ou
  • Tire a roupa de cama pesada e, se necessário, mande para a lavanderia.
  • Guarde o que, de alguma forma, for relacionado ao verão (uma colcha com estampa tropical, talvez?)
  • Tire do guarda-roupa todas as peças de roupa que só podem ser usadas no calor, de biquínis a regatas.
  • Coloque de volta as roupas de inverno, incluindo aquela blusa enorme de lã que você usa apenas para ficar em casa.
A melhor maneira de guardar as roupas de verão é armazenar em uma mala de viagem e colocar na parte de cima do armário. Você também pode usar uma caixa grande plástico com tampa. Depende do seu espaço. O que é importante é liberar espaço para não ter que ficar procurando blusas de manga comprida em meio a camisetinhas de malha fina na hora de sair correndo de casa.
Thais Godinho
29/04/2011
Veja mais sobre:
7
Antes e depois: sala da leitora
Questões práticas sobre a despensa de alimentos
Simplificando: nossa nova rotina de alimentação em casa

Destralhar é o novo termo que você verá por aqui! Um dos meus princípios de organização é: não dá para organizar tralha. Casa organizada é casa sem tralha, e tralha é tudo aquilo que não precisava estar ali, que você não ama, que não é útil nem tem significado especial para você. Veja três lugares que você pode destralhar em minutos:

  1. Sua mesa de trabalho. Tire papéis desnecessários, excesso de clips e canetas, além de objetos que não precisam estar ali.
  2. Sua geladeira. Estou falando do lado de fora mesmo: para que tantos ímas?
  3. Seu quadro de recados. Daqueles de cortiça ou magnéticos, sabe? Se você tem um, certamente precisa fazer uma faxina geral nele, tirando post-its com recados que já venceram.
Estão aí três lugares que nunca lembramos de destralhar. Você tem mais alguma sugestão? Diga nos comentários!
Thais Godinho
29/04/2011
Veja mais sobre:
Destralhar
10
Decoração para o verão
Dá para ter uma vida organizada em tempos de crise?
O que eu aprendi com a terceira mudança de casa que eu fiz

Eu procuro simplificar todos os meus processos no dia-a-dia. Uma coisa que eu faço questão de fazer é anotar todos os meus gastos. Sim, é chato e trabalhoso, mas depois que vira um hábito, você não consegue mais deixar de anotar. A mudança que ocorre no nosso cérebro quando passamos a anotar os gastos é tamanha que o controle fica muito maior. Confesso que passei a gastar muito menos depois que anotar as despesas virou um hábito incorporado ao meu dia-a-dia.

Como eu anoto? No rodapé de cada dia na minha agenda e, de noite, passo para o Finance Mobile (um aplicativo gratuito do iPhone que também pode ser utilizado no iPad). Se você tiver iPhone ou iPod, pode atualizar a qualquer momento. Trata-se de um aplicativo onde você define seu orçamento para cada gasto (despesas de trabalho, roupas, farmácia e n outras categorias) e, ao longo do mês, ele vai mostrando uma barra com o que você já gastou e quanto resta. É maravilhoso terminar o mês com a barra verdinha!

Imagem ilustrativa do aplicativo
(não são as minhas finanças)

Mas não se preocupe, que você não precisa ter esse aplicativo para se organizar. Basta criar uma planilha com seus gastos e somá-los ao final da coluna. Se tiver um nível básico de Excel, poderá substrair do orçamento e ter um resultado final bem parecido.

Fazer isso foi essencial para controlar meu orçamento. Além de você controlar quanto você gasta, você pode fazer mudanças – se gasta mais do que ganha, o que pode ser cortado? Quanto sobra para guardar todo mês em uma caderneta de poupança ou fazer um investimento?

Outra decisão que fez muita diferença na minha vida foi não adquirir um cartão de crédito. Há cerca de dois anos, cortei cada um dos meus cartões em pedacinhos e cancelei as contas. Hoje em dia, muitas vezes fico tentada a fazer um cartão para comprar pela internet com mais facilidade, especialmente compras coletivas. Mas sei que parte do meu orçamento estar sob controle é justamente o fato de não usar cartão de crédito. Então vou levando como for. Se você tem cartão de crédito, aconselho a ter somente um (para não pagar muitas taxas anuais) e a deixá-lo em casa, para evitar compras por impulso.

Acho que o mais importante, no final das contas, é ter a consciência de consumir menos. Ontem mesmo vi uma revista interessante e a peguei para comprar mas, a caminho do caixa, vi uma ainda mais interessante. Eu poderia ter levado as duas, mas pensei: “existem dezenas de revistas interessantes. O que fazer, comprar todas? Não, então é melhor não levar nenhuma”. E assim eu economizei 20 reais.

Comprar direito também faz parte da minha “técnica”. Adoro moda e vejo minhas roupas como um acervo pessoal que compôe a minha imagem para o mundo. Assim, só compro uma roupa ou acessório que tenha ficado sensacional em mim, e não coisas meia-boca compradas “só por comprar”. Isso me permite pagar mais caro em artigos de qualidade, porque compro menos. Sou aquela pessoa que prefere comprar uma bota de couro durável por R$200 a comprar quatro sapatilhas por R$50 cada, ou mesmo uma bota de qualidade duvidosa pela metade do preço. Produtos bons e baratos: esses são os melhores! Mas precisa saber garimpar. Roupas antigas costumam ter tecidos melhores e, sempre que posso, vou a brechós dar uma olhada. Compro roupas para durar para sempre, então artigos descartáveis de fast-fashion dificilmente passam pelo meu filtro (a não ser que seja algo irresistível e barato).

Diminuir o número de tralhas em casa também facilita no dia-a-dia, porque fico me perguntando: “terei espaço para mais uma coisa naquela estante?”. Esse raciocínio ajuda demais, especialmente se você sofre com problemas de espaço. Deixei de comprar muita, mas muita coisa mesmo porque pensei na preguiça de levar mais uma tralha para casa.

Contas a pagar: tenho uma pasta pequena simples onde mantenho as contas do mês. À medida que elas vão sendo pagas, passo para uma pasta sanfonada com 12 divisórias (uma para cada mês), que mantenho por cinco anos (tenho sempre cinco pastas de contas arquivadas, então). E sim, costumo pagar todas de uma vez, e nunca depois do vencimento. As com vencimento até o dia 20 eu pago quando recebo meu salário e as que vencem depois dessa data eu pago quando recebo o vale. Costumo guardar canhotos de débito importantes também, como compras. Tudo na aba do mês em questão.

Contas no banco: concentro os pagamentos em uma conta corrente e deixo outra para poupança, com uma única movimentação mensal.

Gastos fixos X gastos variáveis: no orçamento que estabeleço no Finance Mobile, coloco as contas fixas e monto um orçamento variável com base no que gastei nos últimos meses (e procuro não ultrapassar esse orçamento). Por isso é importante anotar os gastos: para ter uma noção do quanto você gasta no dia-a-dia com tudo.

E é assim que eu organizo as minhas finanças no dia-a-dia. E você?

Thais Godinho
28/04/2011
Veja mais sobre:
, Como eu me organizo
26
Minha checklist diária
Mudanças de perspectiva geram resultados imediatos
18 maneiras de economizar dinheiro em casa