Eu procuro simplificar todos os meus processos no dia-a-dia. Uma coisa que eu faço questão de fazer é anotar todos os meus gastos. Sim, é chato e trabalhoso, mas depois que vira um hábito, você não consegue mais deixar de anotar. A mudança que ocorre no nosso cérebro quando passamos a anotar os gastos é tamanha que o controle fica muito maior. Confesso que passei a gastar muito menos depois que anotar as despesas virou um hábito incorporado ao meu dia-a-dia.

Como eu anoto? No rodapé de cada dia na minha agenda e, de noite, passo para o Finance Mobile (um aplicativo gratuito do iPhone que também pode ser utilizado no iPad). Se você tiver iPhone ou iPod, pode atualizar a qualquer momento. Trata-se de um aplicativo onde você define seu orçamento para cada gasto (despesas de trabalho, roupas, farmácia e n outras categorias) e, ao longo do mês, ele vai mostrando uma barra com o que você já gastou e quanto resta. É maravilhoso terminar o mês com a barra verdinha!

Imagem ilustrativa do aplicativo
(não são as minhas finanças)

Mas não se preocupe, que você não precisa ter esse aplicativo para se organizar. Basta criar uma planilha com seus gastos e somá-los ao final da coluna. Se tiver um nível básico de Excel, poderá substrair do orçamento e ter um resultado final bem parecido.

Fazer isso foi essencial para controlar meu orçamento. Além de você controlar quanto você gasta, você pode fazer mudanças – se gasta mais do que ganha, o que pode ser cortado? Quanto sobra para guardar todo mês em uma caderneta de poupança ou fazer um investimento?

Outra decisão que fez muita diferença na minha vida foi não adquirir um cartão de crédito. Há cerca de dois anos, cortei cada um dos meus cartões em pedacinhos e cancelei as contas. Hoje em dia, muitas vezes fico tentada a fazer um cartão para comprar pela internet com mais facilidade, especialmente compras coletivas. Mas sei que parte do meu orçamento estar sob controle é justamente o fato de não usar cartão de crédito. Então vou levando como for. Se você tem cartão de crédito, aconselho a ter somente um (para não pagar muitas taxas anuais) e a deixá-lo em casa, para evitar compras por impulso.

Acho que o mais importante, no final das contas, é ter a consciência de consumir menos. Ontem mesmo vi uma revista interessante e a peguei para comprar mas, a caminho do caixa, vi uma ainda mais interessante. Eu poderia ter levado as duas, mas pensei: “existem dezenas de revistas interessantes. O que fazer, comprar todas? Não, então é melhor não levar nenhuma”. E assim eu economizei 20 reais.

Comprar direito também faz parte da minha “técnica”. Adoro moda e vejo minhas roupas como um acervo pessoal que compôe a minha imagem para o mundo. Assim, só compro uma roupa ou acessório que tenha ficado sensacional em mim, e não coisas meia-boca compradas “só por comprar”. Isso me permite pagar mais caro em artigos de qualidade, porque compro menos. Sou aquela pessoa que prefere comprar uma bota de couro durável por R$200 a comprar quatro sapatilhas por R$50 cada, ou mesmo uma bota de qualidade duvidosa pela metade do preço. Produtos bons e baratos: esses são os melhores! Mas precisa saber garimpar. Roupas antigas costumam ter tecidos melhores e, sempre que posso, vou a brechós dar uma olhada. Compro roupas para durar para sempre, então artigos descartáveis de fast-fashion dificilmente passam pelo meu filtro (a não ser que seja algo irresistível e barato).

Diminuir o número de tralhas em casa também facilita no dia-a-dia, porque fico me perguntando: “terei espaço para mais uma coisa naquela estante?”. Esse raciocínio ajuda demais, especialmente se você sofre com problemas de espaço. Deixei de comprar muita, mas muita coisa mesmo porque pensei na preguiça de levar mais uma tralha para casa.

Contas a pagar: tenho uma pasta pequena simples onde mantenho as contas do mês. À medida que elas vão sendo pagas, passo para uma pasta sanfonada com 12 divisórias (uma para cada mês), que mantenho por cinco anos (tenho sempre cinco pastas de contas arquivadas, então). E sim, costumo pagar todas de uma vez, e nunca depois do vencimento. As com vencimento até o dia 20 eu pago quando recebo meu salário e as que vencem depois dessa data eu pago quando recebo o vale. Costumo guardar canhotos de débito importantes também, como compras. Tudo na aba do mês em questão.

Contas no banco: concentro os pagamentos em uma conta corrente e deixo outra para poupança, com uma única movimentação mensal.

Gastos fixos X gastos variáveis: no orçamento que estabeleço no Finance Mobile, coloco as contas fixas e monto um orçamento variável com base no que gastei nos últimos meses (e procuro não ultrapassar esse orçamento). Por isso é importante anotar os gastos: para ter uma noção do quanto você gasta no dia-a-dia com tudo.

E é assim que eu organizo as minhas finanças no dia-a-dia. E você?

26 Comentários

    • Verdade Adriane, muitas pessoas se deixam levar por compras de impulso, se você deixa seu cartão de crédito em casa deixa de comprar varias tralhas, rsrsrs.

  1. >Oi Thais, há pouco mais de um ano uso uma planilha com base nisso que vc fala no post, não vou dizer que faço tudo 100% como está lá, as vezes sou pouco obstinada, mas já aprendi muito, palavra de quem já se viu meio enforcada com o cartão de crédito! Suas dicas são ótimas, sempre as leio, as vezes até repetidamente! bjux

  2. >Eu concordo plenamente com vc. Anotar os gastos nos ajuda a consumir menos. Eu faço tabelas simples no word. Guardo todas as notinhas e tenho uma pastinha para elas. Quase nao uso cartao de credito, so para compras de internet e casos especiais. Ah, queria dizer q fiz a minha mudança esse feriado e suas dicas foram mto uteis, especialmente aquela de anotar num caderninho oq ia em cada caixa. Adoro o blog! Bjos!

  3. >Obaa, não conhecia esse app. Já baixei, vamos ver se me adapto, porque realmente estou precisando de alguma coisa mais "prática" pra organizar as finanças.Costumo anotar meus gastos desde o nascimento da primogênita (uns 6 ou 7 anos atrás). Porque sério, as fraldas me desequilibraram MUITO no começo. Anoto em uma agendinha bem pequena, daquelas com 3 dias por página, e no final do mês categorizo e somo. Dá um trabalho, viu…As contas, eu tb organizo em uma pastinha com divisórias, mas ajunto por temas, e náo por mês como vc. Tipo, uma divisória para contas de telefone, uma de contas de luz, uma de despesas médicas (dedutíveis no IR), etc. Tenho duas: uma para o ano atual e outra para anos passados, q já está meio gordinha… Preciso ver o q tem mais de 5 anos pra jogar fora… Como eu sempre coloco as mais recentes na frente, é fácil de localizar depois.Esse é meu jeitinho! #xuxafeelings

  4. >Oi Dri, eu cheguei a me organizar assim (contas por categorias), mas como guardo os débitos, por mês ficou mais prático.O ideal mesmo seria organizar por tags na vida real!

  5. >Oi Thais!Nossa, se tem uma coisa que eu gosto de organizar é o dinheiro. Eu podia receber o salário mínimo que todos os meses fazia tudo o que precisava e ainda guardava uma parte na poupança. A chave disso pra mim é o que vc falou: estabeleço até x reais para cada categoria e vou descontando dali até acabar. E se acabar, acabou! Não deixava de colocar na poupança pra 'torrar' um extra que apareceu…Se todos organizassem seus gastos conforme a renda seria outra história!Até minha mãe saldou as dívidas dela depois de me ouvir e, hoje tem um caderno que anota até cada bala que compra pra não se perder outra vez.Abraços! Amo seu blog!Juliana.

  6. >Eu anotei por muitos anos, até que parei de sentir a necessidade. Anotava especialmente nos anos de estudante vivendo em outra cidade sem meus pais e depois vivendo de bolsa aqui. Mas é uma coisa crucial para aprender a se controlar e conhecer seus padrões de consumo (e saber "como que o dinheiro sumiu esse mês!", rs).Incrível como cada uma tem um sistema, a gente faz um orçamento geral no Excel e guardo as contas numa pasta sanfonada tb, mas acho mais fácil ter uma pasta com 20 abas pra cada ano. Aí cada aba é uma conta e dentro dessa aba vai em ordem por mês. Acho mais fácil de achar assim.Sobre cartão de crédito, acho que o problema não é ter cartão, mas não pagar a fatura total que é o que 99% das pessoas fazem. Aqui a gente usa mas quando chega a fatura, paga tudo. Assim funciona praticamente como um cartão de débito, e a gente usa mais porque ganha pontos que viram milhas aéreas! Uma coisa que eu aprendi com o Ben foi a só comprar a vista, o que demorou pra minha cabeça brasileira entender. No Brasil o problema não é só cartão, mas todo mundo usa cheque pré, divide em 3 até 24 (!!!!) vezes, faz crediário. É dívida do mesmo jeito. Aqui a política que o Ben me ensinou é simples: se não podemos comprar a vista ali na hora, é porque não podemos ter aquele bem ainda. Simples assim, chora, aceita e junta para comprar depois, rs. Aqui nunca compramos nada nem pré nem parcelado, e funciona bem. A única exceção vai ser a casa, porque aí não dá, rs.Bjos

  7. >Thais, fatura total sempre. Você tem toda razão… a maioria das pessoas que se afoga nas dívidas é porque paga menos que o valor total.

  8. >Voltei só pra dizer q o app é mesmo muito bacana! Só senti falta de uma coisa: dá pra exportar o histórico para o computador? Pq eu penso q daqui a algum tempo vou comprar outro ipod, né? E se ele quebrar, ou roubarem? Não tem como fazer backup?Só senti falta disso. Se tiver essa opção, e eu que não achei, ficou perfeito!

  9. Amei a dica das pastas para organizar contas pagas e a pagar. Depois que pus em prática nunca mais perdi faturas nem comprovantes de contas pagas! Ótimo blog! Visito diariamente. Beijos 😉

  10. Olá,

    Tenho hábito de anotar tudo também. É bom porque passamos a ter a noção do que está levando o dinheiro embora e pode tomar alguma atitude para reduzir esse gasto. Também raramente uso o cartão de crédito e sempre pago o total.

    A única coisa que eu teria a dizer a você, como sugestão, é o seguinte. No segundo parágrafo vc diz: “Quanto sobra para guardar todo mês em uma caderneta de poupança ou fazer um investimento?” Eu digo que a gente não deve esperar “sobrar” para depositar na poupança ou fazer um investimento. Na verdade, o depósito na poupança ou outro investimento deve ser a primeira coisa a fazer no mês, antes mesmo de pagar as contas, antes de tudo. Estipule uma quantia, ou uma porcentagem do dinheiro que recebe e deposite todo mês, mas tem que ser a primeira coisa, logo que receber. Com o tempo vc se acostuma a viver sem aquele dinheiro.

    Leia o livro “O homem mais rico da Babilônia”, é um livro fininho e baratinho. Deve ter até em pdf. O livro trata desse assunto.

  11. quero dicas sobre como gerir as minhas finanças mensal, já que tenho apenas um rendimento mensal

  12. Thaís, você continua usando o Finance Mobile? O meu parou de funcionar há algum tempo, começou pedir um PIN para entrar, e agora não está mais disponível na app Store. Você tem alguma notícia???

  13. Oiii, Thais!
    Você já usou a agenda kakebo? Conte sua experiência, se já tiver usado! Estou pensando em usar,
    pelos aplicativos não estou conseguindo ter uma visão geral boa (mensal e anual).
    Beijo!

DEIXE UMA RESPOSTA