ou

Há muitos anos me deparei com um exemplar do livro “A Vida nos Bosques” na estante de uma livraria e me apaixonei no instante em que li a sinopse. Sem pensar muito, levei o livro para casa e devorei em poucos dias. Hoje digo sem dúvida que é o meu livro preferido de todos os tempos. “Walden”, como também é chamado, é o nome do lago onde o autor viveu à beira durante dois anos, em uma pequena cabana (construída por ele mesmo), vivendo de forma auto-sustentável

O livro me transformou muito na época. Saí do meu emprego, terminei um relacionamento, quase mudei de país. Hoje, depois de quase três anos, tenho uma visão muito mais amadurecida do livro, mas igualmente apaixonada. E ele continua me ensinando muito. Um dos trechos:

Alguns dentre vós são pobres, acham duro viver, e estão, por assim dizer, esforçando-se por respirar. Não me resta dúvida de que alguns leitores deste livro não têm meios de pagar todos os jantares que comeram ou os casacos e sapatos que estão depressa se gastando ou já se encontram gastos, e defrontam-se com esta página por conta de uma horinha emprestada ou roubada, passando para trás os credores.

Sim, é extremamente provocativo! Mas por isso mesmo maravilhoso! O livro é inteiro escrito nesse tom e nos obriga a repensar a vida de todas as formas, de finanças a alimentação.

Mais:

Simplicidade, simplicidade, simplicidade! Tenha dois ou três afazeres e não cem ou mil; em vez de um milhão, conte meia dúzia… No meio desse mar agitado da vida civilizada há tantas nuvens, tempestades, areias movediças e mil e um itens a considerar, que o ser humano tem que se orientar – se ele não afundar e definitivamente acabar não fazendo sua parte – por uma técnica simples de previsão, além de ser um grande calculista para ter sucesso. Simplifique, simplifique.

Estou convencido, pela fé e pela experiência, de que se manter sobre a Terra não é uma provação, mas um passatempo – se vivermos de maneira simples e sábia.

Quem avança confiante na direção de seus sonhos e se empenha em viver a vida que imaginou para si encontra um sucesso inesperado em seu dia-a-dia.

Não basta uma informação de como ganhar a vida simplesmente com honestidade e honra, mas que tal ato seja atraente e glorioso, pois se ganhar a vida não for atraente e glorioso não é a vida que se ganha.

Somos vulgares, incultos e analfabetos; e, em relação a isso, confesso que não faço maiores distinções entre o analfabetismo de meus concidadãos que não aprenderam a ler e o que aprendeu a ler somente aquilo que se destinam às crianças e aos intelectos medíocres.

Uma coisa é ser capaz de pintar um quadro especial, ou esculpir uma estátua, produzindo assim objetos de beleza; mas é muito mais glorioso esculpir e pintar a própria atmosfera e a maneira pela qual vemos o mundo. Influir na qualidade do dia – esta é a mais elevada das artes.

Para quem quiser comprar, o link no Submarino. Para quem quiser ler uma tradução alternativa no computador, segue o link. O que não dá é para passar despercebido. Um grande clássico da literatura que, como todos os outros, tem a capacidade de mudar a nossa vida. Além de dar boas lições sobre organização através do desapego. Recomendo para sempre.

Thais Godinho
24/05/2011
Veja mais sobre:
Minimalismo, Simplicidade, Thoreau
22
Minha faculdade de Publicidade
Andamento da mudança em 2016
Nosso apartamento

 

  1. Matheus Mendes 24/05/2011

    Mais um que vai entrar pra lista de “livros para serem lidos antes de morrer” hahaha. Boa dica!

  2. Thais 24/05/2011

    Esse aí tá na minha lista desde que você recomendou, e ainda não consegui ler! Eu tenho o PDF, mas queria impresso. Vou procurar. =)

  3. Cassiel 12/10/2011

    Sem dúvida o meu livro preferido também. Quando terminei de ler, percebi que alguma coisa em mim tinha mudado drasticamente; Pretendo ler mais uma vez porque são tantos ensinamentos que é difícil assimilar todos de uma vez só. Parabéns pelo post!

  4. […] cerca de três anos, quando eu li o Walden, larguei tudo e fiz um declutter geral na minha vida, eu entrei no ano seguinte decidida a viver […]

  5. Elisandro 02/01/2012

    Ótima dica, Thais. Gostei muito do blog. Ótimo 2012!

  6. Camila Maria 12/06/2012

    Mermão, que blog é esse velho???????
    Tudo que eu precisava nessa área! Deus é lindo né?
    Tanta dificuldade pra me organizar… comecei orar: “Deeeeeus, me ajude, como é que eu vou dar conta de tudo?” e aí, PLIM!!! Achei esse blog maravilhoso.

    Brigada mesmo Thaís, depois posso postar aqui os resultados, que certamente terão.

    Abraço!!

  7. […] tivesse radicalizado, talvez não descobrisse nunca o equilíbrio. Fui de um extremo ao outro. Li o Walden. Saí do meu emprego, comecei a viajar para fazer trilhas, queria uma vida mais simples – […]

  8. Elaine Valeria 14/09/2012

    Prezada Thais,

    Eu não sei dizer como é que cheguei ao seu blog. Mas sei dizer que gosto MUITO do visual, do texto fluente, da atenção que você dá aos seus leitores.
    Só passei aqui para dizer que comecei a ler o Walden depois de ter lido o seu post. E estou adorando!
    Obrigada por compartilhar tantas ideias interessantes…

  9. Lúcia 27/09/2012

    Nem sei como cheguei ao seu blog, mas ele é simplesmente excelente e adorei a dica de leitura e todo o resto.

  10. Gilson Sacramento 23/11/2012

    ´´Influir na qualidade do dia – esta é a mais elevada das artes´´. Essa frase é muito importante porque deixa claro o quanto temos o poder de melhorar nosso agora.

  11. Bruna 28/10/2013

    Meu namorado tem esse livro e estou super empolgada para Lê-lo. Parece ser realmente muito bom!

  12. […] vamos unificando nosso visual. Não sei se é uma coisa só minha, mas acho isso importante. Lá no Walden o Thoreau diz: “desconfie de empregos em que você precise de roupas novas”, porque […]

  13. […] Thoreau, escritor do recomendadíssimo livro Walden, dizia que tinha orgulho de saber que todos os pertences dele caberiam em um carrinho de mão. […]

  14. Estou de mãos dados com todos Vcs. no sentido de buscar uma maneira de ser MUITO RICO com MUITO POUCO!

    Vivemos uma ERA DO MUITO!

    Ninguém nos obriga a isso!

    Ficamos vitimados em função de escolhas pessoais!

    Fomos seduzidos, somos vitimados como o Sapo vai arrastando para a boca da Cobra!

    Acabamos sem perceber enfim, que fomos engolfados pela garganta consumista do dragão!

    Ficamos correndo pra lá e pra cá usando uma fita métrica comparando quem está melhor e quem está pior do que nós, pelas abarências dos penduricalhos e badalangandãs materiais!

    é nessa, uma força tão pródiga estipula as nossas normas de conduta, ou seja outros que adoram fazer isso, ficam pilotando nossos aviõezinhos!!!!

    Temos de nos desvencilharmos deste Véu de Maya!

    Queremos e precisamos viver para uma nova ordem que nome não interessa!

    Simplicidde voluntária, frugalidade, são os fundamentos basais para um novo ILUMINISMO, para um novo porvir, no entendimenteo de que já vivemos a Era do Pai, estamos terminando a Era do Filho e adentrando a Era do ESPÍRITO SANTO!

    Estou no momento de minha vida costurando o viver entre cidade e campo!

    Sou Psicoterapeuta e misturo Naturopatia em meu trabalho e no momento, estou formando floresta consorciado com fruticultura, no enfoque Agro floresta/ Permacultura!

    ” Eu encontre o meu mundo próprio, donde ser natural e minha única espiritualidade!” Luzes!

  15. janaina Imperiano 19/10/2014

    Estou amando seu blog, irei fazer todas suas dicas. E esse livro vai ser um deles. Bjs

  16. […] vamos unificando nosso visual. Não sei se é uma coisa só minha, mas acho isso importante. Lá no Walden o Thoreau diz: “desconfie de empregos em que você precise de roupas novas”, porque […]

  17. […] Há uns seis anos, eu promovi esse destralhamento geral na minha casa e, tal qual a Marie fala, isso se refletiu na minha vida. Terminei um relacionamento, pedi demissão do meu emprego e abri mão de uma série de coisas e sentimentos que eu pensava, na época, não serem importantes para mim. Eu já comentei sobre essa fase aqui no blog (clique aqui para ler um dos textos sobre isso). […]

  18. […] Thoreau, escritor do recomendadíssimo livro Walden, dizia que tinha orgulho de saber que todos os pertences dele caberiam em um carrinho de mão. […]

  19. […] também de um trecho do Thoreau (Walden, ou a vida nos bosques), em que ele diz que um homem (sic) deve ter objetos suficientes que caibam em um carrinho de mão. […]

  20. […] também de um trecho do Thoreau (Walden, ou a vida nos bosques), em que ele diz que um homem (sic) deve ter objetos suficientes que caibam em um carrinho de mão. […]

  21. […] também de um trecho do Thoreau (Walden, ou a vida nos bosques), em que ele diz que um homem (sic) deve ter objetos suficientes que caibam em um carrinho de mão. […]