Categoria(s) do post: Liderança, Holacracia

Como estamos em um processo de construção de holacracia aqui na empresa, é comum surgirem dúvidas sobre esse modelo de gestão e eu penso que, compartilhando aqui como temos feito, isso possa ser como uma espécie de diário de bordo para nós e também pode ajudar outras pessoas em circunstâncias semelhantes.

Do meu ponto de vista, um dos maiores ganhos da holacracia é a definição de papéis, mais do que cargos. Nos papéis, são definidas as responsabilidades. Não se centralizam as responsabilidades em uma pessoa específica, mas nos papéis, e os papéis são preenchidos por pessoas. Isso facilita qualquer tipo de transição, quem está no papel conhece seu escopo com clareza e também diminui a coisa dos egos, pois você “não é o seu cargo”. A empresa é vista como um organismo vivo em que há diferentes papéis em atuação.

Na prática, significa que uma pessoa não atribui uma atividade à “Thais”, mas sim à “criadora de conteúdo”, à “professora” – papéis que são desenvolvidos por mim. A diferença é sutil mas é importante. Existe uma diferença entre o papel e a alma, como o Brian Robertson (criador da Holacracia) costuma falar (link para o livro dele). Em um mundo em que as pessoas costumam se definir pelo cargo que está em seus crachás, falar em responsabilidades é uma diferença de paradigma relevante. Eu não sei vocês, mas eu já trabalhei em vários lugares em que conflitos bobos surgiam no dia a dia de trabalho simplesmente porque as pessoas levavam para o lado pessoal questões relacionadas aos seus cargos. É uma bobagem mas faz muito parte da vida da maioria das pessoas que trabalha no meio corporativo, e isso atrapalha pra caramba o fluxo de trabalho. Com a ideia de papéis, isso não existe.

Brian reforça: “o foco da holacracia está em diferenciar claramente os indivíduos e os papéis que desempenham. A estrutura da organização é definida pelas funções de que necessita para perseguir seu propósito, sem referência a pessoas específicas na empresa. Elas vêm depois, para energizar aqueles papéis”.

A grande questão não é mais sobre “o que eu faço”, mas sobre o que cada papel demanda e quem pode assumir no momento, ou se é um papel que precisa de alguém de fora pois ninguém no time tem competência ou disponibilidade para ele. Um exemplo meu. Temos um papel na empresa que é de “designer”. Eu que ocupo esse papel hoje, simplesmente porque gosto, porque estamos formando a identidade do Vida Organizada. Chegará um momento em que provavelmente outra pessoa assumirá esse papel. E tá tudo certo e definido para ela.

Para definir um papel, de acordo com a holacracia, você precisa ter três elementos nele:

  1. O propósito daquele papel. Por que ele existe.
  2. Os domínios, que são onde aquele papel tem autonomia exclusiva para controlar em nome da organização.
  3. Responsabilidades. Ações esperadas que aquele papel desempenhe para a organização.

O mais legal é que os papéis são dinâmicos, revisados mensalmente. Claramente definidos, fica fácil para quem o exerce e para as outras pessoas, que sabem para onde direcionar as demandas e o que esperar de cada um. Se de repente surgir uma tarefa que ninguém sabe onde “se encaixa”, a gente leva para a próxima reunião mensal de Governança (vou falar sobre ela em um futuro post) para que ela possa ser explicitamente atribuída a um papel ou, talvez, até um novo papel seja criado.

A definição de papéis foi uma das primeiras coisas que me chamaram atenção na holacracia porque, de modo geral, no mundo corporativo, você vê algo parecido apenas quando a pessoa se candidata a uma vaga, vendo o escopo da mesma no site da empresa, por exemplo, e talvez no máximo na análise anual para o seu P.D.I., e isso não é suficiente. Na holacracia, você tá ligado quase que diariamente nas atribuições do seu papel porque muitas responsabilidades demandam uma recorrência diária, por exemplo, então faz parte do seu escopo executá-las para manter “a máquina rodando”.

Com o aumento da complexidade do trabalho, os papéis podem ir se agrupando com outros semelhantes, formando círculos. Isso também pretendo explorar em outro post.

Aqui no VO hoje estamos justamente nessa fase nova de rediscussão dos papéis nas reuniões de Governança em junho. Por hora, estamos assim, mas certamente teremos mudanças nessas células até o mês que vem. 🙂

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Eu estou escrevendo este post no último dia de um evento de três dias (virtual) que estou participando, de um grupo de mentoria que faço parte, em que das 9h às 19h você fica em palestras de 15 minutos direto, o dia todo, com um intervalo de meia hora para o almoço. Mesmo sendo em casa, é cansativo intelectualmente, porque não apenas fico assistindo as palestras como tendo ideias e “atacando o mínimo viável diário” ao longo do dia. E foi bem interessante observar como a minha energia oscilou ao longo dos dias.

Do Instagram @vidaorganizadaoficial

Por exemplo, no primeiro dia, eu fiquei muito, muito pilhada. De noite, depois do evento, fiquei fazendo planejamentos, tendo um milhão de ideias, reenergizada. No dia seguinte, dia 2, eu acordei 4:30 sem despertador, motivada para começar o dia. Fiz minha prática de yoga até para conseguir dar uma aterrada e segurada. Na parte da tarde, eu estava super cansada, cérebro morrendo mesmo. Quando o evento acabou, fechei o computador e deixei meu caderno em cima, o que significa que eu definitivamente não ia pensar em mais nada do evento depois, hahaha. Meu marido até sabe que, quando não saio com meu caderno do home-office, é porque estou mais cansada. E hoje, o terceiro dia, acordei mais tarde, no limite do horário, me sentindo super cansada, mesmo tendo ido dormir cedo. Porque os últimos dias foram intensos pacas. E olha que eu tomei algumas providências para esses dias, que foram:

  • No meu planejamento do mês, já avisei a equipe sobre esse evento para que a gente pudesse se organizar e não ter mais eventos e reuniões esta semana, justamente para que eu conseguisse ficar dedicada intelectualmente a este encontro.
  • Não agendei nada nos dias do encontro além do evento em si. Planejamento semanal ajudou a antecipar algumas coisas que eu precisaria fazer nos dois dias antes do evento e funcionou perfeitamente.
  • Sono bom, alimentação saudável, manter atividade física, focar no descanso e lazer de noite e aproveitar os intervalos para descansar e não fazer “mais coisas”. Beber muito mais água que o normal para hidratar o corpo e a mente.
  • Agenda e lista de afazeres com o essencial e foco no mínimo viável diário, sem querer ficar inventando moda fazendo coisas a mais em dias já naturalmente cheios.
  • Dizer muito NÃO o tempo todo. Ser enfática com isso porque simplesmente não cabe.

Hoje, que é o último dia do evento, eu sei que já estou mais cansada, então reforço todos os pontos acima, especialmente os de bem-estar. E quis compartilhar com vocês porque a organização está no dia a dia, nas pequenas e grandes coisas que a gente faz. Espero que o post tenha sido útil. 🙂 Tenha um bom dia.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Novidades

Nossa aula da quarta-feira que vem seria sobre organização do menu semanal mas ela estava tão grande que eu resolvi quebrar em mais uma. Cinco, na verdade, mais curtinhas. 🙂 Nasceu então a ideia desse breve evento, que acontecerá todos os dias na semana que vem em um horário alternativo: 17h07 (Brasília).

Serão 5 dias para você aprender comigo como organizar a sua rotina de alimentação e planejar as refeições da sua casa

  • Dia 1
    Por que planejar um menu semanal
    & como criar seu planejamento
  • Dia 2
    Aprenda a criar um inventário da despensa,
    listas de compras e organizar suas receitas
  • Dia 3
    Como encontrar tempo para cozinhar
    e planejar suas marmitinhas para a semana
  • Dia 4
    Lidando com questões mais comuns: a alimentação da família, compras estão caras no mercado e outras
  • Dia 5
    BÔNUS: Minha transição para o veganismo e a experiência com o Ayurveda na minha alimentação

Para participar, faça parte de nosso novo canal no Telegram, pois os links das aulas e dos materiais será enviado por lá! 🙂 Te vejo essa semana. Obrigada!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.