberá como muitas visitas deixam o bebê agitado porque ele vai chorar e ter dificuldades para dormir.

– Procurem revezar nas atividades. Por exemplo, a mãe amamenta o bebê, então o pai pode dormir enquanto isso e, quando ela acabar, ela pode descansar enquanto o pai troca a fralda e o coloca para dormir. É importante o pai fazer o máximo possível pois a mãe ainda está muito debilitada fisicamente com a recuperação do parto, as dores nos seios, a falta de energia demandada da amamentação e a queda dos hormônios, que podem gerar (e geralmente geram) uma depressão pós-parto.

A importância da ajuda

O fundamental desse começo é vocês terem ajuda. É muito trabalho mesmo para duas pessoas. Conversem com quem vai ajudar vocês antes do parto, para não se preocupar depois. O que essa(s) pessoa(s) pode(m) fazer por você:

– preparar a comida
– lavar suas roupas e as do bebê
– trocar as lixeiras
– limpar a casa
– trocar as fraldas
– dar banho no bebê

Se você for se virar sozinha (ou no máximo com o seu marido), seguem mais dicas:

– Deixem porções de comida congeladas no freezer para pelo menos as duas primeiras semanas. Acredite: vocês não terão tempo – nem pique – para cozinhar. Façam isso ainda durante a gravidez.

Comprem roupas a mais quando fizerem o enxoval, para precisarem lavar menos vezes. Roupas para o bebê e para a mãe também (você pode sujar calças e calcinhas de sangue, vai vazar leite e molhar a blusa etc.)

Tenham estoque de tudo para as primeiras duas semanas, no mínimo. Isso vale para fraldas, itens do bebê, comida, roupas, cosméticos seus e outros itens da despensa.

Quando meu filho nasceu, eu achei que poderia cuidar da casa enquanto ele dormia, por exemplo. Pura ilusão. Precisei ficar de cama a maior parte do tempo (resquícios da pré-eclâmpsia e a anemia profunda que me pegou) e não conseguia ter forças nem para amamentar direito. Foi uma época muito difícil, mas me ensinou que não tenho controle de nada na minha vida. Tudo depende das circunstâncias e da nossa disposição física e mental. Quando chegamos a um extremo assim, não dá para pensar em mais nada que não seja essencial. Portanto, quando o seu filho nascer, lembre-se do que eu falei: atenha-se ao realmente necessário. Todo o resto pode esperar. Mesmo. Questão de sobrevivência. Foque no bem-estar do filhote e no de vocês, para só depois, aos poucos, ir estabelecendo uma rotina e voltando a cuidar dos outros afazeres.

Boa sorte.

Thais Godinho
03/08/2011
Veja mais sobre:
Gravidez
17
Rotina de organização é importante
FLY Lady e GTD: Listas detalhadas de limpeza
Cuidando da rotina de sono do bebê (e de crianças mais velhas)

 

  1. Nathália 03/08/2011

    Thais, cheguei até esse post por indicação de uma grande amiga e qual não foi minha ótima surpresa ao descobrir que te conhecia da Cásper! Adorei as dicas. Estou grávida e tenho o péssimo hábito de ir postergando as coisas por achar que vai dar tempo tranquilo de tudo e, na hora H, fico enlouquecida fazendo tudo ao mesmo tempo agora. Dicas preciosas!!! Beijos e parabéns pelo blog!

  2. Vivika 03/08/2011

    Todas suas dicas serão muito valiosas para mim, daqui umas 3 semanas estarei passando por tudo isso, contratei alguém para me ajudar ao menos nos 2 primeiros meses, assim eu e meu marido poderemos descansar um pouco.

    Agradeço as dicas

  3. Thais Godinho 03/08/2011

    Nathália, que legal! Você me tem no Facebook? Qualquer coisa, me adicione por lá. =) Parabéns pela gravidez!

  4. Ana Oliveira 03/08/2011

    Sensacional!
    Fiz um curso no Rio de Janeiro com uma francesa e tudo que você escreveu é realmente a base do curso de amamentação.
    Muito bom!
    Sou muito fã do seu blog!
    Beijos

  5. narinha 04/08/2011

    sobre amamentação…
    tive 2 cesáreas e foi super tranquilo. Acho um erro tirar leite e já dar mamadeira logo nos 1os dias. acho desnecessario essa mamada de descanso pra mãe. o bb dorme bastante e a mae deve dormir quando ele dormir.
    todos sabem que tudo é novo pro bebê e já dar mamadeira não é bom.
    mesmo indo trabalhar após 4 meses (como eu fui), basta introduzir mamadeira só no 3o mes. eles aprendem rápido e adoram não fazer esforço pra comer.
    antes disso é peito em livre demanda. e devido a hipoglicemia, não se deve deixar o bb passar de 3 horas dormindo, sem mamar.
    comprei uma desmamadeira e congelei leite e meu bebe mamou mesmo após a volta ao trabalho, tambem desmamava lá e trazia pra casa. tomava na mamadeira quando eu não estava e no peito quando eu chegava. aos 3 meses, já está grandão, pronto pra encarar a mamadeira e alternar entre peito e mamadeira sem problemas.
    fica a sugestão….
    chupeta e mamadeira nos 1os 2 meses é arriscado ele não querer mais mamar no peito, já que a mamadeira é mto facil do leite sair.

  6. Thais Godinho 05/08/2011

    Narinha, uma coisa que eu aprendi nos últimos meses, é que cada bebê é um jeito, tem reação a uma coisa ou outra. Conheço bebês que tomam uma mamadeira noturna desde a primeira semana de vida e mamam até hoje, aos 3 anos. Mesmo caso para a chupeta. Mesmo caso para os bebês que não pegam qualquer outro bico senão o seio da mãe e ela fica desesperada uma semana antes de voltar a trabalhar. Eu ainda comentei no final do item que, se a mãe não quer correr o risco de o bebê desmamar, para não dar mamadeira. Quando ao descanso, estou falando isso porque tive resquícios da pré-eclâmpsia e anemia profunda e sei o que é não conseguir sequer amamentar deitada, pois eu quase desmaiava. Então, sempre há casos e casos. Muitas mães gostam de usar suas histórias de sucesso como exemplo (e acho que estão certíssimas, pois incentivam muito!), mas não podem achar que o que aconteceu com elas é regra. De qualquer forma, obrigada por comentar. =)

  7. KARLA DOTE 18/07/2012

    Adorei seu post. Vi a chamada pelo facebook e vim correndo pra ler… estou ficando preocupada porque minha Taís está chegando e eu não terei ninguém pra ajudar… meu esposo só vai poder tirar os 5 dias mesmo e depois seremos só nós 2… é minha primeira filha e as dúvidas são inúmeras, principalmente quando não tenho a quem perguntar… mas a vida é assim mesmo!!! Já imprimir seu post e vou guardar pro futuro que está bem próximo: ontem meu médico disse que ela virá entre os dias 05 e 14 de Setembro!!!! Um beijo e estou gostando muito mesmo do seu blog!!!

  8. Thaís 18/07/2012

    Thais, tenho acompanhado teu blog há algum tempo, e hoje me surpreendi com esse post. Estou grávid, com 7 meses, e ainda não fazia noção (acho que ainda não faço!) do quanto precisaremos nos organizar para a chegada da Anita. Achava que só o auxílio do maridão seria suficiente, já que ele é super participativo, e está me ajudando muito durante a gestação. Vou aproveitar as últimas semanas e chamar alguém para ajudar na limpeza da casa e na comida… Obrigado pelas dicas!!!!

  9. Graziela Carvalho 18/07/2012

    Adorei suas dicas Thaís, minha filha está para chegar entre os dias 03 e 07 de Agosto/2012 e seu blog tem me ajudado muito a ser uma pessoa mais organizada, vou contar com muitas pessoas que vão me ajudar neste período. Obrigada

  10. Fernanda 30/11/2012

    Olá Thais, bom dia! Encontrei seu blog no google e simplesmente adorei. Estou há poucas semanas de dar a luz e essas dicas antes da chegada da minha filha ja estao me ajudando a entender todo esse processo inicial, que a gente geralmente nao tem a menor noção antes de passar mesmo por ele.rs. Parabens pelo site, pelas dicas claras e objetivas e por ajudar as mamaes de primeira (ou de varias) viagens.rsrs.

    Beijosss!!!

  11. Elisabete 13/12/2012

    Eu devia de ter lido estas indicaçoes antes de a minha filha nascer, eu e meu marido tivemos que aprender as nossas custas, quem já tem filhos sabe que estas indicaçoes são preciosas, porque quem ainda não tem, não tem bem a noção…falar é uma coisa, vivenciar é outra…você está de parabens por esta iniciativa de ajudar…

  12. Karen 19/06/2013

    Thais, te leio há pouco mais de um ano e, esse mês, descobri que estou grávida. Resumindo: vim correndo pro teu blog e encontrei esse texto. Creio que ele irá me ajudar muito, mas pra mim não é tão simples assim. Tenho 17 anos (e apesar da pouca idade estou felicíssima com a chegada do bebê) e, apesar do pai registrar a criança e ajudar financeira e simbolicamente, acredito que moraremos em estados diferentes, afinal não ficaremos juntos. Minha mãe (também solteira) está em São Paulo e o pai do meu filho é de Recife. Posso ir pra SP e ter a ajuda familiar, mas são todos muito retrógrados e isso vai influenciar MUITO na criação da criança. É meu primeiro filho e quero ter todo o cuidado do mundo, fazer tudo certinho. E se eu ir pra PE, ficarei sozinha sem auxílio e mimimi. Pelo menos terei uma casa pra morar temporariamente e acompanhar o processo de crescimento do meu bebê da minha melhor forma. O pai também tem um estilo de vida que muito me agrada, o que seria essencial e saudável.

    Bom, eu ainda não estou tão desesperada, rs, estou tentando guiar isso da melhor maneira, mas tenho uma sugestão a fazer: você deveria escrever mais sobre esse tipo de situação. Existem mães solteiras. Como trabalhar e cuidar da casa e do filho nessas circunstâncias?

    É isso. Adoro teu blog, lindeza! Um beijo.

  13. Iara 22/07/2013

    Gosto muito do jeito que você escreve com relação à maternidade. Conheci seu antigo blog “songs for Paul” quando minha filha estava com 1 semana de vida (hoje ela tem 3 anos). A partir dele conheci os livros da encantadora de bebês e consegui manter uma rotina para sono e amamentação, pois com os seus relatos e comentários conseguia entender melhor os conceitos dos livros e isso fez com que eu me acalmasse mais naquele turbilhão que é o “baby blues”. É sério, Thais: OBRIGADA!

  14. Noemi 06/07/2014

    Olá Thais,

    Essas dicas foram muito boas, descobri a gravidez com 26 semanas,e meu esposo e eu vamos passar por tudo sem ajuda da família que está em outro estado.
    Esse é um momento de grande alegria e mudança, cada dica é importante…meu esposo sabe cuidar bem de crianças eu infelizmente não…mas tudo se ajeita!

    😀

  15. Thainá 16/10/2014

    Que post lindo Thá. Eu quero ser mãe e vim parar aqui mais achando que era um post sobre organização pra engravidar do que organização após o nascimento. Mas li assim mesmo e até recomendei pra uma amiga grávida… rs. O que achei legal foi sua sinceridade ao dizer que por mais que a gente se organize, devemos aceitar que muitas vezes o planejado não dará certo, pois não sabemos como será o bebê nem o futuro. Eu era uma pessoa muito orgulhosa e sempre recusava ajuda, mas agora vim até morar perto dos meus pais pra no dia que eu decidi engravidar, poder contar com a ajuda deles. Pior que eu via pessoas que usam da ajuda dos pais como pessoas “abusadas”, vê se pode, e hoje sei que é perfeitamente normal ter essa ajuda. Esse é o lado bom de amadurecer, enxergar pontos de vista que antes não tinhamos.
    Beijosss