03 Jul 2015

Livros que podem ajudar com o auto-conhecimento

Como o tema do blog este mês é Conheça a si mesmo, eu achei que seria legal apresentar, logo no início do mês, algumas indicações de livros que possam ajudar nesse processo de se conhecer.

Eu selecionei nove livros e gravei um vídeo falando um pouco sobre eles. Espero que gostem. (Se não estiver visualizando o vídeo abaixo, clique aqui para acessar no YouTube).

Qual é a tua obra? (Mario Sergio Cortella)

Mario Sergio Cortella é escritor, filósofo e professor e muitos dos seus livros são indicados por tratarem desse tema de auto-conhecimento. Eu selecionei este porque é de uma leitura leve e rápida, como se você levasse um soco no estômago mesmo ao lê-lo, porque vai direto ao ponto: Por que você está aqui nesse planeta? Qual será o seu legado? Um livro especialmente indicado para quem está um pouco perdido na vida sem saber muito bem o que fazer com relação ao trabalho e à carreira

O poder do hábito (Charles Duhigg)

Neste livro, o autor conta, em forma de histórias, como a nossa vida é regada por hábitos e como fazer para mudá-los. Que hábitos são mais importantes? Por que alguns hábitos puxam outros? Por exemplo: quando alguém corta o cabelo, é promovido no emprego? Ou, quando perde 10kg, consegue tocar um instrumento? Eu particularmente não gosto de livros que se pautam em histórias, acho que a leitura fica lenta. Apesar de não ser uma leitura muito rápida e o livro ser um calhamaço, vale a pena para quem tem interesse em saber mais sobre os hábitos e como mudá-los.

Não diga SIM quando quer dizer NÃO (Dr. Herbert Fensterheim e Jean Baer)

Já fiz resenha desse livro aqui no blog de tanto que gostei e achei pertinente ao assunto organização. No geral, muito do que fazemos na vida tem a ver com não saber dizer não. De onde vem isso e como podemos alterar esse padrão? O livro é excelente. Você pode ler a resenha completa que eu fiz aqui.

Inteligência emocional (Daniel Goleman)

Daniel Goleman é PhD e publicou diversos livros sobre a sua inteligência emocional e, recentemente, o best-seller sobre foco. Segundo ele, a teoria da inteligência emocional redefine o que é ser inteligente. Esse livro fez sucesso quando foi lançado, nos anos 90, porque trouxe a público uma ideia até então não pensada: que não só o conhecimento influencia na inteligência da pessoa, mas também o seu emocional – como ela lida com as coisas. A teoria foi sucesso absoluto e até hoje é citada e respeitada. Vou ser sincera: os livros do Daniel Goleman não são fáceis de ler, são densos, mas trazem muito conteúdo bom. Se você tiver interesse em desbravar, certamente não vai se arrepender. Mas não espere ler o livro em uma sentada no final de semana.

Oito passos para a felicidade (Geshe Kelsang Gyatso)

Quando se fala em auto-conhecimento, acredito que todo mundo que tenha uma religião deva buscar algum autor ou livro favorito (que seja a Bíblia) para ajudar no auto-conhecimento. No meu caso, eu gostaria de indicar este livro, pois ele abrange muitas condições humanas que podem trazer felicidade (ou infelicidade…) e como lidar com elas de acordo com os preceitos budistas.

O discurso “Faça boa arte”, de Neil Gaiman

Este é um pequeno livro com a transcrição que o autor Neil Gaiman fez em uma universidade de artes em 2012. Apesar de pequeno, o texto é forte e eu mesma gosto de reler sempre que me sinto um pouco desanimada com a vida. A leitura é rápida e agradável – pode ser feita em menos de uma hora. Mas o impacto que trará na sua vida, em termos de: “ok, e agora, o que eu quero da minha vida?”, será fulminante.

Geração de valor (Flávio Augusto da Silva)

Aproveitando que estamos falando sobre trabalho – e que trabalho tem a ver com a nossa missão na vida, nos dá sentido, e não estou falando sobre empregos -, é muito importante citar este livro do Flávio Augusto, que é um compêndio de tudo o que ele vem escrevendo em sua fan page e blog incentivando pessoas a empreenderem e encontrarem seu lugar nesse mundo. Eu acho que tem muito a ver com auto-conhecimento porque nos incentiva a pensar sobre o que estamos fazendo e sobre como estamos investindo o nosso tempo na vida.

Roube como um artista (Austin Kleon)

Este é um livro que ensina sobre como desbloquear sua criatividade. Se você estiver precisando de inspiração para fazer alguma coisa, este livro traz dez dicas em um formato bem-humorado sobre como fazer acontecer sendo coerente com quem você é – e mais: te ajudando a descobrir quem você é no meio do caminho. É uma leitura fácil e agradável, que recomendo a todos.

Equilíbrio e resultado (Christian Barbosa)

Por último, gostaria de indicar meu livro preferido do Christian, que também é autor do best-seller “A tríade do tempo”. Esse livro é praticamente um guia para você conseguir analisar todas as suas áreas da vida (que eu comentei no editorial) e sobre como você pode conciliá-las e conseguir o equilíbrio que tanto busca. O Christian estava inspiradíssima ao escrever esse livro e eu sempre releio alguns trechos de tempos em tempos, de tanto que eu gosto do texto. É basicamente um livro sobre ideias e o que fazer com elas para que se tornem realidade dentro de uma vida equilibrada.

Certamente existem muitos outros livros que nos inspiram a buscar o auto-conhecimento, mas esses que eu selecionei foram os que considerei mais relevantes para passar neste momento. Você já leu algum desses livros? Tem outros para indicar? Por favor, poste nos comentários!

02 Jul 2015

Recado importante: Sobre workshops online e em outros estados e outras iniciativas do blog

Olá pessoal! Estou escrevendo este post como um recado, porque estou recebendo mensagens sobre o assunto e respondendo a mesma coisa cerca de 12 vezes por dia… então pensei: mais fácil escrever um post para todos! :) Porque aí todos ficam sabendo também.

Até 2014, o blog Vida Organizada era apenas um blog. Com a publicação do meu livro, ele passou a ser também um canal para divulgação do meu trabalho, além de ser alimentado diariamente com muito conteúdo sobre organização – o que já faço há quase dez anos. O blog tem mais de 2 mil textos e novos textos a cada dia que passa.

Em 2015, como uma forma de ter um contato mais próximo com os leitores do blog, eu resolvi colocar em prática uma ideia que era um sonho faz tempo: realizar workshops presenciais. Alguns de vocês devem trabalhar ou já podem ter se envolvido em organização de eventos e podem dizer como o processo é complexo e demanda muito trabalho, muita dedicação de tempo.

Então é importante dizer que, apesar de o workshop acontecer em um dia, uma vez por mês, eu trabalho intensamente ao longo do mês inteiro para que ele possa acontecer – não apenas coordenando locação de sala, organização de coffee-break, gerenciamento o pagamento parcelado de todas essas coisas, mas também produzindo o material, apostila, apresentação, dinâmicas.

Além disso, gerencio todos os contatos enviados por e-mail, inscrições, pagamentos, conferência de pagamento e por aí vai. Tenho uma amiga que trabalha comigo no dia do workshop dando suporte na sala, mas todo o restante eu faço sozinha. Eu não tenho uma empresa e funcionários (ainda!).

Realizar um workshop em São Paulo, a cidade onde eu moro, já demanda um investimento de tempo colossal da minha parte e não é fácil, porque concilio com todas as minhas outras atividades. Como vocês sabem, além de ter minha família (e um filho pequeno), trabalho ministrando treinamentos em empresas, coordeno toda a área de GTD na Call Daniel (que é representante oficial no Brasil, então imaginem a quantidade de coisas a fazer), tenho o blog, estou escrevendo outro livro, entre diversas outras atividades.

Fazer os workshops de maneira presencial em São Paulo tem sido o meu foco para 2015. Eu preciso fazer as coisas com tempo e qualidade para que sejam consolidadas. Não dá para investir cada hora em um formato. É importante ter foco e saber priorizar as atividades. Afinal, esse é o meu negócio, não é? Não adianta eu falar sobre isso e fazer outra coisa na prática. Sou muito preocupada em levar uma vida coerente com o que eu passo a todos os leitores e dar o exemplo faz parte disso.

Muitos leitores de outras cidades e estados já vieram a São Paulo participar dos workshops, o que para mim é um prazer imenso. Sei que não é fácil pegar um avião, pagar hospedagem, e dedicar um ou dois dias da sua vida pessoal a um evento como esse.

Sabendo disso, tentando atender os anseios dos leitores que moram em outros estados, criei uma pesquisa há algum tempo no blog buscando saber qual era o interesse para saber se haveria demanda para levar os workshops para outros lugares. Um workshop tem muitos gastos já em SP. Em outros estados, além dos mesmos gastos, também tem: passagens aéreas, hospedagem, custos com deslocamento, excesso de bagagem (afinal, preciso levar brindes, materiais, equipamento). Além de ser um final de semana longe da minha família, o que não tem preço.

Ao fazer a pesquisa, não tive tanta demanda assim como apareciam nos comentários. Selecionei os estados com maior demanda e comecei a me organizar para fazê-los acontecer lá. Em um deles (Porto Alegre), precisou ser adiado porque não encontrei um lugar legal e dentro do orçamento. Para mim, é muito importante manter o mesmo valor de SP. Eu ganho menos, mas o importante é que os leitores possam participar. O workshop do Rio de Janeiro, realizado semana passada, não teve tanta demanda assim – e era o estado com o maior número de solicitações. O workshop de Curitiba, que está com as inscrições abertas, também não está tendo. E eu tenho passagens compradas, hotel e local pagos. Se eu não tiver um número X de inscrições, esse dinheiro sairá do meu bolso. E isso, como negócio, me faz questionar se vale a pena investir tempo e dinheiro para ir para outros lugares também.

Estou escrevendo tudo isso para vocês entenderem como não é fácil levar um workshop para outras cidades. Toda vez que dedico um esforço enorme para realizar um workshop já em São Paulo, sempre alguém comenta “e em Porto Alegre?”, “e em Salvador?”, “e em Recife?”. Sei que todos comentam com a melhor das intenções, mas eu sinto como se nunca fosse o suficiente o esforço que tenho feito para atender as demandas dos leitores. Estou chegando em um estado de quase estafa de dedicação ao blog, porque sempre há mais e mais demandas e não sinto o mesmo retorno (e nem faço nada pensando no retorno, mas quando envolve uma dedicação tamanha como a organização de um workshop, onde deixo de aceitar outros trabalhos para produzir material, tiro dinheiro do meu bolso para pagar passagens etc, esse retorno importa).

O mesmo vale para cursos online. Pessoal, eu trabalho com Internet e sei a importância de cursos online. Estou louca para fazer – está em planejamento, não no campo das ideias, mas em implementação. Estou investindo em materiais, pesquisando as melhores plataformas, organizando o local para as gravações, montando scripts, definindo temas. Eu poderia muito bem gravar um vídeo qualquer e colocar no ar rendendo alguma coisa apenas para atender esses pedidos, mas eu não funciono assim. Primeiro, porque não acho honesto com o leitor. Gosto de entregar um produto com qualidade. Segundo, que são 24 horas em um só dia, e nós precisamos priorizar nossas atividades. Para eu dedicar agora tempo para fazer os cursos online, eu precisaria deixar de fazer muitas outras. Eu pretendo fazer os cursos online, mas estou me planejando para isso. Já falei diversas vezes isso aqui, e cada vez que posto a divulgação de um curso, workshop, palestra ou outra iniciativa e alguém comenta “e os cursos online?”, eu tenho a impressão de que nada do que eu estou falando importa, sabe? Sinto que, quando eu divulgar os cursos online, vão comentar: “e os podcasts?”.

O que eu estou querendo com este post? Algumas coisas. É praticamente um apelo (rs):

1 – A compreensão de que eu não sou a Martha Stewart Inc, e sim a Thais, uma pessoa normal e comum que trabalha como autônoma e tem diversas atividades, não tem assistentes, não tem uma empresa e equipe trabalhando para ela. Toda e qualquer iniciativa demanda tempo, esforço e dedicação da minha parte sozinha, e isso não é fácil. Não é de um dia para o outro.

2 – O entendimento de que eu tenho plena consciência de que existem muitas iniciativas muito legais para o blog, de cursos online a aplicativos, a livros novos e cursos diversos. É o meu negócio, pessoal, e penso nele 24 horas por dia. Eu tenho tantas ideias que às vezes acho que vou explodir. Porém, com o amadurecimento profissional, eu fui percebendo que a gente tem que consolidar as iniciativas que investe tempo e dinheiro, 1) para não surtar e 2) para entregar sempre produtos de qualidade.

3 – A compaixão por saber que eu recebo muitas, muitas demandas por dia dos leitores e que tento atender todos da melhor maneira possível, mas não consigo dedicar particularmente a cada um uma resposta mais completa, que muitas vezes está no próprio blog. São milhões de acessos todos os meses neste blog e eu preciso focar para conseguir produzir conteúdo para todos, não apenas para alguns. Às vezes o blog fica sem atualizações porque estou escrevendo em grupos no Facebook, respondendo comentários, e-mails, e parece que não estou produzindo, enquanto continuo produzindo MUITO. Algumas vezes, sequer consigo responder todos os comentários, e sempre recebo alguma cobrança ou resposta agressiva porque isso aconteceu.

Este post não é uma bronca (rs), mas um desabafo sincero em forma de recado, porque todos os dias recebo os mesmos tipos de mensagens e, muitas vezes, em um pequeno comentário não consigo responder. Espero ter esclarecido as principais dúvidas de todos com relação aos assuntos tratados acima. Eu apenas quero deixar claro que quero sim tornar todas essas iniciativas reais, mas elas demandam um esforço enorme e eu trabalho sozinha, então não é tão fácil nem tão rápido.

Obrigada por estarem aqui sempre comentando e dando força. Isso é muito importante. Espero que um dia eu consiga atender tudo isso e dê risada de um post como o de hoje, mas por enquanto minha realidade é essa. E ela já é muito legal! Tem muita coisa bacana acontecendo e eu gostaria que essas iniciativas fossem celebradas por todos assim como eu as celebro também! Não é possível agradar todo mundo, mas eu espero sempre dar meu melhor em tudo o que eu faço.

Agradeço muito muito muito a compreensão de vocês. <3

02 Jul 2015

Checklist de julho 2015

Todo mês eu posto uma sugestão de checklist para os leitores do blog. São ideias de atividades que podem ter a ver com seu momento atual. Segue a checklist de julho:

Tarefas para fazer ao longo do mês

  • Tirar o pó dos lugares mais altos da casa, como em cima dos armários e dos lustres
  • Trocar as fotografias da família nos porta-retratos
  • Verificar medicamentos vencidos
  • Providenciar um lugar para pendurar os casacos e colocar as roupas de frio ao chegar em casa
  • Testar um tempero novo no seu menu semanal
  • Fazer backup do computador
  • Limpar sua estante de livros
  • Separar alguns livros para troca ou doação
  • Doar agasalhos
  • Limpar pincéis de maquiagem
  • Trocar as escovas de dentes
  • Consertar algo que esteja quebrado

Projetos para trabalhar neste mês

  • Organizar a volta às aulas dos seus filhos (ou as suas, se estiver estudando)
  • Planejar a limpeza da casa em alguns pontos mais críticos por causa do inverno

Para fazer todo mês

  • Analisar os marcos do mês anterior
  • Analisar áreas de foco e ver se algo precisa da sua atenção
  • Checar a pasta do mês no tickler
  • Definir metas para o mês
  • Checar aniversariantes do mês
  • Checar agenda do mês e compromissos já agendados
  • Controlar as contas pagas e a pagar
  • Fazer backup de fotos e arquivos do computador
  • Fazer backup de fotos do celular
  • Escolher um passeio legal e gratuito para fazer com a família este mês

E você, o que pretende fazer em julho? Deixe um comentário contando!